O primeiro jornal fast-news do Nordeste
JUAZEIRO DO NORTE - CE
JUANORTE
Jornal de Opinião da Metrópole do Cariri
Capa     26/07/2015   Edição 341

CENTENÁRIO DO JUAZEIRO

15/01/2012

MAIS FAMOSO CORDELISTA DO JUAZEIRO CENSURADO

Foto: Cordéis de Juazeiro do Norte
Cem cordéis sobre a história de Juazeiro do Norte, do Padre Cícero e das romarias serão reimpressos por inciiativa da Prefeiutura de Juazeiro do Norte. A iniciativa é parte das ações comemorativas aos 100 anos de Juazeiro do Norte, que terminarão no próximo dia 22 de julho.. São cinqüenta cordéis clássicos e outros 50 contemporâneos, uma decisão que incentiva a produção poética, ao mesmo tempo, homenageando os que se ocuparam em escrever sobre a terra de Padre Cícero. Surprendente e estranhamente, entre os 100 cordeis escolhidos para reimpressão não consta nenhum do mais famoso poeta popular do Juazeiro na atualidade, Abraão Batista, o único da cidade que é membro da Academia Brasileira de Cordelismo. Ex-professor universitário, Abraão Batista faz sucesso com seus cordéis em todo o Brasil e outros países da América da Sul, sobretudo Argentina. Não pode ter sido esquecimento da Prefeitura. Parece muito mais censura e veto do prefeito Manoel Santana já que o poeta, colunista deste Juanorte, é severo crítico de sua gestão. Tudo indica que é mais uma atitude do espírito antidemocrático e revanchista do prefeito Manoel Santana, o pior prefeito da história do Juazeiro. Veja a lista dos 100 cordéis que seão reimpressos, conforme anúncio da própria Prefeitura do Juazeiro: CORDÉIS CLÁSSICOS:01. A Casa Grande do Horto e os Sinais do Fim do Mundo (Autor: Severino do Horto); 02. A chegada do Padre Cícero Romão Batista em Juazeiro (Autor: Honório da Pedra e Silva); 03. A Discrição de Juazeiro do Norte (Autor: Antonio D. Santos); 04. A Opinião dos romeiros sobre a Canonização do Padre Cícero pela Igreja Brasileira (Autor: Expedito Sebastião da Silva); 05. A Pranteada Morte do Padre Cícero Romão (Autor: José Bernardo da Silva); 06. A Profecia do Padre Cícero sobre o Juazeiro (Autor: Anônimo); 07. A queda do Pau do Horto (Autor: Antônio Domingos dos Santos); 08. A Verdadeira História da Lira Nordestina (Autores: Jose Lourenço e João Bandeira); 09. A Visita dos Romeiros como era Antigamente (Autor: Manoel Caboclo da Silva); 10. A Visita que Fez Satanaz a Juazeiro e seu Triste Desespero (Autor: João Pedro C. Neto); 11. A Voz do Padre Cícero (Autor: Enoque José de Maria); 12. A Voz do Romeiro (Autor: Fernando Almeida) 13. A Xilogravura e Seus Artistas (Autor: Expedito Sebastião da Silva); 14. As Lágrimas do Salgadinho; o Rio do Padre Cícero (Autor: Pedro Bandeira); 15. Centenário da Ordenação do Padre Cícero (Autor: Expedito Sebastião da Silva); 16. Discussão de um transviado com um romeiro (Autor: Estevão Rodrigues); 17. Dr. Floro Bartolomeu da Costa (Autor: João Bandeira de Caldas); 18. Hino de Juazeiro (Autor: Edjacir Ferreira Silva); 19. História da Guerra de Juazeiro em 1914 (Autor: João do Cristo Rei); 20. Historia em Quadrinho (Autora: Maria Lindalva Machado Ribeiro); 21. Homenagem a Padre Cícero, a Nossa Senhora das Dores e aos Romeiros de Juazeiro (Autor: João Bosco de Freitas); 22. José Marrocos Um Mártir do Milagre (Autor: José Flávio); 23. Juazeiro Está Chamando Todos os Romeiros no Dia 2 de Novembro (Autor: José Amaro Ferreira); 24. Juazeiro Ontem e Hoje (Autor: Zé Mutuca); 25. Juazeiro Primitivo (Autor: João Pedro C. Neto); 26. Juazeiro em 1911 – Cinqüentenário de Juazeiro (Autor: José Bernardo da Silva); 27. Memória do Padre Cícero, O Guia dos Romeiros, Protetor das Romarias (Autor: Manoel Romeiro); 28. Meu ABC de Cordel a Juazeiro do Norte (Autor: Paulo Nunes Batista); 29. Milagre do Padre Cícero e Maria de Araujo (Autor: Severino do Horto); 30. O Cruzeiro do Horto (Autor: José Bernardo da Silva); 31. O Progresso de Juazeiro e a Elevação de Juazeiro (Autor: Expedito Sebastião da Silva); 32. O que diz o Meu Padrinho Cícero sobre a Santa Romaria (Autor: João do Cristo Rei); 33. O Terrível Massacre do Caldeirão Beato do Zé Lourenço (Autor: Geraldo Amâncio); 34. O Valor da Oração e o Mistério do Rosário (Autor: Severino do Horto); 35. Os Romeiros em Juazeiro (Autor: Manoel Bezerra); 36. Os Sinais do Fim do Mundo e as três Pedras de Carvão (Autor: José Costa Leite); 37. Os Três Maiores Momentos da História do Juazeiro: A Chegada do Padre Cícero, O Milagre e Emancipação Política (Autora: Maria Rosimar Araujo); 38. Padre Cícero e Juazeiro Ontem e Hoje (Autor: Jackson Barbosa); 39. Padre Joaquim Alencar Peixoto: Baluarte da Emancipação Política de Juazeiro (Autora: Maria do Rosário Lustosa); 40. Profecia do Padrinho Cícero Sobre a Igreja do Horto (Autor: João do Cristo Rei); 41. Resumo Biográfico de José Bernardo da Silva (Autor: Expedito Sebastião da Silva); 42. Saudação ao Juazeiro do Norte (Autor: Patativa do Assaré); 43. Visita de Lampião a Juazeiro (Autor: José Cordeiro); 44. Machadinha de Noé (Autor: desconhecido); 45. O Juazeiro do Padre Cícero (Autor: Leandro Gomes de Barros); 46. O Incêndio do Mercado (Autor: Pedro Bandeira); 47. O Padre Cícero e o Homem com o Diabo no Couro (Autora: Josenir Lacerda); 48. Em Defesa do Padre Cícero (Autor: Expedito Sebastião da Silva); 49. A Queimação dos Panos Ensangüentados da Hóstia e Depoimento de Padre Antonio Vieira (Autor: João Bandeira); 50. As Santas Palavras do Padre Cícero Romão Batista e o Bilhete encontrado pela Santa Beata Mocinha sobre a corrupção do Mundo (Autor: Francisco Peres de Souza) CORDÉIS CONTEMPORÂNEOS: 01. Padim Ciço Abençoa o Juazeiro nos 100 Anos de vida Gloriosa (Autor: Bastinha Job); 02. Cem Anos de Independência Política de Juazeiro do Norte (Autor: João Bandeira); 03.Visitando Juazeiro (Autor: Ernando Carvalho de Recife); 04. Sonho e Realidade (Autor: Rosimar Araújo); 05. 100 Anos de Juazeiro (Autor: Zé Govin); 06. Juazeiro Centenário (Autor: José Irlando Morais); 07. Juazeiro Centenário da Fé (Autor: Raul Poeta); 08. Centenário de Juazeiro do Norte (Autor: Aldemá de Morais); 09. Centenário de Juazeiro do Norte (Autora: Antonia Rodrigues); 10. Marrocos na História de Juazeiro (Autor: Pedro Ernesto); 11. Poema Centenário de Juazeiro (Autor: Silvio Granjeiro); 12. Romaria (Autor: José Hugo Rodrigues Menezes. 13. A cultura popular no Centenário de Juazeiro (Autor: Abraão Rodrigues); 14. HESI - Hospital Escola Santo Inácio (Um marco no Centenário de Juazeiro) – Autor: Zé Joel; 15. Juazeiro Centenário (Autor: Ernane Tavares); 16. Juazeiro, Padre Cícero e o Progresso (Autor: José Gonçalves Sobrinho); 17. A Grande Batalha Juazeiro Contra o Crato (Viva Nosso Centenário) – Autor: Iderval Tenório; 18. Promessas ao Padre Cícero (Autora: Ângela Maria da Silva); 19. Cem Anos de Juazeiro do Padre Cícero Romão (Autor: Dão de Jaime); 20. Noticia do Centenário Causa Rebuliço no Céu (Autora: Rosangela Tenório); 21. Cem Anos de Juazeiro do Norte (Autor: Camilo B. Leonardo); 22. Juazeiro Centenário (Autor: Francisco A. Sousa); 23. O Juazeiro Diverso no Ano do Centenário (Autor: Edilson Botelho); 24. Ode à Mudança do Topônimo de Juazeiro do Norte Para Juazeiro do Padre Cícero (Autor: José Rodrigues Filho); 25. O Centenário do Município de Juazeiro do Norte (Autor: Antonio Batista de Souza); 26. História Com H Maiúsculo (Autor: Pedro Bandeira); 27. Recortes de Nossa História Juazeiro do Norte – 1911-2011 (Autora: Cicera Viana); 28. Assunção Gonçalves - A Dama do Juazeiro Centenário (Autor: Rosário Lustosa); 29. Homenagem ao Padim Cícero Cearense do Século (Autor: Lucas Evangelista); 30. O Santo de Juazeiro (Autora: Nezite Alencar); 31. Juazeiro do Norte Um Século de Progresso e Fé (Autor: Josenir Lacerda); 32. Juazeiro, A Arvore Símbolo do Ceará (Autor: Wanderlei Pereira); 33. Juazeiro Centenariado (Autor: Francisco de Assis A. Santos); 34. A História de General O Homem que Abre portas (Autor: Francisco de Assis A. Santos); 35. A Visita de Dom Fernando a Roma Para a Reabilitação do Padre Cícero (Autor: Caboclinho); 36. Príncipe Ribamar (Autor Justino Paulo Bandeira); 37. Queima de Arquivo - Os Livros Proibidos do Padre Cícero (Autor: Orivaldo Batista); 38. Embalando Meninas Em Tempos de Violência (Autora: Salete Maria da Silva); 39. Juazeiro Primitivo e Atual (Autor: Luiz Severino de Melo Silva); 40. Padre Cícero e a Vampira (Autora: Fanka); 41. Caixa de Graxa (Autor: Soneca); 42. Alerta, Pocotolandia! A Cartilha do Maudito (Autor: Hélio Ferraz); 43. A Morte de Padre Murilo (Autor: João Antonio da Silva); 44. A Chegada de Padre Cícero no Céu (Autor: Renato Dantas); 45. 100 Anos de Absurdo (Autor: Luiz Augusto Bitu); 46. Conheça o Juazeiro (Autor: João Bandeira); 47. Uma Festa de Vaquejada em Juazeiro do Norte (Autor: Abrão Rodrigues); 48. Juazeiro Oratório (Autor: Justino Paulo Bandeira); 49. Memórias e Fatos Religiosos - cordel ilustrado com xilogravuras (Autor: José Mauro Matos); 50. Fatos e Intervenções de Juazeiro Centenário (Autor: Soneca).


13/11/2011

MOSTRA SESC-CULTURA HOMENAGEIA JUAZEIRO

Foto: Mais de 500 artistas na Mostra Sesc-2011 no Juazeiro

De 11 a 16 deste novembro, Juazeiro do Norte e região sul do Ceará vão receber a13ª edição da Mostra SESC Cariri de Cultura. Entre as atrações está prevista uma programação especial para a criançada. Companhias de Fortaleza, São Paulo, Rio Grande do Sul e Minas Gerais irão se dividir em apresentações nas cidades do Juazeiro, Crato, Nova Olinda e Araripe. O grupo cearense Bricoleiros apresenta o espetáculo Criaturas de Papel, onde três pessoas ou mais manipulam o mesmo boneco, enriquecendo os movimentos, ampliando a margem de expressividade e atuação das marionetes. As companhias paulistas Cia Polichinelo e Desajuste apresentam, respectivamente, as peças Frankenstein, contada através do teatro de bonecos, e Mareados, onde três palhaços dividem uma embarcação até serem surpreendidos pela chegada de uma divertida náufraga. Para completar a programação infantil, o Grupo Timbre de Galo, do Rio Grande do Sul, apresenta A Viagem do Barquinho, que narra a busca de um menino sonhador, que partiu a procura do seu barquinho de papel, encontrando personagens fantásticos pelo caminho.A abertura da 13ª Edição da Mostra SESC Cariri de Cultura aconteceu nessa sexta-feira (11). Às 17 horas a Grande Companhia Brasileira de Mystérios e Novidades, do Rio de Janeiro, começou a apresentação com o espetáculo Chegança do almirante negro na pequena África, no Largo do Memorial Padre Cícero. Depois, às 19 horas foi realizado o cerimonial, na Praça Padre Cícero,com a presença do presidente do Sistema Fecomércio, Luiz Gastão Bittencourt e da Diretora Regional do SESC, Regina Leitão. O agito da noite ficou por conta do Musical Traduções Cariris, com os Zabumbeiros Cariri, Abidoral Jacamaru, João do Crato e Salatiel, e da irreverente cantora Elza Soares, misturando samba, bossa nova, MPB, sambalanço, samba rock e hip-hop. O show da cantora, substituindo o programado com Tom Zé, cancelado na última hora, foi um dos destaques da noite de abertura do evento do SESC, que este ano faz homenagem especial ao centenário do município de Juazeiro do Norte.Em uma vasta programação, dividida em núcleos de literatura, artes cênicas, audiovisual, tradição e música, a Mostra SESC Cariri de Cultura reúne espetáculos nacionais e internacionais, envolvendo a participação de mais de 500 artistas.Elza Soares, cantora e compositora brasileira de samba, bossa nova, MPB, sambalanço, samba rock e hip-hop, tornou-se popular com as canções "Se Acaso Você Chegasse", "Mas Que Nada", entre outros sambas de sucesso. Recebeu indicações ao Grammy Awards e, foi eleita pela BBC de Londres "a cantora do milênio".O show Traduções Cariris é a caixa amplificadora capaz de dar ressonância às mais diversas expressões artísticas de que o Cariri é reconhecidamente um celeiro. De um lado, a tradição configurada na batida inconfundível e telúrica dos “Zabumbeiros Cariris”, e na outra extremidade os músicos caririenses mais emblemáticos da região, trazendo-nos o contraponto imprescindível das traduções. O show traz um grupo de artistas representativos daquilo que se vem fazendo de melhor em música contemporânea no Ceará.A Grande Companhia Brasileira de Mystérios e Novidades é parte de um movimento cultural que trabalha no risco e na busca do essencial do teatro. É formada por artistas que desenvolvem um trabalho contemporâneo a serviço da evolução do ser humano e da sociedade. Seus espetáculos de teatro de rua, com suas coreografias em pernas-de-pau e musica ao vivo, buscam recuperar a linguagem dos antigos atores/músicos populares, inscrevendo-se na categoria do Circo Dramático, que inclui teatro, dança e música.. Nos dias 12,13 e 14 de novembro a 13° Mostra SESC Cariri de Cultura recebe o 3° Seminário “Arte e Pensamento: A reinvenção do Nordeste”. Nesta edição o seminário apresenta temáticas sobre fotografia, cinema, artes plásticas e visuais, além de reflexões acerca da oralidade e da religiosidade presente aos modos do Nordeste.A abertura será 14h e conta com a presença do Presidente do Conselho Regional do SESC Ceará, Luiz Gastão Bittencourt; da Diretora Regional do SESC Ceará, Regina Leitão e da Vice Diretora da Universidade Federal do Ceará (campus Juazeiro), Suely Chacon. Na ocasião será firmado um convenio entre o SESC e a UFC que tem por objetivo incentivar o fomento e o desenvolvimento da economia solidária local.Como nas edições anteriores, o objetivo é tecer reflexões críticas a partir de produções culturais e artísticas do nordeste. As exposições acontecem na UFC, campus Juazeiro do Norte.Como convidados do seminário Cristiana Tejo apresenta a temática “Arte Contemporânea no Nordeste” e Silvio Tendler expõe “Quatro Baianos Porretas”. Evandro Teixeira tece considerações sobre “A Fotografia na Construção da História”, e Francisca Pereira dos Santos apresenta a palestra “É preciso profanar: mauditos, bandos e coletivos na des/ordem do imaginário sagrado de Juazeiro do Norte”. No último dia de debates a conferencista Joseilda Diniz expõe sobre “Reinventar outro fazer junto aos poetas: novas práticas de pesquisa nas tradições orais” e Alberto Lins Caldas fala sobre “O poema: a experiência da Literatura”.

21/08/2011

MAIS 20 LIVROS NA COLEÇÃO DO CENTENÁRIO

Foto: Selo do Cetenário do Juazeiro

Banco do Nordeste anunciou, nessa semana, que vai patrocinar a impressão de mais 20 livros sobre Juazeiro do Norte e Padre Cícero ampliando assim a Coleção Centenário. Quem deu a informação foram o diretor institucional do Banco do Nordeste, José Sydrião Alencar Junior, e o Superintendente do ETENE (Escritório Técnico de Estudos Econômicos do Nordeste), José Narciso Sobrinho, aos membros da Comissão Centenário do Juazeiro. Os dirigentes da instituição financeira gostaram do resultado dos 19 livros financiados anteriormente fazendo elogios à qualidade e a escolha dos títulos pela comissão, chegando à conclusão que valeu a pena apoiar a iniciativa. Por isso, os dois autorizaram a impressão de mais 20 livros por meio de dois projetos de 10 cada um a fim de serem publicados até julho de 2012, quando termina a festa pelos 100 anos de Juazeiro do Norte. Um deles será inédito e até já tem título: “Juazeiro e suas memórias”.
A autora é a já falecida professora Amália Xavier e os originais escritos a mão em papel almaço encontram-se nas mãos do professor Renato Casimiro. Será criado, com financiamento do Banco do Nordeste, um site disponibilizando todos os livros dessa coleção. Ele já apontou até períodos para o lançamento das novas etapas de títulos, sendo 10, durante a Semana de Padre Cícero, no mês de março, e 10 no encerramento do ano Centenário, em julho.



21/08/2011

JUAZEIRO CENTENÁRIO CELEBRADO NO SENADO

Foto; Senador Inácio Arruda discursa saudando centenário do Juazeiro

Depois da cerimônia no Palácio do Planalto, onde a presidente Dilma Rousseff anunciou a criação da Unversidade Federal do Cariri, com sede em Juazeiro do Norte, a Metrópole do Cariri foi homenageada, nessa terça-feira(16), ás 14 horas no plenário do Senado Federal, onde houve sessão especial em homenagem ao seu centenário, por iniciativa do senador Inácio Arruda. Discursaram os senadores Inácio Arruda(PcdoB-CE), Eunício de Oliveira(PMDB-CE), José Pimentel(PT-CE) e Geovani Borges(PMDB-AP), relembrando fatos históricos do Juazeiro, enaltecendo a figura do Padre Cícero e a importância de Juazeiro do Norte no desenvolvimento do Nordeste. Destacou o senador Inácio Arruda: “Coincidentemente, estamos homenageando Juazeiro do Norte exatamente no dia em que a presidente Dilma Rousseff anunciou a criação da Universidade Federal do Cariri com sede no Juazeiro e que vai ser agora fator de grande desenvolvimento em toda a região sul do Ceará. A universidade terá como sede a cidade de Juazeiro do Norte, com campi em Barbalha, Crato, Brejo Santo e Icó”. Ele também ressaltou que a grande contribuição do Cariri para o mundo e para o Brasil não se dá pela cultura letrada e o vigor da economia da região, mas pelos tesouros valiosos da cultura popular local, que possibilitam o renascimento artístico que vem a ser a síntese e o ensaio da brasilidade aberto ao universal. Em seu discurso, Inácio Arruda disse que homenagear Juazeiro do Norte também significa prestar uma homenagem ao Padre Cícero Romão Batista (o primeiro prefeito da cidade) e ainda aos reisados; aos tocadores de pífanos; aos mestres rabequeiros; às romarias; à força do simbolismo; aos encantos da Floresta Nacional do Araripe, a primeira instituída pelo governo brasileiro no 2º Império; e a muitas outras manifestações culturais locais. O senador lembrou ainda que Juazeiro do Norte foi o primeiro distrito cearense a fazer alforria de seus escravos, que a conquistavam à medida que trabalhavam na construção da Capela de Nossa Senhora das Dores, na antiga localidade de Tabuleiro Grande. O senador explicou ainda que o nome do município homenageia o juazeiro, que é uma das árvores mais resistentes da caatinga. Juazeiro do Norte, disse Inácio Arruda, é hoje a cidade mais populosa do interior do Ceará, com quase 250 mil habitantes. O artesanato e a ouriversaria, informou o senador, são atividades fortes do município, que é o maior pólo calçadista do Norte e Nordeste e o terceiro do Brasil. Juazeiro do Norte, disse Inácio Arruda, constitui ainda um caso raro de município que alcançou a sua emancipação política unindo a força das armas e da fé, que se organizou em torno de Padre Cícero. Ele lembrou que a demanda por emancipação encontrou resistência nas forças políticas tradicionais que dominavam a região. Muitas mobilizações foram feitas, com a participação da imprensa e de personalidades locais que incentivaram a população a lutar pela independência do município. Durante a homenagem no Senado, a criação da Universidade Federal do Cariri, com sede no Juazeiro, que será a terceira universidade federal no Ceará, também foi saudada pelo senador José Pimentel (PT-CE). Na avaliação do senador, a iniciativa irá ampliar a oferta de educação de qualidade ao povo cearense. José Pimentel lembrou que o binômio formação-trabalho sempre esteve na base da formação da sociedade de Juazeiro do Norte, ressaltando que a criação de pequenos empreendimentos era estimulada pelo Padre Cícero, que recomendava a seus seguidores: "Em cada sala, um altar; em cada quintal, um negócio". Já o senador Eunicio Oliveira (PMDB-CE) discursou dizendo que todos os cearenses torcem atualmente pela beatificação do Padre Cícero, como resultado de um processo de reabilitação eclesial do religioso que tramita no Vaticano. Ele acrescentou que Juazeiro do Norte é hoje um dos maiores centros de peregrinação e religiosidade popular da América Latina, graças à figura do Padre Cícero. Como último orador da sessão, o senador Geovani Borges (PMDB-AP) enalteceu a região de Juazeiro do Norte, prestando uma homenagem à colônia nordestina no Amapá. Ele destacou que o município cearense abriga um avançado parque industrial, além de grandes festas anuais, majoritariamente religiosas, que mobilizam a atenção de turistas e romeiros brasileiros e do exterior. Ao final da sessão no Senado, o reitor da Universidade Federal do Ceará, Jesualdo Farias, disse ao Juanorte que a implantação da Universidade Federal do Cariri, no Juazeiro, deverá ser bem acelerada, talvez num prazo de um ano e meio, e que imediatamente serão criados pelo menos dez cursos superiroes para atender a grande demanda de profissionais qualificados no Juazeiro e no Cariri. Além do prefeito do Juazeiro, Manoel Santana, e do vice-prefeito Roberto Celestino, estiveram presentes também no Senado, o Procurador da República, José Adonis Callou, o secretário de Turismo do Juazeiro, José Carlos dos Santos, e o administrador salesiano do Horto, padre José Ventureli. A Fundação Demócrito Rocha, de Fortaleza, presenteou as autoridades com um belo almanaque impresso sobre o Centenário de Juazeiro do Norte.Sessão especial do Senado foi aberta e encerrada com apresentação do artista Fábio Carneirinho que cantou músicas em louvor ao Padre Cícero, ao Juazeiro e ao sertão do Nordeste, causando emoção no plenário do Senado Federal.

07/08/2011

SENADO CELEBRARÁ CENTENÁRIO DO JUAZEIRO

Foto: Plenário do Senado onde Juazeiro será homenageado

Direção do Senado Federal confirmou homenagem pelos 100 anos de emancipação política de Juazeiro do Norte, dia 16 de agosto, a partir das 14 horas. Trata-se de uma iniciativa do senador cearense Inácio Arruda que já fez pronunciamento sobre a data no plenário do parlamento. Deverão participar da sessão especial, o prefeito Manoel Santana, o vice José Roberto Celestino, o Secretário de Turismo e Romaria, José Carlos dos Santos, e deputados federais da bancada cearense. Como parte da homenagem, haverá uma exposição de fotografias mostrando o Juazeiro antigo e o atual, distribuição de kits do Centenário com os participantes, execução do hino e pronunciamentos das autoridades. Um dia antes, mm 15 de agosto, o Centenário do Juazeiro será celebrado pela Assembléia Legislativa do Ceará. Deputados estaduais vão se revezar na tribuna saudando Juazeiro pela passagem dos 100 anos de emancipação política. O dia 22 de julho, data histórica da independência do Juazeiro, já passou, mas as comemorações pelos 100 anos de Juazeiro do Norte prosseguem. De acordo com o Secretário de Turismo e Romarias, José Carlos dos Santos, muitos eventos e inaugurações ainda estão previstos para acontecer. Um deles será o IV Encontro Nacional de Cidades Históricas e Turísticas programado para o período de 1 a 3 de setembro no Memorial Padre Cícero. O evento é uma promoção do Governo Federal e o Ministro do Turismo, Pedro Novais, presidirá a cerimônia de abertura do encontro. Estão previstos ainda novos lançamentos de livros, incluindo “O Patriarca de Juazeiro”, do Padre Azarias Sobreira. No dia 4 de outubro, todos os ex-prefeitos do Juazeiro vivos receberão homenagens do município na data em que comemora 100 anos da posse de Padre Cícero como primeiro prefeito da cidade. Eles fazem parte do rol de 100 celebridades a receberam comendas do Centenário que a prefeitura vai continuar concedendo por grupo de 10 pessoas como fez no dia 22 de julho, data da emancipação do Juazeiro.


24/07/2011
SEM OBRAS PARA INAUGURAR, MÚSICA PARA ALEGRAR

Foto Divulgação: Show do padre Reginaldo Manzotti no Juazeiro

Sem obras para inaugurar, a Prefeitura do Juazeiro do Norte fez show para o povo se alegrar no centenário da cidade. Assim, cerca de 50 mil pessoas, segundo a Prefeitura, compareceram à missa e ao show do padre Reginaldo Manzotti abrindo a Semana do Centenário no Parque de Eventos Padre Cícero. Durante a celebração, o padre Manzotti disse que “Juazeiro é patrimônio da fé no Brasil” e considerou a história da cidade como “maravilhosa”. Ressaltou as vitórias de Juazeiro nestas 10 décadas e, sem citar nomes, lamentou a existência de pessoas que não querem deixar o município crescer. Para o público presente, ele devia estar se referindo ao governador do Ceará, Cid Gomes, aos seus secretários e deputados estaduais, ao próprio prefeito Manoel Santana e aos eternos inimigos da vizinha cidade de Crato porque, na verdade,, são esses os mais notoriamente identificados com impedimentos ao maior progresso do Juazeiro. “São inimigos e é preciso que todos orem como melhor forma de afastar a inveja e neutralizar o mal”, alertou o padre. Na terça-feira(19) foi lançada a Coleção do Centenário, importante projeto editorial da Comissão do Centenário e da Secretaria de Turismo e Romaria. O auditório do Memorial Padre Cícero ficou absolutamente lotado. Da primeira etapa do projeto fazem parte 15 títulos. São reedições de livros históricos que estão esgotados, publicações de livros inéditos e a parte das dissertações de mestrados e teses de doutorado. O projeto editorial é uma ação conjunta da Prefeitura de Juazeiro, Fundação Memorial Padre Cícero, Banco do Nordeste e IMEPH.O presidente da Comissão do Centenário, jornalista Menezes Barbosa, parabenizou os parceiros pela iniciativa que resultou num lançamento de 15 títulos “um verdadeiro marco cultural em todo o país”. O coordenador do Conselho Editorial deste projeto, professor Renato Casimiro, agradeceu o apoio à iniciativa a partir da constituição da Comissão do Centenário. Lucinda Marques, Diretora da IMEPH, externou sua honra e responsabilidade, enquanto editora, para com o cumprimento do prazo de produção. Ela também agradeceu aos escritores, por disponibilizarem as obras.. Em nome dos escritores, se pronunciou a Irmã Ana Teresa. Sua fala foi marcada pela emoção e agradecimento a parceria, que possibilitou o lançamento das obras. Ela levou seu pronunciamento na conjectura popular da realização do homem em ter um filho, plantar uma árvore e escrever um livro. O prefeito Manoel Santana, que não fez nada importante para o Centenário do Juazeiro, disse que reconhecia existir um débito muito grande das administrações públicas com essa questão e assumiu, publicamente, um compromisso, “Em outubro lançaremos mais 5 livros, mas quero até julho de 2012, nesta parceria com o Banco do Nordeste e IMEPH, lançar 100 obras, correspondentes ao nosso grande Centenário”.


17/07/2011

CENTENÁRIO DO JUAZEIRO GANHA COLEÇÃO DE LIVROS

Foto: Convite de lançamento da Coleção

Coleção Centenário, composta de 20 livros,será lançada nesta semana de comemoração dos 100 anos de Independência do Juazeiro do Norte. Vai ser às 19 horas desta terça-feira, 19 de julho, no Memorial Padre Cícero. Serão duas reedições, três livros inéditos e dez com textos acadêmicos com lançamentos terça-feira. Outros cinco volumes de edições e reedições estão com datas agendadas para lançamentos entre os meses de setembro e outubro por ocasião dos 100 anos da posse de Padre Cícero como prefeito. É tudo resultado do esforço pessoal e abnegado do historiador e pesquisador Renato Casimiro, sem qualquer pagamento, apenas por amor ao Juazeiro. Os títulos foram definidos pela Comissão Organizadora do Centenário e as impressões tiveram total apoio do Banco do Nordeste. Ao todo são 20 obras que permitirão ao leitor um passeio pela história de Juazeiro e do Padre Cícero.. O ato faz parte da Semana do Centenário de 17 a 24 de julho com uma vários eventos sociais, culturais e religiosos. Confira a relação dos livros a serem lançados: Reedições:“Joaseiro do Cariry”, de Joaquim Marques Alencar Peixoto; “Padre Cícero, Pessoas, Fotos e Fatos”, de Walter Menezes Barbosa. Inéditos: “Memórias de um Romeiro”, de Fausto da Costa Guimarães; “Odílio Figueiredo - um Juazeirense de Expressão”, de Odílio de Figueiredo Filho; “De D. Bosco a Padre Cícero – a Saga do Escultor Agostinho Balmes Odísio, Discípulo de Rodin”, de Vera Odísio Siqueira. Textos Acadêmicos:“A Construção de Práticas e Saberes em Saúde dos Romeiros do Padim Ciço”, de Anair Holanda Cavalcante; “Sob o Signo da Fé e da Mística: Um Estudo das Irmandades de Penitentes no Cariri Cearense”, de Anna Christina Farias de Carvalho; “Amália Xavier e a Escola Normal Rural de Juazeiro do Norte: Registros Sobre a Constituição de uma Cultura Docente para a Educação no Campo, de Delane Lima Nogueira; “O Teatro de Deus - As Beatas do Padre Cícero e o Espaço Sagrado de Juazeiro”, de Edianne dos Santos Nobre; “Os Caminhos da Terceirização em Juazeiro do Norte – um olhar sobre as Instituições Públicas”, de José Carlos dos Santos; “A Cidade do Padre Cícero - Trabalho e Fé, de Maria de Lourdes Araújo; “Entre Chegadas e Partidas - Dinâmicas das Romarias em Juazeiro do Norte”, de Maria Paula Jacinto Cordeiro; “O Lavrador – A Função do Jornal na Formação do Professor Ruralista de Juazeiro do Norte, de Mirelle Araújo da Silva; “Para Onde Sopra o Vento – a Igreja Católica e as Romarias de Juazeiro do Norte”, de Renata Marinho Paz; “Padre Cícero e a Nação Romeira – Estudo Psicológico da Função de um "Santo" no Catolicismo Popular”, de Therezinha Stella Guimarães.Edições e Reedições(lançamentos * outubro): “Padre Cícero e Juazeiro – Textos Reunidos”, do padre Néri Feitosa; “Rostos de Juazeiro”, de Raimundo Araújo; “O Patriarca de Juazeiro”, do padre Azarias Sobreira Lobo; “Mistérios do Joaseiro”, de Manoel Pereira Dinis; e “Joazeiro do Padre Cícero e a Revolução de 1914”, de Irineu Nogueira Pinheiro.



10/07/2011

VIBRE COM O HINO AO CENTENÁRIO DO JUAZEIRO

Foto Juaonline: Musico Paulo de Souza
 

Sem nenhum apoio da Prefeitura Municipal de Juazeiro do Norte, o engenheiro civil e músico juazeirense Paulo de Souza compôs o Hino ao Centenário da Independência do Juazeiro, aprovado pela Câmara Municipal. Professor da
da Universidade Regional do Cariri – URCA, onde é responsável pelas cadeiras de Pratica das Construções II, Patologia das Edificações e de Fundações de Edifícios, Paulo de Souza foi aluno do Colégio Salesiano de Juazeiro do Norte. Em sua experiência musical, estudou piano no Complexo Cultural Schoenberg, no Juazeiro, compôs o Hino de Nossa Senhora do Perpétuo Socorro, cantado na Capela do Socorro no Juazeiro, o Hino do Menino Jesus de Praga, da paróquia do mesmo nome, também no Juazeiro. Saudando a chegada do Terceiro Milênio produziu o CD “Nosso Canto..., Nossa Prece”, interpretado pelo cantor Francisco Feitosa dos Santos ( Francisquinho ), o mesmo que interpreta agora o Hino ao Centenário do Juazeiro. Sem ajuda do governo muncipal, o próprio autor da composição em homenagem ao Centenário do Juazeiro, Paulo de Sousa, andou distribuindo na cidade o CD com a gravação do Hino, sem nenhum interesse comercial, movido apenas pelo seu grande amor ao Juazeiro. Veja a letra do Hino ao Centenário de Juazeiro do Norte:

HINO AO CENTENÁRIO DO JUAZEIRO

Sob o manto de Maria tu nasceste
E o amor do Padre Cícero Romão.
Haverá lugar bendito como este?
Quanta honra, luz e glória neste chão!

Refrão:
Teu passado, Juazeiro, é glorioso.
Teu presente um pujante florescer
Teu futuro é grandioso
Construído com trabalho e com fé.

Dos pequenos e dos grandes és guarida.
Acolher é tua nobre vocação.
És refúgio para os náufragos da vida,
Que da Virgem buscam amparo e proteção.

Nesta terra, cada lar é uma oficina,
Oratório de labor e devoção.
A semente que se lança aqui germina,
Multiplica, gera fruto em profusão.

Maravilha! Celebrar teu Centenário
Grande festa de beleza singular.
Te saudamos, ó cidade-relicário,
Hoje e sempre haveremos de te amar.



Agora, ouça e cante o Hino ao Centenário do Juazeiro do Norte:
www.youtube.com/watch?v=Nmtv_M1czpk




26/06/2011

CENTENÁRIO GANHA LIVRO "JUAZEIRO, MAGIA E POESIA"

Foto: Luzeiro do Nordeste e capa do  novo livro
 
Próximo de completar seu primeiro centenário de emancipação política, dia 22 de julho deste 2011, Juazeiro do Norte, maior e mais importante cidade do interior ceaerense, ganha um valioso presente editorial: é o livro “Juazeiro, Magia e Poesia”, produção independente dos escritores Manoel César e Nilze Costa e Silva lançado nessa semana(23) no Hotel Cariri Plaza, no centro do Juazeiro. Segundo os autores, o livro é um roteiro afetivo, poético, histórico, cultural e turístico, um passeio afetivo pela história e geografia da cidade de Juazeiro do Norte, buscando ressaltar a sua beleza do lugar e levando o leitor-visitante a conhecer e se encantar com a cultura da cidade através da magia que transformou Juazeiro na Metrópole dlo Cariri. Embora seja um livro especialmente escrito para os visitantes e turistas do Juazeiro, seu conteúdo interessa a todos que se sensibilizam pela rica cultura juazeirense, verdadeiro celeiro nacional de artistas e poetas populares. Basta lembrar que Juazeiro do Norte é a capital brasileira do artesanato e da literatura de cordel, mas a cidade também é rica em muitas outras manifestações culturais, sobretudo folclóricas e musicais. Conheça os autores de “Juazeiro, Magia e Poesia”: Manoel César nasceu em Fortaleza-Ce, em 4 de maio de 1948. É Procurador Federal do INSS. Escreveu os livros: A Poesia Ainda Existe (1983), Sintagmas da Solidão (1985) e Mágicas Palavras (1988) e Detalhes do Tempo. Integra as antologias: O Talento Cearense em Poesia (Ed. Maltese, São Paulo, 1996); Poetas Pela Paz e Justiça Social, lançada em 2007 na Feira do Livro de Porto Alegre (RS), Policromias nº 4 e 5. Participa do grupo Poemas Violados, sendo um dos seus fundadores, em 2001. Seu mais recente livro, “Detalhes do Tempo” constitui sua obra reunida para as novas gerações que não tiveram acesso aos seus três primeiros livros, que obtiveram Menção Honrosa Prêmio Estado do Ceará na década de 80. Nilze Costa e Silva nasceu em Natal, Rio Grande do Norte, tendo vindo morar no Ceará com alguns meses de idade. Ainda na adolescência se apaixonou pela Literatura, lendo os grandes clássicos mundiais. Graduou-se em Administração de Empresas e logo após especializou-se em Teoria da Literatura (1986), pela Universidade de Fortaleza (UNIFOR). Estreou na Literatura com o livro Viagem (contos e crônicas). Quando foi instituído o Prêmio Estado do Ceará, Nilze Costa e Silva sagrou-se em 1° lugar, com a novela no Fundo do Poço. A autora está incluída no Dicionário Crítico de Escritoras Brasileiras, de Nelly Novais Coelho - (2002) – Escrituras Editora. Entre outras obras, é autora de O Esconderijo dos Anjos (romance-reportagem); Dilúvio (contos); Fortaleza Encantada (crônicas afetivas sobre a cidade de Fortaleza) e A Mulher sem Túmulo (vida romanceada da Beata Maria de Araújo, protagonista do Milagre deoJuazeiro em 1889). O novo livro de Manoel César e Nilze Costa e Silva é uma homenagem ao Centenário de Juazeiro do Norte.

Manoel César e Nilze Costa, autores do novo livro sobre Juazeiro

19/06/2011

FESTIVAL DE CINEMA FAZ SUCESSO NO JUAZEIRO

Foto; Festival de Cinema no Memorial Padre Cícero

Festival Ibero-Americano de Cinema- 21º Cine Ceará, realizado este ano em Juazeiro do Norte, em homenagem aos 100 anos de sua independência política, promoveu na quarta-feira dessa semana, dia 15, a Mostra Temática Padre Cícero, no Centro Cultural BNB/Juazeiro. Já no Memorial Padre Cícero, dentro da programação do Seminário Religiosidade no Cinema, foi exibido o filme: “Os Milagres de Juazeiro”, de Helder Martins, produzido em 1976. No mesmo local, aconteceu a Mostra Homenagem Eduardo Coutinho com o documentário “Moscou”, de sua autoria. O Memorial ficou lotado durante o seminário aberto no domingo(12) pelo escritor e dramaturgo Ariano Suassuna e pelo filósofo português João Vila-Chá. Na abertura houve a exibição do filme “Joazeiro de Padre Cícero”, de Adhemar Bezerra, produzido em 1925. Em função do grande público presente ao seminário, teve que ser colocado um telão do lado de fora do memorial, recém-reformado. Uma outra atração do seminário, promovido pela Universidade Federal do Ceará em homenagem aos 100 anos da Cidade do Juazeiro, foi o debate sobre o filme “O Pagador de Promessas”, de Anselmo Duarte, dentro da Mostra Audiovisual e Educação.Os debatedores foram Regis Lopes, ex-diretor do Museu do Ceará e atual diretor do Núcleo de Documentação Cultural da UFC. Ele é autor de “Caldeirão: um estudo histórico sobre o Beato José Lourenço e suas comunidades”; “João de Cristo Rei: o profeta de Juazeiro”, “Imagens do Padre Cícero: sagrado e profano” e “O Verbo Encantado: a construção do Padre Cícero no imaginário dos devotos”. Além dele, a socióloga Sulamita Vieira, professora da UFC e autora de “o Sertão em Movimento: a dinâmica da produção cultural”, sobre Luiz Gonzaga, além de “Velhos Sanfoneiros”. A Mostra Competitiva Brasileira de Curta-Metragem apresentou os filmes: “Julie, Agosto , Setembro”, de Jarleo Barbosa, “Com a Mosca Azul”, de Cesar Netto, e “Juazeiro, a Nova Jerusalém”, do cineasta Rosemberg Cariry. Seminário foi encerrado na manhã da terça-feira(15) com uma palestra do escritor e jornalista Lira Neto, autor do livro “Padre Cícero, poder, fé e guerra no sertão”, no memorial Padre Cícero. Na manhã da terça-feira houve também debate sobre o filme: “Juazeiro, a Nova Jerusalém”, de Rosemberg Cariry. O debate teve a participação do escritor e teatrólogo, Oswald Barroso, autor dos livros sobre religiosidade popular: “Romeiros” e das peças: “Auto do Caldeirão” e “Corpo Místico”, além da irmã Annette Dumoulin, autora do livro “Padre Cícero por ele mesmo”, juntamente com a irmã Ana Tereza. Para o Secretário de Turismo e Romaria de Juazeiro do Norte, José Carlos dos Santos, o seminário foi revestido de êxito. .

27/02/2011

ACERVO DA IMPRENSA CENTENÁRIA DO JUAZEIRO

Juazeiro do Norte comemorou no dia 18 de julho de .2009 o centenário de sua Imprensa. Houve sessão festiva e uma exposição de jornais, desde a primeira edição de O Rebate, foi aberta no Centro Cultural do BNB. Naquela data, por sugestão dos professores Renato Casimiro e Daniel Walker, iniciava-se a celebração do Centenário do Município de Juazeiro do Norte. Na exposição, por limitação de espaço, apenas um terço dos jornais foram mostrados, através das primeiras páginas de suas primeiras edições. Na ocasião,a coleção de periódicos dos dois professores registrava um total de 330 jornais (muitos dos quais com coleções completas), sendo que 314 estavam devidamente idexados e deles tínhamos as imagens. Outros 16, para os quais reconhecíamos sua existência por títulos mencionados em outras fontes ou por informações seguras oriundas de jornalistas, editores, etc, estavam sendo investigados. Passados quase 19 meses daquele inventário, registram-se 430 títulos. Portanto, a coleção foi acrescida de 100 novos títulos. Destes, 90 títulos foram perfeitamente identificados (alguns raríssimos) e outros 10 foram indicados e ainda serão bem qualificados com os dados de editores, período de circulação, etc. Dos 90 mencionados, apenas 26 são novos títulos surgidos após 18.07.2009. 74 são velhos títulos até então omitidos em nossa relação. Ao fazer este pequeno relato, Renato Casimiro e Daniel Walkeer agradecem o empenho de tantos colegas da imprensa que vieram prontamente oferecer informações e exemplares para aprimorar o nosso inventário, parte do denso volume que estamos produzindo para contar a História de Imprensa Escrita de Juazeiro do Norte, que constará das seguintes seções: 1. HISTÓRICO (Cronologia de fatos e personagens da História da Imprensa Juazeirense); 2. REDAÇÃO, OFICINAS E GESTÃO (Descrição das sedes, equipamentos e práticas de jornalismo impresso); 3. JORNALISTAS(Biografias sumárias de editores e redatores); 4. ASSOCIAÇÕES (ACI, AJI, ACEJI e outras); 5. ACERVO (Jornais, Revistas, Boletins, Agendas, Catálogos, Blogs, Folhetos, Informativos, Guias, Edições Especiais e Comemorativas, de veiculação impressa e eletrônica, dados e edições); 6.ICONOGRAFIA (Primeiras páginas de primeiros números, personagens, fatos, locais e circunstâncias). Relacionamos, abaixo, as peças que servem de base para a história da Imprensa Centenária.

ACERVO DA IMPRENSA CENTENÁRIA
JUAZEIRO DO NORTE (1909-2011)
Organizado por: Renato Casimiro e Daniel Walker
1909.07.18.01.001 – O Rebate
1910.04.13.01.002 – O Lápis
1912.03.03.01.003 – O Estímulo
1912.10.12.02.004 – Gazeta do Joazeiro (I)
1914.00.00.01.005 – O Mensageiro (I)
1920.11.30.01.006 – Homenagem do Povo
1921.11.06.01.007 – O Pharol
1922.09.07.01.008 – O Centenário (I)
1923.12.00.01.009 – O Ideal (I)
1924.05.05.01.010 – O Dia
1925.06.06.01.011 – Gazeta do Joazeiro (II)
1928.00.00.01.012 – Joazeiro do Cariri
1930.00.00.01.013 – O Cariri
1930.06.15.02.014 – A Ordem
1932.00.00.01.015 – O Jovem
1934.01.20.01.016 – O Diário
1934.01.27.02.017 – O Operário
1934.06.14.03.018 – O Lavrador
1936.03.28.01.019 – Gazeta do Joazeiro (III)
1936.05.09.02.020 – Roulien Jornal
1936.11.00.03.021 – Higiene
1939.00.00.01.022 – O Bancário
1944.03.24.01.023 – O Centenário (II)
1945.05.05.01.024 – O Lutador
1945.06.24.02.025 – O Juazeiro (I)
1949.01.16.01.026 – Correio do Juazeiro
1949.06.00.02.027 – Flor do Sertão
1950.05.00.01.028 – A Semana
1950.06.23.02.029 – Jornal do Cariri (I)
1952.01.00.01.030 – Boletim da Associação Comercial
de Juazeiro do Norte
1953.00.00.01.031 – O Chateubriand
1953.02.15.02.032 – O Pioneiro
1954.06.13.01.033 – Revista da Escola Normal Rural
de Juazeiro do Norte
1955.00.00.01.034 – O Jovem
1955.11.15.02.035 – Gazeta Estudantil
1956.00.00.01.036 – Folha do Cariri (I)
1956.03.00.02.037 – O Arauto
1956.03.24.03.038 – Gazeta Social
1957.05.01.01.039 – O Comércio
1958.03.06.01.040 – O Jornal da Juventude
1958.09.00.02.041 – Jornal Águia Branca
1961.07.22.01.042 – Revista do Cinqüentenário de Juazeiro do Norte
1961.07.22.02.043 – Cariri Universitário
1963.00.00.01.044 – Jornal Bancário
1963.05.01.02.045 – CEJ “Informa”
1963.07.22.03.046 – Jornal do Cariri (II)
1964.07.00.01.047 – A Voz do Santuário
1964.07.30.02.048 – O Mercúrio
1964.08.10.03.049 – Boletim Mensal do Rotary Clube de Juazeiro do Norte (I)
1965.05.01.01.050 – O Contabilista
1965.07.00.02.051 – Júnior Informativo
1965.08.00.03.052 – Folha Esportiva
1965.08.22.04.053 – O Ideal (II)
1966.05.00.01.054 – A Imprensa
1966.09.01.02.055 – Tribuna de Juazeiro
1968.09.00.01.056 – Jornal do Cariri (III)
1968.09.29.02.057 – A JUFRA
1969.00.00.01.058 – Boletim de Anúncios (I)
1969.06.15.02.059 – Correio Estudantil
1969.08.17.03.060 – Folha de Juazeiro
1969.11.01.04.061 – O Juazeiro do Padre Cícero
1970.00.00.01.062 – Boletim Informativo
1970.04.00.02.063 – Treze Atlético Juazeirense
1970.04.12.03.064 – Tribuna Estudantil
1970.06.16.04.065 – Tribuna do Cariri (I)
1970.06.28.05.066 – Exposição
1970.07.00.06.067 – Boletim Mensal do Rotary Club de Juazeiro do Norte-CE (II)
1970.07.22.07.068– Boletim Informativo
1970.11.30.08.069 – O Padre Cícero
1970.11.30.09.070 – O Patriarca de Juazeiro
1971.00.00.01.071 – Jornal dos Municípios
1971.09.00.02.072– Informativo CELCA
1971.11.01.03.073 – O Romeiro (I)
1971.12.25.04.074 – Fundação
1972.04.00.01.075 – Tribuna do Cariri (II)
1972.05.01.02.076 – Jornal do Estudante
1972.05.14.03.077 – A Verdade
1972.09.24.04.078 – Leia Esporte
1973.01.26.01.079 – Boletim de Anúncios (II)
1973.07.22.02.080 – Cicerópolis (I)
1973.07.22.03.081 – Juazeiro
1974.00.00.01.082 – Jornal Olímpico
1974.03.31.02.083 – Jornal A Revolução
1974.08.01.03.084 – Folha da Semana
1974.08.30.04.085 – Monitor Industrial
1974.10.00.05.086 – Boletim do Instituto Cultural do Vale Caririense
1974.12.00.06.087 – A Voz do Folclore
1975.00.00.01.088 – A JUFRA em Foco
1975.01.16.02.089 – Carná 76
1975.05.31.03.090 – Gazeta do CEJ
1976.00.00.01.091 – O Cariri
1976.03.25.02.092 – O Estado do Cariri
1977.05.28.01.093 – Jornal do Treze Atlético Juazeirense
1977.11.18.02.094 – Microjornal Banorte
1977.11.26.03.095 – Microjornal Esportes
1977.12.12.04.096 – O Ponto
1978.02.24.01.097 – O Município (I)
1978.03.22.02.098 – O Reclamo
1978.05.01.03.099– Tribuna do CEJ
1978.05.10.04.100 – O Verdão
1978.09.26.05.101 – BIC Informativo
1978.12.00.06.102 – Boletim Instituto Domingos Sávio
1979.01.00.01.103 – O Leonístico
1979.03.24.02.104 – A Colmeia Social
1979.05.00.03.105 – Panorama
1979.07.23.04.106 – Jornal de Papel
1979.12.02.05.107 – Jornal do Cariri (IV)
1980.03.24.01.108 – Tribuna do Povo
1980.05.01.02.109 – Boletim do CEJ
1980.05.02.03.110 – Correio do Cariri
1980.06.00.04.111 – Boletim da Dica
1981.11.15.01.112 – O Timoneiro
1981.11.30.02.113 – O Município (II)
1983.02.00.01.114 – A Cidade
1983.07.22.02.115 – Informativo Municipal
1983.09.00.03.116 – A Voz do PMDB
1983.11.00.04.117 – Boletim de Cultura
1984.00.00.01.118 – Redenção
1984.00.00.02.119 – O Leão do Juá
1984.03.00.03.120 – Informativo Rádio Comunitário
1984.03.24.04.121 – Jornal 24 de Março
1984.06.00.05.122 – O Ideal (III)
1984.07.20.06.123 – Memorial (I)
1984.07.20.07.124 – O Santo do Cariri
1984.07.21.08.125 – Informativo do Jornal 24 de Março
1985.03.24.01.126 – Olho Vivo
1985.05.00.02.127 – A Voz da Nova República
1985.06.00.03.128 – Jornal Universitário
1985.08.00.04.129 – O Juazeiro (II)
1985.09.07.05.130 – Folha da Acácia
1986.00.00.01.131 – O Batista do Cariri
1986.08.23.02.132 – Sursum
1986.09.27.03.133 – Jornal do JRPM
1986.10.31.04.134 – O Povo Cariri
1986.11.01.05.135 – Padre Cícero
1986.12.00.06.136 – Jornal do Município (I)
1987.01.00.01.137 – O Consolador
1987.03.00.02.138 – Informativo do Instituto Cultural do Vale Caririense
1987.04.09.03.139 – DN Região Sul
1987.06.00.04.140 – O Crajubar
1987.10.00.05.141 – Jornal do Advogado
1987.12.00.06.142 – Atualidades Políticas
1988.00.00.01.143 – Informe Amigo
1988.00.00.02.144 – Informativo Evangélico
1988.01.00.03.145 – Destaque Empresarial
1988.08.12.04.146 – Juapress
1989.00.00.01.147 – Revista do GERF
1989.00.00.02.148 – O Carrapicho
1989.03.00.03.149 – Revista Comemorativa da Gráfica Mascote
1989.03.24.04.150 – Jornal do Município (II)
1989.03.31.05.151 – Novo Tempo
1989.06.03.06.152 – Folha Liberal
1989.07.00.07.153 – Informativo AMCAR
1989.07.13.08.154 – Kariri Moda Fashion Show
1989.07.16.09.155 – O Comunitário
1989.07.16.10.156 – O Comerciário
1989.07.22.11.157 – Juazeiro
1989.09.00.12.158 – Informativo Cultural
1990.00.00.01.159 – O Comentário
1990.00.00.02.160 – Boletim Informativo
1990.01.01.03.161 – Juazeiro do Norte (I)
1990.04.00.04.162 – C.E.C. – Clube de Explorações Científicas
1990.07.00.05.163 – Cariri Espírita (I)
1990.07.22.06.164 – Juazeiro do Norte (II)
1990.08.00.07.165 – Comunicação IPESC
1990.10.00.08.166 – Literatura de Cordel
1990.12.00.09.167 – Cicerópolis (II)
1991.03.23.01.168 – O Encontreiro
1991.00.00.02.169 – O Comercial
1991.01.00.03.170 – Comunidade
1991.01.00.04.171 – A Voz do Legislativo
1991.01.01.05.172 – Juazeiro do Norte (III)
1991.04.04.06.173 – Folha do Cariri (II)
1991.05.00.07.174 – Classificados
1991.07.00.08.175 – Pé de Tambor
1991.07.22.09.176 – Juazeiro do Norte (IV)
1991.07.22.10.177 – Juazeiro do Norte (V)
1991.08.00.11.178 – Ponto Final
1991.10.00.12.179 – Jornal da Praça
1991.12.00.13.180 – Informativo Parque Tecnológico do Cariri
1992.03.00.01.181 – O Semeador
1992.05.00.02.182 – Cajunor em Notícias
1992.06.00.03.183– ClassiCariri
1992.07.22.04.184 – Juazeiro do Norte (VI)
1992.07.22.05.185 – Juazeiro do Norte (VII)
1993.05.00.01.186 – Folha do Camaleão
1993.07.00.02.187 – Ceará Fashion Show
1993.08.19.03.188 – Diário Oficial do Município
1993.09.20.04.189 – Folha da Manhã
1993.10.00.05.190 – Jornal da AMCAR
1993.11.00.06.191 – Jornal do Sesquicentenário
1994.08.00.01.192 – Jornal HM News
1994.02.24.02.193 – Jornal Cariri Esportes
1994.03.00.03.194 – Prestando Contas (I)
1994.03.24.04.195 – Memorial (II)
1994.03.24.05.196 – A Folhinha
1994.03.24.06.197 – Tribuna Extra
1994.04.00.07.198 – InformAids
1994.04.00.08.199 – Jornal Básico Secundário
1994.06.00.09.200 – Jornal O Economista
1994.12.00.10.201 – Jornal do Povo
1995.00.00.01.202 – Visão Paroquial
1995.00.00.02.203 – Momento dos Casais (1ª. Fase)
1995.00.00.03.204 – Gazeta do Povo
1995.01.00.04.205 – Resenha IPESC
1995.01.30.05.206 – ESPIN – Espaço Informativo
1995.06.00.06.207 – Boletim do ICVC
1995.09.00.07.208 – A Voz do E.C.C.
1995.09.05.08.209 – Jornal da REFIG
1995.10.00.09.210 – O Universo da Engenharia
1995.10.30.09.211 – Pacto Cariri
1995.12.00.10.212 – PT Popular
1996.00.00.01.213 – Visão do E.C.C.
1996.00.00.02.214 – Jornal O Cariri
1996.01.00.04.215 – Boletim Informativo
1996.04.00.05.216 – Jornal do Sakulejo
1996.05.00.06.217 – Jornal O Novo Juazeiro
1996.05.00.07.218 – O Juá
1996.06.00.03.219 – Alegrai-vos no Senhor
1996.07.22.08.220 – Revista Lions Juazeirense
1996.12.00.09.221 – Revista do Camaleão
1997.00.00.01.222 – Garra Empresarial
1997.00.00.02.223 – O Berro
1997.01.15.03.224 – O Quatro
1997.03.00.04.225 – Juazeiro 2000
1997.03.24.05.226 – Tribuna do Ceará Especial
1997.04.21.06.227 – Tribuna de Penaforte
1997.07.00.07.228 – Jornalzinho
1997.07.00.08.229 – Evolução
1997.07.00.09.230 – A Voz do Cariri (II)
1997.09.05.10.231 – Jornal do Cariri (V)
1997.11.00.11.232 – Milagre de Fé
1997.12.00.12.233 – Chama Viva
1998.00.00.01.234 – O Círculo
1998.00.00.02.235 – O Novo Caminho
1998.01.00.03.236 – Lembrador Comunitário
1998.04.20.04.237 – InfoGeo
1998.04.28.05.238 – Boletim Informativo Semana da Terra
1998.07.00.06.239 – Te adoro Juazeiro
1998.07.00.07.240 – Jornal da Cidade
1998.07.22.08.241 – Juazeiro Unido e Forte
1998.11.00.09.242 – O Informativo
1998.11.00.10.243 – Guia Shopping Juazeiro do Norte
1998.12.00.11.244 – Ponto de Vista
1998.12.11.12.245 – O Técnico Comercial
1998.12.18.13.246 – A Notícia
1999.00.00.01.247 – Informativo O Lojista
1999.01.00.02.248 – Te adoro Juazeiro – Saúde
1999.03.00.03.249 – Te adoro Juazeiro – Drenagem
1999.04.08.04.250 – Jornal do Cariri (VI)
1999.05.00.05.251 – Mandacaru
1999.06.00.06.252 – Juazeiro em Notícias
1999.06.13.07.253 – Moreira em Notícia
1999.09.00.08.254 – Salesianos 60 anos
1999.11.00.09.255 – Geral
2000.00.00.01.256 – Agenda
2000.03.00.02.257 – Lotus
2000.03.24.03.258 – Jornal Caminhos da Fé
2000.04.00.04.259 – Interview.com
2000.07.20.05.260 – Jornal de Negócios
2001.00.00.01.261 – CREDE em Ação
2001.00.00.02.262 – Guia Comercial dos Bairros
2001.00.00.03.263 – Cariri Classi
2001.00.00.04.264 – Contra-Indicação
2001.00.00.05.265 – O Boêmio
2001.00.00.06.266 – Cariri Espírita (II)
2001.00.00.07.267 – Guia Cultural
2001.00.00.08.268 – Informativo Farmácias São Pedro
2001.03.00.09.269 – Sem Censura
2001.04.07.10.270 – Jornal Agitos
2001.05.00.11.271 – Jornal Talentos Cariri
2001.05.00.12.272 – Tribuna Popular
2001.07.20.13.273 – O Histórico
2001.07.21.14.274 – 4ª FETECC
2001.07.00.15.275 – Relaxando
2001.07.22.16.276 – O Regional
2001.09.00.17.277 – Populares do Cariri
2001.09.00.18.278 – O Discípulo
2001.12.14.19.279 – Conexão
2002.00.00.01.280 – Guia de Negócios
2002.00.00.02.281 – O Varejo
2002.02.00.03.282 – Revista Comunidade Consciente
2002.04.15.04.283 – Revista Vídeo & Games do Cariri
2002.06.00.05.284 – Prodontec Informa
2002.06.00.06.285 – Informativo de Teclas Informática
2002.06.01.07.286 – Fênix
2002.07.00.08.287 – Ache Aqui
2002.07.00.09.288 – Prestando Contas (II)
2002.07.15.10.289 – Informativo Canto d´Arte
2002.08.00.11.290 – Informativo Arcanjo
2002.11.00.12.291 – Vitrine
2003.00.00.01.292 – Muliere
2003.00.00.02.293 – Íris na Luta
2003.00.00.03.294 – Guia de Negócios Empresarial
2003.00.00.04.295 – Informativo da Verdade
2003.01.00.05.296 – Jornalzinho dos Afilhados do Pe. Cícero
2003.04.00.06.297 – MONA K
2003.05.00.07.298 – Tribuna Spartana
2003.09.00.08.299 – Jornal Informativo
2003.09.00.09.300 – InforSind
2003.10.00.10.301 – Unimed do Cariri
2004.00.00.01.302 – MEPE Notícias
2004.00.00.02.303 – Primeira Classe
2004.00.00.03.304 – Jornal Aconteceu nos Municípios
2004.08.00.04.305 – A Boa Nova
2004.09.15.05.306 – Jornal do Padre Cícero
2005.00.00.01.307 – Pasquim Universitário
2005.00.00.02.308 – Bizú
2005.00.00.03.309 – Juazeiro Trabalho
2005.01.00.04.310 – Afilhados do Pe. Cícero
2005.01.00.05.311 – Jornal Rodovia Padre Cícero
2005.01.02.06.312 – Boletim Programa Mulher Ideal 10 Anos (1995-2005)
2005.02.00.07.313 – Informativo Renascer
2005.04.00.08.314 – Jornal Verdão do Cariri
2005.05.01.09.315 – Juazeiro on line
2005.06.00.10.316 – Informativo Parlamentar (I)
2005.07.00.11.317 – Juazeiro do Norte em Ação
2005.09.07.12.318 – Revista da Loja Maçônica Cavalheiros Espartanos
2005.12.00.13.319 – Nação Romeira
2005.12.00.14.320 – Cariri News
2005.12.20.15.321 – Assessoria de Imprensa em Ação
2006.00.00.01.322– Jornada para a Reabilitação
2006.00.00.02.323 – Acontece em Juazeiro
2006.01.00.03.324 – Jornal da União
2006.01.06.04.325 – Revista do Santuário São Francisco
2006.04.00.05.326 – Jornal A Força Jovem em Ação
2006.04.01.06.327 – Agenda Cultural do CCBNB
2006.05.01.07.328 – O Alternativo
2006.06.00.08.329 – Informativo Paróquia Sagrado Coração de Jesus
2006.06.00.09.330 – O Leão do Juá
2006.07.00.10.331 – Jornal Nota 10
2006.07.00.11.332 – Revista da Prefeitura Municipal de Juazeiro do Norte
2006.10.00.12.333 – Jornal Informativo Motivação e Sucesso
2006.12.00.13.334 – Mundo Jovem
2006.12.15.14.335 – Revista da Gente
2007.00.00.01.336 – Revista Cariri News
2007.00.00.02.337 – O Informativo Uebsitio
2007.02.00.03.338 – Informativo Parlamentar (II)
2007.03.00.04.339 – Dunamis
2007.09.00.05.340 – Guia do Juazeiro
2008.00.00.01.341 – O Mensageiro (II)
2008.00.00.02.342 – Ide e Evangelizai Informativo
2008.11.01.03.343 – O Romeiro (II)
2008.00.00.04.344 – Hardcore Training News
2008.00.00.05.345 – O Poder da Mente
2008.00.00.06.346 – Maioridade em Ação
2008.02.12.07.347 – Jornal do Cariri (VII)
2008.04.00.08.348 – Tribuna Popular do Cariri
2008.04.00.09.349 – A Rapadura
2008.04.00.10.350 – Mussambê
2008.05.07.11.351 – Blog do Juaonline
2008.06.01.12.352 – Blog do Juazeiro
2008.06.30.13.353 – Ativo Jornal Jovem
2008.08.00.14.354 – Jornal 45
2008.08.00.15.355 – Informativo Mudar Faz Bem
2008.08.31.16.356 – Jornal Fonte da Graça
2008.10.05.17.357 – Juanorte
2008.11.00.18.358 – GASP Turismo
2008.11.13.19.359 – Jornal do Horto
2008.11.17.20.360 – Nativo
2009.00.00.01.361 – Autoclassi
2009.01.00.02.362 – Avenida News
2009.01.00.03.363 – Informativo Canuto News
2009.01.00.04.364 – Diário da Notícia
2009.02.00.05.365 – Leão Notícias
2009.02.00.06.366 – Vermelho Cariri
2009.03.02.07.367 – Medicina & Arte
2009.03.03.08.368 – O Clube Literário
2009.05.00.09.369 – Atitude
2009.05.00.10.370 – Veja Você
2009.05.11.11.371 – Newsletter/Gestão Democrática
2009.05.25.12.372 – Sem Nome
2009.06.00.13.373 – Informativo Realizando Compromissos
2009.06.06.14.374 – O Clubinho Literário
2009.06.14.15.375 – Acessibilidade para Todos
2009.07.06.16.376 – Gestão Democrática
2009.09.00.17.377 – Sem Nome Barbalha
2009.09.00.18.378 – Anjos Solidários - CEVEMA
2009.09.07.19.379 – O Piranhense
2009.09.22.20.380 – O Centenário (III)
2009.10.00.21.381 – Jornal Fonte de Excelência
2009.12.00.22.382 – Cariri Shopping In - Revista
2009.12.18.23.383 – Jornal Metropolitano
2009.12.00.24.384 – Sovaco de Cobra
2010.03.00.01.385 – Esporte e Juventude em Ação
2010.03.00.02.386 – Momento dos Casais (2ª. Fase)
2010.03.00.03.387 – Gazeta de Notícias
2010.03.20.04.388 – Romeirão Notícias
2010.04.00.05.389 – Painel
2010.04.00.06.390 – Romaria
2010.04.00.07.391 – Informativo Mãe das Dores
2010.05.00.01.392 – Partilhando
2010.05.00.02.393 – InfoINTRA
2010.07.24.03.394 – Juazeiro do Norte – 99 Anos
2010.07.24.04.395 – Blog do Juaonline
2010.08.04.05.396 – Transitando
2010.08.08.06.397 – Regional Especial
2010.10.00.07.398 – Juazeiro e a Empresa
2010.11.00.08.399 – Grupo Amigo da Saúde
2010.12.00.09.400 – SP4 Notícias
2011.01.00.01.401 – Informativo Aliança
2011.02.00.02.402 – Jornal Juazeiro Centenário
0000.00.00.00.403 – O Lince
0000.00.00.00.404 – O Repórter
0000.00.00.00.405 – O Sol
0000.00.00.00.406 – A Rua
0000.00.00.00.407 – A Vóz do Cariri (I)
0000.00.00.00.408 – O Torcedor
0000.00.00.00.409 – Lingua-Gens
0000.00.00.00.410 – Nossa Boca
0000.00.00.00.411 – Gota Serena
0000.00.00.00.412 – Sensurado
0000.00.00.00.413 – Folha de Rosto
0000.00.00.00.414 – Fome
0000.00.00.00.415 – Ovni
0000.00.00.00.416 – Jornal Censurado
0000.00.00.00.417 – Séquiço Sacro
0000.00.00.00.418 – Avança Juazeiro
0000.00.00.00.419 – Semanário Informativo
0000.00.00.00.420 – Fique de Olho
0000.00.00.00.421 – Notícias da Gente
0000.00.00.00.422 – “Jornal da Igreja Assembléia de Deus” –
Missões em Foco
1992.00.00.00.423 – Enquanto o garçon não vem
0000.00.00.00.424 – Em formação
0000.00.00.00.425 – Informativo Flamax
0000.00.00.00.426 – Veja Esporte
2011.00.00.00.427 – Informativo Processo Contabilidade
0000.00.00.00.428 – O Alfinete
0000.00.00.00.429 – O Cinqüentenário
0000.00.00.00.430 – Comissão do Centenário

23/01/2011

CENTENÁRIO DO JUAZEIRO SEM OBRA DE CENTENÁRIO

Foto: Projeto da Praça Marco Zero

Ou o atual Governo Municipal de Juazeiro do Norte não tem noção da importância do primeiro centenário da cidade ou está querendo enganar a população. Nada no Juazeiro indica ao povo que a Prefeitura Municipal está construindo algum monumento ou alguma obra digna que figurar como obra do centenário. Mesmo assim, o secretário municipal de Infraestruura, Rafael Apolinário, anunciou, nessa semana, que 58 das 100 obras previstas para todo este ano já estão sendo executadas. Como destaque inicial ele confirmou o bom andamento das obras do Praça do Centenário, Marco Zero, Estacionamento dos Romeiros, quatro cozinhas comunitárias, seis novos centros de saúde sendo que três estão sendo concluídos nos Salesianos, Romeirão e Vila Nova e ainda a sede do Bolsa Família no Bairro Franciscanos. Obviamente, Praça do Centenário e Marco Zero não são obras monumentais nem originais dignas de um centenário mas podem fazer parte desse elenco. Agora, incluir nessa lista cozinhas comunitárias, postos de saúde e sede do Bolsa Família é simplesmente disparate. Isso são obras ordinárias de uma administração ordinária para serem feitas e entregues à população, sem cerimônia, em qualquer tempo e época. Mas o secretário Rafael Apolinário ainda faz questão de acrescentar em sua incrível lista de “obras do centenário” o asfaltamento de ruas nos bairros São José, Triângulo, Antonio Vieira e Timbaúbas. “Das 100 obras já podemos listar 58 em andamento. A grande maioria será entregue até 22 de julho, aniversário de Juazeiro, mas a Festa do Centenário continua e muitas deverão também ser entregues após essa data”, diz ele assustadoramente orgulhoso como se estivesse fazendo uma grande coisa. Ele ainda afirma que Juazeiro está na atualidade como um grande canteiro de obras. “Em 2009 e 2010 nós já realizamos mais de 250 obras em Juazeiro. Foram obras de pequeno, médio e grande porte sempre beneficiando as pessoas mais carentes. Mais de 120 ruas já foram asfaltadas com investimentos de mais de R$ 9 milhões, fora a manutenção de rotina como operações tapa buraco e implantação de canaletas”, explicou. Para uma Prefeitura de uma cidade do tamanho do Juazeiro isso é muito pouco. Em verdade, Juazeiro é atualmente um canteiro de obras mas de empresas privadas, sobretudo da construção civil que não pára de crescer. Quanto ao Governo municipal é uma decepção. Rafael Apolinário pediu também a compreensão das pessoas no que diz respeito ao processo de recuperação de vias com calçamento já que é visível a carência de mão-de-obra em função do crescimento da construção civil, mas garantiu que estão sendo feitos esforços para se dobrar o número de homens nestas ações. Ou seja, o Secretário destaca pequenas obras e operações de rotina como se fossem algo extraordinário. Como se o povo do Juazeiro se conformasse com o asfaltamento de uma rua para celebração de sua grandeza histórica. Já sobre o início da implantação da obra do Roteiro da Fé, Rafael Apolinário, confirmou que será uma das mais importantes e adiantou que a Secretária de Infraestrutura já está tratando com a Secretaria das Cidades também da obra do Anel Viário. “Esta obra será desenvolvida de forma conjunta entre o Governo do Estado e Prefeitura de Juazeiro e a primeira etapa será licitada ainda neste primeiro semestre”, garantiu. Segundo ele, o Anel Viário terá investimentos de quase R$ 30 milhões partindo da Vila 3 Marias, Av. do Agricultor, margens do Rio Salgadinho até a divisa com Crato, via Av. Paulo Maia. Essa obra, no seu entendimento, “irá ajudar a desafogar o tráfego de veículos nas ruas centrais, principalmente durante as grandes romarias. Já o Roteiro da Fé está em fase de licitação por parte do Governo do Ceará num investimento de mais de R$ 13 milhões. Misturando obras do centenário com projetos ordinários da cidade, o prefeito cassado Manoel Santana, no exercício do cargo por força de liminar judicial, informou que R$ 70 milhões em obras já estão cadastrados junto a Caixa Econômica Federal e que deste total, R$ 50 milhões são para a macrodrenagem e urbanização do Parque Ecológico das Timbaúbas. “R$ 15 milhões já estão empenhados da Caixa Econômica faltando apenas à licença ambiental e por esta razão o município luta junto a SEMACE para que seja iniciada até o mês de maio ou o mais tardar em junho”, afirmou o prefeito. Toda a dragagem (canal) do Riacho das Timbaúbas será realizada ao longo do leito para evitar inundações das casas e todas as ruas que têm confluência com a Avenida José Bezerra serão drenadas. Na semana passada foi iniciada o calçamento da Avenida José Bezerra para que posteriormente possa ser asfaltada dentro do projeto. Serão construídas também seis pontes que ligarão os bairros Pio XII e Timbaúbas além da própria urbanização na área com construção de praças, parques e casas para retirar famílias de áreas de risco. Quando concluída, a Avenida José Bezerra será mais uma opção de acesso ao Centro da Cidade e ao Aeroporto Regional do Cariri, no Juazeiro. Ela liga a Av. Virgílio Távora a Av. Castelo Branco. Como está bem claro, dessas 100 obras que o secretário Rafael Apolinário relaciona como sendo “obras do centenário” apenas três podem ser consideradas, honestamente, como obras dignas de serem listadas para a celebração - Praça do Centenário, Marco Zero e Roteiro da Fé - mesmo assim muito pequenas, pobres, despretensiosas e frustrantes para os anseios de grandeza do progressista povo do Juazeiro. E talvez, essas três nem fiquem prontas para a festa no dia 22 de julho de 2011 que muitos já acreditam nem haverá. Uma vergonha para o governo municipal petista e uma grande decepção para o povo da Metrópole do Cariri...

30/12/2010

JUAZEIRO PROMOVE RÉVEILLON DO CENTENÁRIO

Foto: Multidão na Praça dos Romeiros em frente à Basílica de Nossa Senhora das Dores

Celebração de Missas Festivas de Ano Novo, Show Musical da Virada e Show Piroténico animarão o Reveillòn do Centenário de Juazeiro do Norte, Capital do Cariri e principal cidade do interior do Ceará, na noite desta sexta-feira(31), a partir das 20 horas. As missas que abrirão as comemorações do Ano do Centenário do Juazeiro – 2011 – serão celebradas por iniciativa dos vigários das paróquias da Basílica de Nossa Senhora das Dores, Santuário de São Francisco, Santuário do Sagrado Coração de Jesus(Salesianos), São Miguel, Menino Jesus de Praga, São José do Limoeiro e Nossa Senhora Aparecida. Depois das missas, milhares de diplomas serão entregues à população como lembrança de participação na abertura dos festejos dos 100 anos de emancipação política da cidade. De acordo com o presidente da Comissão do Centenário, escritor e historiador Menezes Barbosa, para o nível de representatividade espiritual da cidade, o diploma de participação nas missas pelo Centenário do Juazeiro é de grande importância simbólica pela força da fé na inspiração do Padre Cícero e também uma oportunidade de envolver mais a população”.Uma hora depois das missas, estará sendo iniciado o Show da Virada na Praça dos Romeiros em frente á Basílica de Nossa Senhora das Dores, promovido pela Secretaria de Cultura do Município. Estarão se apresentando os artistas Raimundo Fagner, Fábio Carneirinho, Luis Fidélis e Maurício Jorge. Os shows ultrapassarão a meia noite quando haverá um espetáculo pirotécnico de 10 minutos preparado para mais de 100 mil pessoas esperadas na concentração. Mais de 150 homens da Polícia Militar do Ceará e da Guarda Civil Municipal garantirão a segurança do ambiente para que a população tenha uma virada festiva tranqüila iniciando o Centenário do Juazeiro. Também à meia noite, os sinos de das paróquias do Juazeiro tocarão em homenagem aos 100 anos da cidade e as igrejas que não tiverem sino irão tocar sinetas na entrada de 2011. Juazeiro do Norte estará celebrando seus 100 anos de emancipação política no dia 22 de julho deste 2011. São 100 anos de adversidades enfrentadas com heroísmo e determinação histórica, sobretudo diante dos sucessivos Governos do Ceará e da Igreja Católica do Ceará até os dias atuais, mas 100 anos de permanente progresso com a inabalável fé do seu povo no seu edificador, Padre Cícero, que, mesmo depois de falecido em 1934, mantém-se como principal líder e inspirador no caminho da prosperidade e do desenvolvimento. Assim, Juazeiro chega aos 100 anos como principal centro do catolicismo popular da América Latina, atraindo 2,5 milhões de visitantes ao ano, maior cidade do interior cearense, oficialmente com 250 mil habitantes mas extraoficialmente aproximando-se dos 300 mil, maior centro comercial, industrial, cultural, universitário, artístico e desportivo do Nordeste central do Brasil, terceiro maior pólo calçadista do Brasil, autêntica Capital do Cariri e Cidade 100 do Brasil, no ranking de mais populosas cidades brasileiras. Por tudo isso, o povo do Juazeiro tem muitos e fortes motivos para festejar. Parabéns Juazeiro!..

28/11/2010

PREFEITO AUTORIZA OBRA DO MARCO CENTENÁRIO

Foto Demontier Tenório: Projeto da Praça Marco Zero do Juazeiro

Durante a solenidade de autorização das duas primeiras obras estruturantes do Centenário de Juazeiro do Norte, a Praça do Marco Zero e o Estacionamento dos Romeiros, nesse semana, o prefeito Manoel Santana(PT), que vem sendo bastante criticado pela população por não ter feito nada até agora para celebração da cidade, confessou a sua tristeza ante a demora e que entende a impaciência do povo do Juazeiro, mas observou que nem sempre as coisas acontecem da forma como se pretende e assumiu o compromisso em fazer de 2011 um ano especial e com bastante crescimento. Para isso, disse que está buscando integração com a Câmara Municipal, sob a liderança do presidente José de Amélia Júnior e conversando com os deputados federais Arnon Bezerra e Manoel Salviano, além do parlamentar federal eleito por Juazeiro, ex-prefeito Raimundo Macedo, para que a conquista de recursos visando a solução dos problemas juazeirenses. Nesse sentido, agradeceu o apoio do deputado José Guimarães, anunciando que Juazeiro já dispõe de R$ 70 milhões na Caixa Econômica Federal para tocar obras em comemoração ao Centenário do Juazeiro. Para o prefeito, a construção do Marco Zero de Juazeiro do Norte concretiza o resgate da história do Município, ao indicar o local onde a cidade nasceu. "Era ali que os feirantes iniciaram as suas primeiras transações comerciais que deram origem ao pujante comércio de Juazeiro", lembra o prefeito, acrescentando que, infelizmente, este marco histórico foi destruído pelo progresso. Agora ele será lembrado no âmbito das comemorações de Centenário de Juazeiro que, segundo Santana, vai resgatar valores e personagens que construíram a cidade. Presente à cerimônia, o deputado José Guimarães anunciou emendas ao Orçamento da União garantindo R$ 50 milhões para obras de infraestrutura turística, R$ 30 milhões para reforma e modernização do estádio Romeirão, R$ 3 milhões para a Avenida Beira-Rio, à margem do rio Salgadinho e R$ 1 milhão para os portais de entrada da cidade e o portal da fé. As obras autorizadas nessa quinta-feira(25), cerimônia na praça Padre Cícero, foram a Praça do Marco Zero, chamada Praça do Centenária, e o Estacionamento dos Romeiros. O estacionamento será ao lado do Luzeiro do Nordeste e operários já estão limpando a área com o objetivo de garantir um local seguro e mais adequado para os motoristas colocarem ônibus e caminhões paus de arara. Já a Praça do Marco Zero será erguida próximo à cúpula da Praça dos Romeiros, em frente à Basílica de Nossa Senhora das Dores, ao lado de uma avenida que receberá o nome de Centenário. De acordo com o projeto, a praça terá um obelisco, marcos de identidade centenária, canteiros, bancos, totem giratório, espelho d´água, coreto coberto, quiosques informativos. O projeto foi desenvolvido pela arquiteta Gisele Menezes e aprovado pela Comissão Organizadora do Centenário, presidida pelo jornalista e historiador Menezes Barbosa. No novo logradouro serão investidos cerca de R$ 2 milhões já garantidos pelo Ministério do Turismo. O compromisso assumido pela Construtora Justo Júnior é de entregar as obras antes de julho de 2011. Para os padres Paulo Lemos e Francisco Luiz, presentes à solenidade, essas obras são passos importantes para melhor atendimento às romarias. Segundo o Secretário de Turismo e Romarias, José Carlos dos Santos, a Praça do Marco Zero será um ambiente para o encontro do povo de Juazeiro com sua história. Até agora, o único sinal do poder público municipal relativo ao evento era o relógio remissivo instalado na praça Padre Cícero contando os dias que faltam para os 100 anos de emancipação política do Juazeiro. Programação do Centenário foi aberta, no dia 18 de julho de 2009, com um evento comemorativo aos 100 anos de fundação do jornal O Rebate, o pioneiro da imprensa juazeirense, e baluarte da independência do Juazeiro.

07/11/2010

ESPERANÇA DE 200 MIL ROMEIROS NO JUAZEIRO

Foto Demontier Tenório: Mais de 200 mil romeiros no Juazeiro

Milhares de romeiros do Nordeste deixaram de participar, este ano, da Romaria da Esperança, entre 29 de outubro e 02 de novembro, em Juazeiro do Norte, a maior e última do ano, onde eram esperados 600 mil visitantes em preparação para o centenário da cidade que será festejado a partir de janeiro de 2011. Segundo estimativa da Igreja Católica, provavelmente por causa da coincidência com as eleições, cerca de 200 mil peregrinos estiveram no Juazeiro. Número de romeiros cresceu consideravelmente após 31 de outubro, o domingo de eleições. O final da tarde desse domingo e a madrugada e manhã da segunda-feira foram marcados pela chegada de grande número de romeiros ao Juazeiro. Eles deixaram para viajar após a eleição em segundo turno para Presidente. No caso dos romeiros residentes dos estados de Alagoas, Paraíba e Piauí, eles também tiveram eleição para governador. Como novidade, foi observado um aumento considerável no número de fiéis procedentes do estado de Sergipe, porém os romeiros pernambucanos lideraram a romaria tradicional ao Juazeiro no Dia de Finados quando o túmulo do Padre Cícero, na Capela do Socorro, é o ponto da cidade mais visitado.Durante a romaria deste ano, a empresa Cine Produções, contratada pelo Ministério do Turismo para fazer uma série de documentários sobre “Festas Populares do Brasil”, esteve fazendo filmagens por cinco dias no Juazeiro, única cidade cearense escolhida para participar da série. Ao mesmo tempo, uma equipe da Secretaria de Turismo do Ceará aplicou questionários da segunda parte da pesquisa que o Estado realiza no Juazeiro sobre romarias tendo em vista identificar origens, expectativas, condições e necessidades no acolhimento dos peregrinos. Primeira parte da pesquisa foi realizada na romaria de setembro com o objetivo de traçar o perfil dos visitantes. Foram aplicados 1.200 questionários por sete pesquisadores da Secretaria de Turismo do Ceará na busca de informações sobre a oferta de meios de hospedagem, alimentos, bebidas, lazer, agências de viagem, locadoras de veículos e artesanato. Diagnóstico vai determinar o impacto das romarias na economia da cidade e apontar caminhos para políticas públicas relacionadas com as romarias e o turismo no município.Embora o trabalho esteja focado na romaria, ele está inserido no levantamento do fluxo turístico geral do Juazeiro que recebe mais de 2,5 milhões de visitantes ao ano de todas as regiões do Brasil. Quanto à Romaria da Esperança neste ano, foi notável o desempenho do setor de segurança. Contou com 450 homens e um helicóptero para monitoramento aéreo, enviados pelo Comando da Polícia Militar do Ceará, e com uma Delegacia Movei da Polícia Civil do Ceará. Pelos resultados positivos da operação, o sistema de monitoramento com câmeras ajudou muito a inibir a ação de meliantes entre os romeiros. Da mesma forma, foram positivos os resultados do trabalho do Demutran na organização do trânsito e do Serviço Municipal de Limpeza Pública com 150 homens na varrição e coleta nas áreas de maior fluxo de romeiros. Em relação ao atendimento médico de emergência, apenas dois romeiros sofreram AVC(Acidente Vascular Cerebral) e receberam os devidos cuidados. Ao contrário de anos anteriores, não foi registrada nenhuma morte. Trabalho pela saúde dos peregrinos mobilizou mais de 25 profissionais entre médicos, enfermeiros, técnicos de enfermagens, motoristas, agentes de saúde e acadêmicos de enfermagem. No edifício Dom Pires houve regime de plantão 24 horas com carro de apoio e ambulância para eventuais transferências aos nossos hospitais. Aos romeiros, foi feita nova distribuição gratuita de 500 mudas do juá, pela Escola Ambiental Monsenhor Murilo Barreto, como parte do projeto “Árvore do Centenário”. Principais pontos de entrega funcionaram em salão da Basílica de Nossa Senhora das Dores e no Círculo Operário São José. Além disso, técnicos ambientais estiveram na Praça do Santuário dos Franciscanos, orientando e sensibilizando os romeiros sobre os procedimentos que devem ser tomados na produção e destino do lixo produzido no Juazeiro e nas cidades onde moram. Pela Secretaria de Cultura foi realizado show em homenagem aos romeiros reunindo dez cantores e milhares de pessoas na praça da Basílica. O tema da Romaria da Esperança, neste ano, foi “Juazeiro Centenário: Terra de Oração e Trabalho”, o mesmo da Romaria da Padroeira, realizada em setembro. Encerramento no dia 2, Dia de Finados, contou com a presença de milhares de romeiros visitando o túmulo do Padre Cícero, na Capela do Socorro. Cumprido o roteiro devocional e a tradição de visitar Juazeiro, eles voltaram em caravanas para seus Estados na esperança de que no próximo ano já esteja pronto e funcionando o tão aguardado Centro de Apoio aos Romeiros que as autoridades do Estado e do Município tanto prometem mas nunca cumprem, numa demonstração de flagrante desrespeito aos milhões de nordestinos que fazem do Juazeiro o maior centro do catolicismo popular da América Latina..
Foto Demontier Tenório: Homenagens ao Padre Cícero no Dia de Finados
Romeiros homenageiam Padre Cícero no Dia de Finados no Juazeiro

Foto Demontier Tenório: Romeiros ganham mudas do juá, Árvore do Centenário do Juazeiro
Romeiros recebem mudas do juá, Árvore do Centenário do Juazeiro

12/09/2010

JUAZEIRO CELEBRA GRITO DA INDEPENDÊNCIA

Foto Demontier Tenório: Desfile da Independência do Juazeiro

Quando o Brasil inteiro esteve festejando, nessa semana, dia 7 de setembro, os 188 anos de sua Independência, com o histórico grito do Ipiranga, em São Paulo, Juazeiro do Norte, principal cidade do Cariri, esteve celebrando os 100 anos de sua libertação. Embora tenha se tornado independente, desmembrado do município de Crato e conquistado sua soberania política e administrativa em 22 de julho de 1911, aprovada pela Assembléia Legislativa do Ceara, foi no ano anterior, em 7 de setembro de 1910, exatamente 88 anos depois da Independência do Brasil, que o povo do Juazeiro deu seu grito de Independência. Por isso, a celebração dessa semana teve um clima especial de preparação para a grande festa do Centenário do Juazeiro em julho de 2011, sob o tema oficial “Desenvolvimento Econômico: da Fazenda Tabuleiro Grande à Metrópole”, chamando atenção para o fato de que o pequeno arraial de 1872, quando passou a ser liderado e conduzido pelo Padre Cícero, está hoje transformado na Metrópole do Cariri e na Cidade que mais cresce no Ceará. Cheia de romeiros de todo o Brasil, que devem somar mais de 500 mil até 15 deste setembro, dia da festa da sua Padroeira, Nossa Senhora das Dores, Juazeiro apresentou-se, no desfile das escolas nesse 7 de setembro, exibindo alegorias relacionadas com o Centenário, com a figura do Padre Cícero e com as romarias que transformaram a cidade no maior centro do catolicismo popular da América Latina. O desfile deste ano serviu para lembrar ao povo do Juazeiro que há exatamente 100 anos a cidade deu o seu Grito de Independência. Com mais de 15 mil habitantes no início de 1910, Juazeiro já tinha a maior população do interior do Ceará e passou a lutar pela sua independência tendo o jornal O Rebate como principal instrumento de mobilização popular. Liderado por Alencar Peixoto, Floro Bartolomeu, José Marrocos e José Ferreira de Menezes, o povo começou a exigir a separação do município de Crato. Diante das pressões de autoridades de Crato contra o movimento, inclusive através de intimidação de forças policiais, o povo do Juazeiro resolveu, então, não pagar mais impostos ao Crato. Como não queria mais ficar sustentando Crato com seus impostos, no dia 15 de agosto de 1910, o povo do Juazeiro inteiro foi à praça pública exigindo emancipação. Movimento foi crescendo e ganhando, cada vez mais, adesão popular. Finalmente, no dia 7 de setembro de 1910, em reunião de lideranças do movimento na casa do Padre Cícero ficou decidido que, a partir daquele momento, Juazeiro não teria mais qualquer ligação com Crato. Com o apoio firme do Padre Cícero, depois da reunião, os líderes acompanhados pelo povo foram até a praça principal do povoado, onde Alencar Peixoto fez um discurso inflamado declarando Juazeiro independente. Dado o Grito de Independência, Alencar Peixoto foi carregado nos braços do povo, hastearam um bandeira do Juazeiro, houve espocar de fogos e o povo fez a maior festa comemorando sua libertação. Esse evento cívico está retratado em tela do artista plástico Francisco Matos mostrando a empolgação do povo com sua liberdade. Daí em diante a praça principal do Juazeiro ficou sendo chamada de Praça da Liberdade, hoje Praça Padre Cícero. Celebração desse Grito da Independência, nessa semana, serviu para antecipar a alegria do Juazeiro com a festa do seu Centenário em julho do próximo ano.. Afinal, são muitas e consistentes as razões para essa celebração: o pequeno povoado de 1872, independente em 1910, hoje é a Metrópole do Cariri, maior cidade do interior do Ceará e mais importante do Nordeste central do Brasil.
Foto Demontier Tenório: Desfile de estudantes na Independência do Juazeiro
Desfile de Estudantes lembrou origem de Juazeiro do Norte

Foto Demontier Tenório: Padre Cícero representado no Desfile da Independência do  Juazeiro
Padre Cícero representado no Desfile da Independência do Juazeiro

29/08/2010

JUAZEIRO CENTENÁRIO DE ORAÇÃO E TRABALHO

Foto Demontier Tenório: Procissão de Nossa  Senhorara das Dores

Mais de 500 mil romeiros estão sendo esperados em Juazeiro do Norte, a partir deste último domingo de agosto(29) até 15 de setembro, para a festa da padroeira da cidade, Nossa Senhora das Dores, e que tem como tema, este ano, “Juazeiro Centenário, Terra de Oração e Trabalho”. Programação começa neste domingo com grande carreata com imagem da Padroeira pela manhã e Procissão das Bandeiras, à noite, seguida de missa no pátio da Basílica das Dores. Mais prolongada do ano no Juazeiro terá noitários até dia 2 com a realização do devocionário a Nossa Senhora das Dores em residências, empresas e entidades, e celebração de missas diariamente. Outros momentos importantes da programação são: tradicional procissão dos carroceiros dia 12, procissão dos caminhões de romeiros no dia 14, encontro da juventude romeira dias 13 e 14 e encontro dos romeiros nos dias 12 a 14, ambos no Círculo Operário, show dos chapéus dos romeiros nos dias 11 a 14 na Praça dos Romeiros e Procissão da Padroeira pelas principais ruas do Juazeiro, no dia 15 de setembro. De acordo com o administrador da Basílica de Nossa Senhora das Dores, padre Paulo Lemos, nessa grande romaria do ano de preparação para o Centenário do Juazeiro, é importante lembrar que “Padre Cícero foi um grande incentivador do Rosário, lutou pela qualidade de vida do povo nordestino e pregou a devoção a Nossa Senhora das Dores. Nossa missão é continuar seguindo seus passos e seus ensinamentos. Um dos seus ensinamentos era: “faça da sua casa uma oficina e um santuário”. A programção completa da festa da Padroeira do Juazeiro é a seguinte:

PROGRAMAÇÃO

DIA 29/08 (DOMINGO)
08h – Carreata com a Imagem de Nossa Senhora das Dores pelas ruas da cidade saindo da Igreja Basílica.
17:30h – Saída da Procissão da bandeira da residência de Manoel Sebastião de Sousa e Irací Nunes, Rua do Horto, nº 598.
Noitários:Família Nunes Sousa, Setor VII (Padre Cícero), Pastoral da saúde, Consciência Negra,Comunidades: Santa Clara e São João Batista, Colina do Horto, seus Movimentos Pastorais e Sítios Vizinhos.
18:30h – Hasteamento das Bandeiras.
19h – Missa de Abertura da Festa da Padroeira Presidida por Pe. Paulo Lemos Pereira.

DIA 30/08 (SEGUNDA-FEIRA)
18h – Saída da Imagem da Residência de Anália Bezerra, Rua São Cândido, nº 457, centro da cidade.
Noitários:Anália Bezerra e família, Pastoral da Criança, Catequese, e Juventude em geral.
18:30h – Devocionário de Nossa Senhora.
19h – Santa Missa Presidida por: Pe. Francisco Marques

DIA 31/08 (TERÇA-FEIRA)
18h – Saída da Imagem da residência de Cicero Cabral Pinheiro e Francisca Cleide, Rua do Cruzeiro, nº 07.
Noitários:: Setor I (Beata Maria de Araujo) e Com. Shalom.
18:30h – Devocionário de Nossa Senhora.
19h – Santa Missa Presidida por: Pe. Paulo Lemos Pereira.
Quermesse: Setor I

DIA 01/09 (QUARTA-FEIRA)
18h – Saída da Imagem da residência de Arnaldo e Ana, Rua Presidente Vargas, nº 143. Bairro Salesiano.
Noitários: Paróquia São José do Limoeiro, Setor II (Beata Mocinha) e Grupo Javé Yré.
18:30h Devocionário de Nossa Senhora.
19h – Santa Missa Presidida por: Pe. José Adelino Martins.
Quermesse: Setor II e Terço das Mulheres.

DIA 02/09 (QUINTA- FEIRA)
18h – Saída da Imagem da residência de José Maria e Luzimar Santana, Rua Santa Cecília, nº 1023.
Noitários: Colégio Salesiano e Paróquia Sagrado Coração de Jesus, Setor III (Beato José Lourenço), Terço dos Homens e Legião de Maria.
18:30h - Devocionário de Nossa Senhora.
19h – Santa Missa presidida por: Pe. Antônio Gomes.
Quermesse: Setor III, Legião de Maria e Terço dos Homens

DIA 03/09 (SEXTA-FEIRA)
18h – Saída da Imagem da Sociedade Pe. Cicero (Praça da Bandeira, S/N. Resp.: Rejane Grangeiro e Irmã Grangeiro.
Noitários: Sociedade Pe. Cícero, Setor IX (Coração de Jesus), Palmeirinha, Sítio Riachão, Sítio Novo, Sítio Carnaúba, Sítio Tabuleiro e Pastoral do Dízimo.
18:30h - Devocionário de Nossa Senhora.
19h – Santa Missa Presidida por: Pe. Sebastião Monteiro.
Quermesse: ECC (Círculos).

DIA 04/09 (SÁBADO)
18h – Saída da Imagem da residência de Claudionor e Sandra, Rua do Rosário, nº 114.
Noitários: Família Mota, Senhoras de Caridade, Terço das Mulheres, ECC e Setor VI (Beata Isabel da Luz) e Pastoral da Pessoa Idosa (PPI).
18:30h - Devocionário de Nossa Senhora.
19h – Santa Missa Presidida por: Pe. Joaquim Claudio
Leilão: Pastoral do Dízimo e Equipe Dirigentes ECC. Quermesse: Setor VI.

DIA 05/09 (DOMINGO)
18h – Saída da Imagem da residência de Dona Alcides Melo e família, Rua do Cruzeiro, nº 05, centro da cidade.
Noitários: Família Melo,Setor IV (Beato Sabino), Escola Fé e Vida, Escola Bíblica, Pastoral da Romaria.
18:30h - Devocionário de Nossa Senhora.
19h – Santa Missa Presidida por: Pe. Edmilson Neves.
Quermesse: Apostolado da Oração e Setor IV.

DIA 06/09 (SEGUNDA-FEIRA)
18h – Saída da Imagem da residência de Antônio Domingos e Lenira, Rua Santa Rosa, nº 937.
Noitários: Família Moura e Lima, P. Nossa Sra. de Lourdes, , Vicentinos, Congregados Marianos.
18:30h - Devocionário de Nossa Senhora.
19h – Santa Missa Presidida por: Pe. Francisco Luiz.
Quermesse: Congregados Marianos, Confraria Nossa Senhora do Carmo e Vicentinos.

DIA 07/09 (TERÇA-FEIRA)
18h - Saída da Imagem da residência de Anésia Valério, rua Pe. José Alves, nº 115 – Bairro Socorro.
Noitários: Família Valério, OVS, Confraria do Socorro, devotos da Hora da Graça.
18:30h - Devocionário de Nossa Senhora.
19h – Santa Missa Presidida por: Pe. Paulo Lemos Pereira.
Quermesse: Confraria do Socorro e OVS.

DIA 08/09(QUARTA-FEIRA)-Natividade de Nossa Senhora.
18h – Saída da Imagem da residência de Sr. Tico de Sousa e Dona Tarcila, Rua da Conceição, nº 1090, centro.
Noitários: Grupo São Geraldo, Família Sousa, Paróquia Menino Jesus de Praga e Nenem Cabral, Setor V (Beata Maria das Dores), Pastoral Familiar.
18:30h- Devocionário de Nossa Senhora.
19h – Santa Missa Presidida por: Pe. Antônio José Clementino.
Quermesse: Setor V e Pastoral Familiar.

DIA 09/09 (QUINTA-FEIRA)
18h – Saída da Imagem da residência de Flávio e Silvanete, Rua Mocinha Dias Sobreira S/Nº - Atrás da Coelce.
Noitários: Paróquia de São Francisco, Setor VIII (São Joaquim e Santana), Vila Pelo Sinal, Conjunto Nossa Senhora das Dores, Vila Jaime de Melo, Vila Três Marias, Ministros Extraordinários da Comunhão Eucarística (MECE), Grupo Sal da Terra e Coroinhas.
16:30h- Missa no Mercado Central. Resp.: Tânia e Francisco.
18:30h Devocionário de Nossa Senhora.
19h – Santa Missa Presidida por: Frei Barbosa.
Quermesse: Ministros Extraordinários da Comunhão Eucarística (MECE) e Irmandade do Santíssimo Sacramento.

INÍCIO DA ROMARIA

DIA 10/09 (SEXTA-FEIRA)
18h – Saída da Imagem do Colégio Medalha Milagrosa, Rua São Bento, nº 1032, Responsável Hélio Monteiro e Ana Fechine.
Noitários: Colégio Medalha Milagrosa, Paróquia Nossa Senhora Aparecida e Irmandade do Santíssimo Sacramento.
18:30h - Devocionário de Nossa Senhora.
19h – Santa Missa Presidida por: Pe. José Ranilson Belém.
Quermesse: Sal da Terra.

DIA 11/09 (SÁBADO)
18h – Saída da Imagem da residência de Jucelino, Rua Manoel Tavares, nº 253. Bairro Vila Real.
Noitários: Paróquia São João Bosco, SINDILOJAS, CDL (Câmera dos Dirigentes Lojistas) Confraria Nossa Senhora do Carmo.
18:30h - Devocionário de Nossa Senhora.
19h – Santa Missa Presidida por: Pe. Vaudênio Nergino.

DIA 12/09 (DOMINGO)
18h – Saída da Procissão: Fundação Leandro Bezerra, Rua São Pedro, S/N.
Noitários: Fundação Leandro Bezerra, Carroceiros e Família Bezerra de Menezes.
18:30h - Devocionário de Nossa Senhora.
19h – Santa Missa Presidida por: Dom Fernando Panico.

DIA 13/09 (SEGUNDA-FEIRA)
18h – Saída da Procissão da Residência de Marcos Tavares e Ana Maria Tavares, Rua Padre Cícero, n° 246.
Noitários: Família Tavares, Família Antônio Agostinho, Seu Mocinho e Dona Tita, Indústria, Agricultores, Violeiros e Apostolado da Oração.
18:30h - Devocionário de Nossa Senhora.
19h – Santa Missa Presidida por: Dom Fernando Panico.
DIA 14/09 (TERÇA-FEIRA)
18h – Saída da Procissão: Prefeitura Municipal de Juazeiro, Rua São Pedro, Praça Dirceu Figueiredo, S/N.
Noitários: Prefeitura Municipal e seus Secretários, Poder Executivo, Legislativo e Judiciário.
18:30h - Devocionário de Nossa Senhora.
19h – Santa Missa Presidida por: Dom Fernando Panico.

DIA 15/09 (QUARTA-FEIRA) – Encerramento
05h – Ofício de Nossa Senhora (cantado)
06h – Santa Missa
09h – Concelebração Santa Missa Solene
12h – Despedida dos Romeiros.
16h – Procissão da Padroeira.
18h - Encerramento da festa com orações, bênçãos do Santíssimo Sacramento e Show Pirotécnico - (fogos).

15/08/2010

EM MEMÓRIA DE HERÓI DA HISTÓRIA DO JUAZEIRO

Foto: Juazeiro antigo com José Marrocos

Dentro das comemorações do Centenário de Juazeiro do Norte, um dos seus heróis é lembrado com uma palestra, uma missa, uma exposição e um lançamento de folheto. Com essa programação simples, Juazeiro do Norte iniciou, nessa semana, a celebração dos 100 anos de falecimento do jornalista e professor José Marrocos, um dos maiores vultos de sua história. Palestra foi da professora da Universidade Estadual do Rio de Janeiro, Luitigarde Oliveira Barros, no Círculo Operário, falando sobre a importância e a contribuição de José Marrocos na formação do Juazeiro. Diante de cerca de 200 pessoas, em sua maioria acadêmicos e pesquisadores, ela destacou José Marrocos como o responsável por construir o mundo da comunicação no Cariri, a abertura de escolas, a teatralização da história da vida religiosa do país e a defesa de temas libertários como a abolição dos escravos.Folheto “José Marrocos” é uma criação coletiva dos alunos do oitavo ano da Escola José Marrocos, localizada no bairro Pio XII. Missa foi celebrada em sufrágio da alma dele, na Capela do Socorro. Complementando, desta segunda-feira(16) até 27 de agosto haverá uma exposição interativa sobre José Marrocos na sede do Ipesc, no campus Monsenhor Muiro Barreto, da Universidade Regional do Cariri, na Avenida Castelo Branco, no Juazeiro. Ela é formada por jornais, documentos, livros, documentário, fotos, além das oficinas de leitura de cartas e documentos, de xilogravuras e mini-cursos. Haverá também uma exposição de livros que pertenceram a José Marrocos, no Museu do Padre Cícero, na Rua São José, centro da cidade. Uma palestra do jornalista e escritor Lira Neto, sobre o herói juazeirense, durante a aula inaugural do semestre do Curso de Comunicação da UFC-Cariri, no Juazeiro, foi cancelada. Como se verifica, uma programação simples apenas para lembrar, mas não para marcar o centenário da morte de um grande personalidade que teve papel fundamental na emancipação política de Juazeiro do Norte que agora chega ao seu centenário. De grande inteligência, jornalista, professor, poliglota, polêmico e combativo, José Marrocos era primo do Padre Cícero. Foi um dos grandes defensores do Milagre da Hóstia, ocorrido em1898, quando hóstia consagrada em missa celebrada pelo Padre Cícero, na igreja de Nossa Senhora das Dores, se transformou em sangue na boca da jovem beata Maria de Araújo, provocando as romarias que fizeram Juazeiro o que é hoje, maior centro do catolicismo popular da América Latina, recebendo 2,5 milhões de visitantes ao ano. José Marrocos escreveu artigos para jornais do Brasil inteiro e até da Europa defendendo o Milagre do Juazeiro. Como Padre Cícero, José Marrocos amava Juazeiro e por isso fundou, com outro grande defensor do Juazeiro, Alencar Peixoto, o jornal “O Rebate” que foi o principal instrumento de divulgação e promoção do ideal de independência do Juazeiro. Nascido em 26 de novembro de 1842, José Marrocos chegou a estudar no Seminário da Prainha, em Fortaleza, pensando em ser sacerdote, mas foi obrigado a desistir porque era filho do padre João Marrocos. Além de jornalista de atividade fecunda, foi um grande abolicionista. Seu trabalho em defesa da Abolição dos Escravos chegou a ter reconhecimento dos grandes historiadores. Afirmou-se como abolicionista em veemente discurso na Sociedade Libertadora Cearense onde acusou o Governo e os escravocratas e passou, com outros nove companheiros, a ser conhecido como um dos Dez Libertadores. Com esse espírito libertador, lutou incansavelmente pela independência do Juazeiro. Morreu em 14 de agosto de 1910, sem ter a alegria da vitória de sua grande causa em 22 de julho de 1911 quando Juazeiro se tornou independente. Mas ficou, definitivamente, como extraordinário vulto da história juazeirense e, por isso mesmo, no centenário de sua morte, merecia mais do que uma simples programação de pequenos eventos de lembranças, merecia e merece homenagens compatíveis com sua grandeza histórica de verdadeiro herói do Juazeiro.

25/07/2010
CENTENÁRIO COMEÇA COM PADROEIRA DO BRASIL

Foto Demontier Tenório: Nossa Senhora Aparecida no Juazeiro

Com a presença da Padroeira do Brasil, Nossa Senhora Aparecida, em diversas cerimônias religiosas nas igrejas de Juazeiro do Norte, Terra do Padre Cícero, tendo a participação de milhares de pessoas, foram iniciadas, nessa semana, as celebrações do Centenário do Juazeiro que se estenderão até 22 de julho de 2011, data histórica da emancipação política do município há 100 anos. Um dos momentos mais marcantes da visita de Aparecida ao Juazeiro foi a tradicional missa pela alma do Padre Cícero, na terça-feira(20), após 76 anos de sua morte e que reuniu uma multidão estimada em 30 mil pessoas. Imagem peregrina de Nossa Senhora Aparecida ficou no altar externo da Capela do Socorro, onde foi celebrada a missa depois de um cortejo iniciado ás 5 horas da manhã entre a Basílica de Nossa Senhora das Dores e a capela onde está o túmulo do Padre Cícero. Momentos antes, autoridades municipais e religiosos descerraram placa numa espécie de nicho da Basílica com a réplica da imagem de Nossa Senhora Aparecida, como marco da visita da Padroeira do Brasil ao Juazeiro abrindo o ciclo festivo pelos 100 anos de emancipação política do município. Na noite anterior, aconteceu um show com o Frei Rinaldo Stecanela na Praça dos Romeiros que se prolongou até às 23 horas reunindo grande público. Peregrinação da imagem de Nossa Senhora Aparecida em Juazeiro do Norte, começou no sábado(17) quando milhares de fiéis compareceram à Praça das Almas do Santuário de São Francisco para acompanhar a concelebração de Missa em altar externo, depois de um cortejo desde o Aeroporto Regional do Cariri , no Juazeiro, onde grande número de católicos foi receber a imagem.Na chegada ao Santuário de São Francisco, um espetáculo com fogos de artifício simbolizou a alegria dos juazeirenses pela homenagem do Santuário Nacional de Aparecida em São Paulo aos 100 anos de Juazeiro do Norte. Padre Darcy Nicioli veio ao Juazeiro liderando a comitiva que trouxe de São Paulo a imagem da Padroeira do Brasil para essa homenagem à centenária Cidade do Padre Cícero.Por isso, por trás da imagem colocada em um trono no altar, um grande painel estampou a logomarca do Centenário. Logo após a liturgia começou a vigília junto com um show do cantor Zé Vicente. O ato envolveu a platéia com músicas católicas e algumas lembrando o Padre Cícero. Visita de Nossa Senhora Aparecida significou um encontro da Padroeira do Brasil com o Santo do Nordeste e a união dos maiores santuários católicos do País, Juazeiro, no Ceará, e Aparecida do Norte, em São Paulo. Durante a visita foi feita ampla divulgação do Centenário do Juazeiro junto à comunidade católica do município. Peregrinação da imagem de Aparecida terminou na terça-feira(20), quando embarcou no aeroporto regional do Juazeiro de volta para São Paulo.
Foto Demontier Tenório: Missa  no  Santuário de São Francisco
Missa com N. S. Aparecida no Santuário de São Francisco
Foto Demontier Tenório: Católicos em missa no Santuário de São Francisco
Multidão de juazeirenses em missa no Santuário de São Francisco

18/07/2010
PADROEIRA DO BRASIL ABRE FESTA DO CENTENÁRIO

Foto RF Araujo: Chegada de Aparecida no Juazeiro

Vinda diretamente de São Paulo, a Padroeira do Brasil, Nossa Senhora Aparecida, está em Juazeiro do Norte abrindo as festividades do Centenário da Cidade do Padre Cícero. Ela chegou nesse sábado, sendo recebida por autoridades e pelo povo no Aeroporto Regional do Juazeiro, de onde foi em carreata até o Santuário de São Francisco, o maior e mais belo templo católico do Nordeste brasileiro. Foi acolhida no santuário com pequena celebração seguida de orações por grupos da paróquia, missa e depois um show com o cantor José Vicente. Nossa Senhora Aparecida fica no Juazeiro até dia 2O quando estará presente na Igreja do Socorro à tradicional missa de aniversário de falecimento do Padre Cícero, ocorrido em 1934. Até lá, sua programação é a seguinte:
Dia 18/07/10 (Domingo)
06h - Santa Missa (Franciscanos).07h - Carreata para o bairro João Cabral; 08h - Acolhida na Igreja Nossa Senhora Aparecida com Santa Missa (presidida por um dos padres da comitiva); 09:30h às 14:30h - Momento de oração (animado por grupos da comunidade). 15h - Carreata para o Santuário do Coração de Jesus, dos Salesianos;16h às 16:30h - Recepção, momento de oração na Igreja Sagrado Coração de Jesus (Salesianos)16:30h - Santa Missa (presidida por um dos padres da comitiva).17:30h - Recepção, oração na Igreja São Miguel (Paróquia de Nossa Senhora de Lourdes).19h - Santa Missa na Igreja São Miguel (presidida por um dos padres da comitiva). 20:30h às 22h - Vigília, orações feitas pelos grupos da Paróquia Nossa Senhora de Lourdes
Dia 19/07/10 (Segunda–Feira)
05h - Caminhada com a imagem, saindo da igreja São Miguel até a Basílica Nossa Senhora das Dores; 06h - Missa na Basílica, presidida por um dos padres da comitiva. 07h ás 08h - Momentos de oração (Basílica); 10h ás 12h - Momentos devocionais da época do Pe. Cícero (penitentes, romeiros...). 12h às 15h - Momento de oração coordenado pelos grupos da Paróquia.16h - Santa Missa; 16:30h às 18h - Orações marianas (Ofício, reza do terço...)19h - Solene concelebração presidida por Pe. Darcy na Praça dos Romeiros.20:30h - Show religioso com Frei Rinaldo..
Dia 20/07/10 (Terça–Feira)
05h - Procissão com a imagem saindo da Basílica para Capela do Socorro.06h - Missa do Pe. Cícero (aniversário de falecimento); 07h ás 10h - Orações, homenagens a Padroeira do Brasil. 10h – Carreata.11h – Acolhida na Igreja do Menino Jesus de Praga - Aeroporto do Juazeiro e volta para São Paulo.Nossa Senhora da Conceição Aparecida é Padroeira do Brasil desde 16 de julho de 1930, por decreto do Papa Pio XI, Sua presença no Juazeiro abre os festejos do centenário da cidade que é o maior centro do catolicismo popular da América Latina. De 17 a 22 de julho, serão realizadas as comemorações da Semana do Município que, no dia 22 completa 99 anos de emancipação política. Nesse mesmo dia, será feito o lançamento do Ano Centenário de Juazeiro do Norte com missa solene na Basílica de Nossa Senhora das Dores e show popular na praça do Memorial Padre Cícero.

11/07/2010
CENTENÁRIO GANHA LIVRO SOBRE PADRE CICERO

Foto: Capa do livro de Menezes Barbosa sobre  vista do Juazeiro

Mais uma obra literária significativa se acrescenta ao acervo de cerca de 300 livros já editados sobre a vida e a obra do Padre Cícero, edificador de Juazeiro do Norte, principal cidade do interior do Ceará e Metrópole do Cariri, preparando-se agora para celebração do seu primeiro Centenário em 2011. “Caminhadas com o Padre Cícero” é o novo livro de Menezes Barbosa, o respeitado e admirado Cronista do Cariri, colunista do Juanorte, que há mais de 60 anos se dedica a escrever sobre a história, as tradições, os costumes, a cultura e o desenvolvimento do Juazeiro em torno da personalidade venerável e mitológica do Padre Cícero. “Consegui extrair 20 fatos dos mais importantes da vida do Padre Cícero e transformá-los em 20 narrativas históricas neste livro “Caminhadas com o Padre Cícero”, explica Menezes Barbosa, acrescentando: “Para tanto, fiz-me um acompanhante, tal como uma testemunha ocular da História, ao lado do Padre, assistindo os seus atos, ouvindo seus pensamentos e suas emoções, escutando seus diálogos e transformando tudo nestas 20 narrativas que, por certo, agradarão os leitores até os mais céticos. Tudo isso para deixar documentado neste início de Centenário de Juazeiro, uma obra histórico-cultural marcando esse importante evento que se aproxima” Lançamento será agora no dia 20 de julho, às 20 horas, no grande auditório do SESC de Juazeiro do Norte. O prefácio é do presidente do Instituto do Ceará, José Augusto Bezerra, de Fortaleza, que recebeu, recentemente, a Sereia de Ouro, como o maior bibliógrafo do Ceará. O apresentador será Jarbas Botelho, jurista de renome em Fortaleza e presidente da Acadenia do Lions do Ceará. Durante o ato de lançamento do seu novo livro, Menezes Barbosa prestará uma homenagem póstuma ao seu velho amigo, saudoso tenente Raimundo Saraiva Coelho, um dos maiores empreendedores do Juazeiro, que sonhava com a festa deste Centenário. Ele foi o primeiro empresário da construção civil em Juazeiro do Norte, plantando seus grandes edifícios de apartamentos e belos conjuntos habitacionais, que embelezam nossa cidade e oferece, trabalho a mais de mil operários. Um romeiro de Iguatu, devoto do padre Cícero, radicado no Juazeiro por 50 anos. Como escritor de atividade fecunda, Menezes Barbosa é autor de vários livros sobre Juazeiro, sendo o mais conhecido “História do Padre Cícero ao alcance de todos”, que apresenta uma trajetória completa da história do Juazeiro desde a chegada do Padre Cícero, em 1872, ao então pequeno lugarejo de Tabuleiro Grande que, depois do Milagre da Hóstia na igreja de Nossa Senhora das Dores, em 1889, se transformou rapidamente no maior centro de romarias do Nordeste e hoje é o principal centro do catolicismo popular da América Latina.Menezes Barbosa é também o presidente da Comissão Organizadora do Centenário do Juazeiro, função à qual se dedica com inteligência, sensibilidade e devotamento, tudo pelo reconhecimento e respeito ao papel histórico do Padre Cícero e pelo amor que sente ao Juazeiro do Norte, Cidade que Mais Cresce no Ceará e hoje o principal centro urbano do Nordeste central do Brasil.

27/06/2010
PADROEIRA DO BRASIL ABRE O CENTENÁRIO

Foto: Padroeira e Santuário de Aparecida

Ciclo de festividades do Centenário de Juazeiro do Norte, maior e mais importante cidade do interior do Ceará, hoje com quase 300 mil habitantes, será aberto no próximo dia 17 de julho com a chegada da Padroeira do Brasil, Nossa Senhora Aparecida, vinda de diretamente de São Paulo para uma peregrinação na Cidade do Padre Cícero. Nesse dia, ela será acolhida no Santuário dos Franciscanos, onde haverá orações, missa e um show religioso com o o cantor Zé Vicente. Além dessa visita, a Prefeitura Municipal está prometenddo vários eventos para a Semana do Município, que vai até 22 de julho, quando Juazeiro completará 99 anos de independência política. De acordo com a administração da Basílica de Nossa Senhora das Dores, em Juazeiro do Norte, a imagem da Padroeira do Brasil chegará acompanhada de uma comitiva de padres redentoristas do Santuário Nacional de Aparecida, o maior santuário mariano do mundo, e cumprirá no Juazeiro a seguinte programação:
Dia17/07/10(Sábado)
15h Chegada no Aeroporto do Juazeiro; 15:15h - Recepção (autoridades e povo) carreata até Igreja de São Francisco (franciscanos); 16h-Acolhida na Igreja São Francisco, com pequena celebração; 16:30h à 18:30h - Momento de oração diante da imagem, coordenado pelos grupos da Paróquia; 19h - Santa Missa (presidida por um dos padres da comitiva); 20:30h à 22h – Show com o cantor Zé Vicente
Dia 18/07/10 (Domingo)
06h - Santa Missa (Franciscanos).07h - Carreata para o bairro João Cabral; 08h - Acolhida na Igreja Nossa Senhora Aparecida com Santa Missa (presidida por um dos padres da comitiva); 09:30h às 14:30h - Momento de oração (animado por grupos da comunidade). 15h - Carreata para o Santuário do Coração de Jesus, dos Salesianos;16h às 16:30h - Recepção, momento de oração na Igreja Sagrado Coração de Jesus (Salesianos)16:30h - Santa Missa (presidida por um dos padres da comitiva).17:30h - Recepção, oração na Igreja São Miguel (Paróquia de Nossa Senhora de Lourdes).19h - Santa Missa na Igreja São Miguel (presidida por um dos padres da comitiva).
20:30h às 22h - Vigília, orações feitas pelos grupos da Paróquia Nossa Senhora de Lourdes
Dia 19/07/10 (Segunda–Feira) - “Romaria do Pe. Cícero”.
05h - Caminhada com a imagem, saindo da igreja São Miguel até a Basílica Nossa Senhora das Dores; 06h - Missa na Basílica, presidida por um dos padres da comitiva. 07h ás 08h - Momentos de oração (Basílica); 10h ás 12h - Momentos devocionais da época do Pe. Cícero (penitentes, romeiros...). 12h às 15h - Momento de oração coordenado pelos grupos da Paróquia.16h - Santa Missa; 16:30h às 18h - Orações marianas (Ofício, reza do terço...)19h - Solene concelebração presidida por Pe. Darcy na Praça dos Romeiros.20:30h - Show religioso com Frei Rinaldo..
Dia 20/07/10 (Terça–Feira)
05h - Procissão com a imagem saindo da Basílica para Capela do Socorro.06h - Missa do Pe. Cícero (aniversário de falecimento); 07h ás 10h - Orações, homenagens a Padroeira do Brasil.
10h – Carreata.11h – Acolhida na Igreja do Menino Jesus de Praga - Aeroporto do Juazeiro e volta para São Paulo.
Nossa Senhora da Conceição Aparecida, foi proclamada Rainha do Brasil e sua Padroeira Oficial em 16 de julho de 1930, por decreto do Papa Pio XI , sendo coroada. Pela Lei nº 6.802 de 30 de junho de 1.980, foi decretado oficialmente feriado no dia 12 de outubro, dedicando este dia a devoção. Também nesta Lei, a República Federativa do Brasil reconhece oficialmente Nossa Senhora Aparecida como padroeira do Brasil.Em 4 de julho de 1980, o papa João Paulo II, em sua histórica visita ao Brasil, consagrou a Basílica nova de Nossa Senhora Aparecida, em Aparecida do Norte, São Paulo, como o maior santuário mariano do mundo, em solene missa celebrada, e sagrando solenemente o grandioso monumento construído com carinho e devoção do povo brasileiro. Por tudo isso, a peregrinação da imagem de Nossa Senhora Aparecida ao Juazeiro, abrindo os festejos do Centenário será marco histórico para a cidade do Padre Cícero, um dos maiores propagadores da devoção à Mãe de Deus no Brasil.

25/04/2010
IGREJA MOBILIZADA PARA O CENTENÁRIO

Foto Demontier Tenório: Reunião de Padres sobre Centenário

Maior participação dos padres e demais religiosos das 11 paróquias da Igreja Católica de Juazeiro do Norte nas celebrações do Centenário da maior cidade do interior do Ceará, através de sugestões e de mobilização da população de mais de 250 mil habitantes, além dos milhares de romeiros que visitam Juazeiro regularmente. Afinal, a história do Juazeiro está inteiramente vinculada à Igreja Católica, desde sua fundação pelo Padre Cícero Romão Batista, a partir de 1872. Com este o objetivo, a Secretaria municipal de Turismo e Romarias está realizando uma série de reuniões, como a que aconteceu, nessa semana, no auditório do Colégio Salesiano do Juazeiro com a presença de oito padres e dois diáconos de diversas paróquias da cidade. Eles ouviram exposições do Secretário José Carlos dos Santos e do professor Renato Dantas que são membros executivos da Comissão Organizadora do Centenário, sobre o planejamento que vem sendo elaborado e as ações já realizadas até o momento. Segundo eles, todas as idéias e sugestões apresentadas foram apreciadas e fazem parte de um roteiro disposto em onze programas. Alguns projetos já estão prontos e com recursos assegurados, principalmente para as obras estruturantes do chamado Complexo do Centenário e para as ações culturais, como reedição de livros sobre Juazeiro e o Padre Cícero. Expositores deram destaque para os projetos de edificações, como Portais de entradas do Juazeiro, Portal da Fé, Marco Zero, Praça do Centenário e Museu do Juazeiro. De acordo com o Secretário de Turismo e Romarias, José Carlos dos Santos, os maiores investimentos do Centenário, relacionados com as obras estruturantes, já estão com verbas garantidas de R$ 10 milhões do Ministério do Turismo e R$3,1 milhões do Governo do Estado. Dentre essas obras, o Marco Zero resgatará a pequena vila com a capelinha primitiva junto aos três frondosos pés de juazeiro, início da história da cidade, e o Museu do Juazeiro terá acervo formado com doações de historiadores e pesquisadores da vida juazeirense. Até agora a única iniciativa realmente concretizada é o relógio remissivo do Centenário instalado na Praça Padre Cícero, no centro da cidade. Participaram do encontro no Colégio Salesiano os padres Donizete e Nergino, da Paróquia Dom Bosco, César Casseta, da Paróquia do Coração de Jesus, José Venturelli, Administrador do Horto, José Ranilson, da Paróquia Nossa Senhora Aparecida, Francisco Luiz, da Paróquia Nossa Senhora de Lourdes, e Paulo Lemos e Marques, da Basílica de Nossa Senhora das Dores. Todos se comprometeram a divulgar e promover as ações do Centenário nas reuniões e celebrações em suas paróquias buscando o maior envolvimento de suas comunidades na festa do Juazeiro que terá seu ponto culminante em 22 de julho de 2011, quando se completarão 100 anos da emancipação política juazeirense. Além disso será estimulada maior participação dos romeiros do Nordeste. Juazeiro recebe atualmente mais de 2,5 milhões de visitantes ao ano, entre turistas e peregrinos devotos do Padre Cícero, sendo o maior centro do catolicismo popular da América Latina.

(28/03/2010)
ASSEMBLÉIA DEBATE JUAZEIRO CENTENÁRIO

 
Foto: Assembléia Legislativa do Ceará
 
Com total ausência do atual Governo do Ceará, que tem uma verdadeira obsessão em prejudicar Juazeiro do Norte, como se fosse uma cidade adversária de outro Estado, quando devia contemplá-la e investir nela maciçamente pois é a maior e mais importante do interior cearense, finalmente, o Centenário do Juazeiro chama a atenção da Assembléia Legislativa do Ceará. Sua Comissão de Indústria e Comércio, Turismo e Serviços da Assembléia Legislativa resolveu fazer uma audiência pública para discutir o planejamento das comemorações pelo centenário de emancipação política de Juazeiro do Norte, que será celebrado em julho de 2011. O debate acontece às 9 horas desta segunda-feira, 29 de março, no Memorial Padre Cícero, sob a coordenação do deputado estadual, Sérgio Aguiar (PSB), que preside a comissão. Já era tempo porque o Centenário do Juazeiro tem sido conduzido praticamernte pelo esforço da comissão municipal organizadora da celebração sem nenhum apoio estadual ou federal até agora, exceto da Universidade Federal do Ceará, cujo reitor atual é o juazeirense Jesualdo Farias. Por isso, é louvável a iniciativa da Assembléia Estadual em querer se envolver e participar das comemorações dos 100 anos da Cidade do Padre Cícero. É resultado de proposta foi feita pela deputada estadual juazeirense Ana Paula Cruz (PRB), que destacou a importância da participação de representações do poder público, empresariado e da sociedade civil na discussão para viabilizar um plano com vistas as festividades em torno dos 100 anos de Juazeiro. Para o debare no Memorial Padre Cícero, foram convidados para os secretários estaduais, o prefeito Manoel Santana; vereadores e os membros da Comissão Organizadora do Centenário.Durante o encontro será detalhado o projeto de lei que tramita na Assembléia Legislativa, de autoria da deputada Ana Paula Cruz, que institui 2011 como o ano do município de Juazeiro em homenagem aos seus 100 anos de emancipação política. O objetivo, segundo ela, é preservar a história e a cultura regional do Ceará, homenageando Juazeiro sempre presente nas grandes manifestações culturais, religiosas e econômicas. Será importante que, nesse encontro no Memorial Padre Cícero, que a Comissão de Indíustria, Comércio, Turismo e Serviços da Assembléia possa juntar e orgnanizar subsídios para elaboração e aprovação de um projeto que garanta recursos financeiros do Governo do Ceará à celebração do Centenário do Juazeiro, um acontecimento histórico da maior importância para o Estado tendo em vista a importância histórica da cidade na história do Ceará. Mas, como o encontro terá a participação de autoridades estaduais e municipais, seria fundamental que a comissão, presidida pelo deputado Sérgio Aguiar, que é do PSB, partido do governador Cid Gomes, acolhesse e levasse ao Governo do Estado uma reivindicação essencial do povo do Juazeiro: que o governador Cid Gomes envie à Assembléia Legislativa uma mensagem revisora corrigindo a denominação errônea de Região Metropolitana do Cariri, criada em 2009, para Região Metropolitana do Juazeiro, que é a denominação correta, conforme a legislação que criou as Regiões Metropolitanas no Brasil, em 1972, que define a região metropolitana pelo nome da cidade-pólo regional, como é o caso de Juazeiro do Norte, centro metropolitano do Cariri, responsável pelo processo de conurbação do triãngulo JUABC (Juazeiro do Norte, Barbalha e Crato). Será uma forma de a Assembléia Legislativa do Ceará se recuperar diante do Juazeiro e se redimir diante da história do erro cometido por indução e capricho do governador Cid Gomes auxiliado pelo famigerado secretário estadual de Cidades, Joaquim Cartaxo, autor dessa acintosa vilania contra o povo do Juazeiro. O que a Asembléia aprovou foi uma aberração jurídica e institucional em detrimento do Juazeiro porque exclui Juazeiro como cidade-pólo, o que altera, negativamente, o planejamento de investimentos na cidade. Sem nenhuma dúvida, desrespeito e agressão do Governo Cid Gomes ao povo do Juazeiro. Por isso, a reunião da Comissão de Indústria e Comércio, Turismo e Serviços da Assembléia no Juazeiro é uma excelente oportunidade para que a casa legislativa inicie um processo de revisão no absurdo repudiável cometido pelo governador Cid Gomes contra Juazeiro, com a adoção correta, jurídica e institucionalmente, da denominação de Região Metropolitana do Juazeiro. Não existe Região Metropolitana do Ceará, mas de Fortaleza. Não existe Região Metropolitana de Pernambuco, mas do Recife; Não existe Região Metropolitana de Minas, mas de Belo Horizonte. Não existe Região Metropolitana do Norte do Paraná, mas de Londrina. . Portanto, que o Ceará adote o modelo correto e padrão predominante no País com a formalização correta de Região Metropolitana do Juazeiro. Não se trata de favor nenhum, nem de recompensa; trata-se de um direito de conquista do Juazeiro centenário, como Metrópole do Cariri, principal centro urbano, demográfico, econômico, social, cultural, universitário, artístico, turístico e desportivo do Cariri, e capital do Nordeste central do Brasil com influência sobre mais de 2,5 milhões de habitantes do Ceará, Paraíba, Pernambuco e Piauí. Questão de mérito, questão de justiça!

(21/03/2010)
ABRAÇO APAIXONADO NO JUAZEIRO CENTENÁRIO

 
Foto: Logomarca de Reginaldo Farias
 
Logomarca oficial do Centenário de Juazeiro do Norte é um convite ao povo do Juazeiro e aos romeiros de todo o Nordeste à expressão de amor à Cidade do Padre Cícero, hoje Metrópole do Cariri e se aproximando dos 300 mil habitantes. Vencedor do concurso, o artista plástico e designer digital juazeirense Reginaldo Farias, de 37 anos, que concorreu com 85 propostas originárias de São Paulo, Fortaleza, Recife e do próprio Juazeiro, está comemorando com muita vibração e orgulho porque assim traduz a simbologia de sua criação: “É, realmente, um abraço apaixonado no Juazeiro centenário”. De acordo com Reginaldo Farias, em entrevista exclusiva ao Juanorte, sua concepção de logomarca utlizou como destaque a estátua do Padre Cícero, segunda maior do Brasil, conhecida no mundo inteiro, e que representa o fundador de Juazeiro do Norte com grande influência no desenvolvimento sócio-econômico da cidade e reverenciado em todo o Nordeste. Explica que colocou a cor dourada no número 100 para representar a grandiosidade, a beleza e a importância do evento, marco na história do município. Segundo ele, “0 laço que contém a inscrição “Centenário de Juazeiro do Norte” representa a união de vários elementos, como a reprodução da ladeira do Horto (onde está situada a estátua do Pe. Cícero); remete às fitas utilizadas pelos romeiros nas romarias, que contêm letreiros que enfatizam a fé no Patriarca do Juazeiro e, ao mesmo tempo, a lembrança da hospitalidade dos juazeirenses. Concomitantemente, a fita vermelha sugere um laço, que “abraça apaixonadamente” todas as imagens da logomarca, indicando que Juazeiro está sendo reverenciado, está sendo cuidado com muita dedicação”. Uma das imagens envolvidas pelo “laço” , conforme Reginaldo Farias, remete à linha do tempo, com a silhueta de referências do local onde começou a cidade de Juazeiro do Norte: a Igreja da Matriz, a cruz que indica a religiosidade, e a “árvore juazeiro”, símbolo de resistência do povo nordestino. Desde que recebeu a comunicação de que foi o vencedor do concurso nacional, pelo secretário executivo da Comissão do Centenário, Renato Dantas, o artista plástico está festejando sua vitória que, para ele, tem um sentido muito especial: “Foi uma honra muito grande ganhar esse prêmio porque significa a minha presença e a minha participação de fato na celebração do Centenário de Juazeiro do Norte, terra que amo muito. É inacreditável que o sonho de uma pessoa, nosso querido Padre Cícero, tenha transformado um pequeno e pobre lugarejo numa grande cidade, hoje verdadeira Metrópole do Cariri. Devemos ter orgulho disso e a logomarca expressa um pouco esse sentimento de minha parte, um abraço apaixonado no Juazeiro”, afirmou Reginaldo Farias ao Juanorte, acrescentando essa confissão: “Embora tivesse feito a marca com todo meu empenho, estava um pouco receoso, por uma série de fatores, principalmente por ser um concurso nacional aberto a qualquer pessoa. Mas acreditava que o grande ponto ao meu favor era o conhecimento de minha terra e de enxergar valores que outros não se lembrariam, pelo simples fato de não vivenciarem os nossos principais valores. Depois que alguns jornalistas me ligaram, marcaram entrevistas e só então fui sentir a grandiosidade desse feito”. . Mais de uma vez, em sua entrevista ao Juanorte, o ganhador do concurso da logomarca do Centenário repete sua declaração de amor ao Juazeiro: “dAntes do resultado. eu torcia para que a logomarca escolhida fosse de um juazeirense. Alguém que sentisse a fé de nossa gente. Dos romeiros que visitam nossa cidade em busca de consolo e amparo.Na minha concepção, tentei juntar alguns elementos. Eu outro Cícero, artista da região, apaixonado por nossa terra. Acredito que a carga emocional que eu depositei nessa logo tenha sido o grande diferencial em relação as outras. Em todos os momentos do processo criativo não me saiam da mente “100 anos” de Juazeiro, terra histórica, marcada por lutas e a fé do povo em nosso grande fundador. Eu sentia na pele a fé de nossa gente, sua esperança nessa terra tão “sonhada “, idealizada e realizada por nosso grande Padre Cícero”. Agora, como vencedor, Reginaldo Farias diz que seu maior desejo é que o povo do Juazeiro e as pessoas que querem bem ao Juazeiro se identifiquem com a logomarca: “Fiz a logomarca pensando na cidade e nas pessoas. Na história da cidade e no sentimento das pessoas que moram ou visitam nossa cidade. Fiz lembrando os olhos dessas pessoas que olham para Juazeiro com sentimento de fé, alegria e esperança”Quando ao prêmio de \R$ 5 mil, concedido pelo Governo Municipal do Juazeiro, ele relativiza: “O dinheiro não tem tanta importância assim.É um prêmio simbólico que, praticamente representa um reembolso de impostos ou pagamento pela criação. Mais importante mesmo é a participação no Centenário do Juazeiro, que é um acontecimento histórico”. Com 20 anos de atividades como artista plástico, especializado em design digital, Reginaldo Farias, adianta ao Juanorte que seu próximo objetivo é montar no Juazeiro, ainda antes do Centenário, uma exposição artística com imagens digitais sobre a cultura popular juazeirense, que é uma das mais ricas do Brasil, enfocando reisado, banda cabaçal, manero pau, violeiros, artesãos e outras manifestações que difundem e promovem o Juazeiro no cenário nacional. Seu arremate, nessa entrevista ao Juanorte, é de um juazeirense autêntico: “Conheço alguns lugares e sei que ainda vou conhecer muitos outros no mundo, interessantes e atraentes, mas Juazeiro não sai de minha cabeça nem do meu coração, é a cidade que amo”.
"Fiz a logomarca do Centenário pensando na história da cidade e no sentimento de fé, alegria e esperança das pessoas que, como eu, amam Juazeiro do Padre Cícero" (Reginaldo Farias)
Foto: Designer Reginaldo Farias

(14/02/2010)
GREENPEACE HOMENAGEIA PADRE CICERO

 
Foto: Santinho do Greepeace
 
Organização internacional e independente, fundada em 1971, nos Estados Unidos, que atua para defender o meio ambiente e promover a paz, inspirando as pessoas a mudarem atitudes e comportamentos. Investigando, expondo e confrontando crimes ambientais, desafiando os tomadores de decisão a reverem suas posições e mudarem seus conceitos, o Greenpeace no Brasil está divulgando, agora, os preceitos ecológicos do Padre Cícero, como conselhos que devem ser seguidos pelas autoridades em todo o mundo e por todos os brasileiros. Defensor de soluções economicamente viáveis e socialmente justas, que ofereçam esperança para atual e para as futuras gerações, o Greenpeace ganhou rápida expansão e aos oito anos de existência já estava presente em sete países. Então, teve que escolher um dos escritórios como o centro internacional de decisão e supervisão das atividades da instituição. Nasceu então o Greenpeace Internacional (GPI), sediado em Amsterdã. Com sua importância e sua influência internacionais, o Greenpeace está mostrando ao mundo, em matéria no seu site www.greenpeace.org.br, sob o título “Arvores do Padim Ciço tomam o sertão” , onde homenageia Padre Cícero como Padroeiro das Florestas, destaca: “Juazeiro, além de uma cidade, é nome de uma árvore. E a árvore é um símbolo do sertão e da terra de Padre Cícero. Padre Cícero era um defensor das matas e de Juazeiro, a cidade e a árvore. Seus preceitos ecológicos - não matar animais, não derrubar, plantar árvores até todo o sertão ser uma mata só - são um exemplo a ser seguido sempre, mas especialmente hoje, quando a bancada da motosserra de Brasília ataca nossas florestas”. Depois de lembrar que os romeiros que prestam homenagem a Padim Ciço em Juazeiro do Norte estão recebendo mudas da árvore juazeiro, conforme projeto do Centenário do Juazeiro, que pretende distribuir 1 milhão de mudas da árvore fica verde até no verão, uma bênção para os sertanejos, o Greenpeace adverte: “Falta agora os deputados federais que querem demolir o Código Florestal abrir seu coração para os sábios conselhos de Padre Cícero e seguir o exemplo de seus romeiros”. Finaliza pedindo aos internautas que repassem para amigos e conhecidos um santinho do Padre Cícero, com seus mandamentos ecológicos. “Não deixe a bancada da motosserra derrubar nossas florestas”, arremata. O Greenpeace esfá no Brasil desde 26 de abril de 1992 (aniversário da explosão da usina nuclear de Chernobyl) quando chegou ao Rio de Janeiro, às vésperas do início da Conferência das Nações Unidas sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento, a Eco-92, a bordo do navio Rainbow Warrior para participar do encontro. A embarcação e suas velas azuis fizeram sucesso no litoral carioca. rumou para Angra dos Reis, onde 800 cruzes foram afixadas no pátio da usina nuclear local, simbolizando o número de mortes ocorrido no trágico acidente na Ucrânia. O evento marcou oficialmente a inauguração do Greenpeace no Brasil. Mas a participação do Greenpeace no Brasil não se resume à preocupação com a escalada nuclear. Ele luta, arduamente, também, contra a dilapidação dos recursos naturais da Amazônia, as mudanças climáticas, bem como a entrada dos transgênicos nos campos brasileiros e suas duvidosas consequências para o meio ambiente e saúde humana. Por não aceitar doações de governos, empresas ou partidos políticos, o Greenpeace existe graças à contribuição de milhões de colaboradores em todo o mundo, que garantem sua independência e seus compromissos com qualidade de vida. Atualmente, o Greenpeace está presente em mais de 40 países e conta com a colaboração de aproximadamente 3 milhões de pessoas.

Pé de juazeiro, símbolo de Juazeiro do Norte

(07/02/2010)
EMOÇÃO DO JUAZEIRO CENTENÁRIO COM DOM BOSCO

Foto RF Araújo: Dom Bosco em urna   na Capela do Socorro
“Foi um tempo de graça”. Assim o diretor dos Salesianos em Juazeiro do Norte, padre Antonio Gomes, definiu para o Juanorte a passagem de Dom Bosco, em urna de peregrinação mundial, pela Cidade do Padre Cícero, nessa semana, integrando as celebrações da programção do Centenário do Juazeiro. Em plena Romaria das Candeias, a primeira do ano e uma das maiores de todos os anos, Juazeiro estava com sua população dobrada para 600 mil habitantes com os quase 300 mil romeiros de todo o Brasil. Foi nesse clima de fervor coletivo que Juazeiro recebeu as relíquias de Dom Bosco. Salesianos de todo o Nordeste vieram para lo Juazeiro a fim de receber o seu fundador. Padre Cícero chamava os padres de Dom Bosco de Devotos de Maria Auxiliadora e tudo fez para que eles se instalassem no Juazeiro. Em carro aberto, a urna com a imagem e as relíquias de Dom Bosco percorreu as principais ruas da cidade sob reverência e aplausos da população.Por suas estimativas, cerca de 200 mil pessoas saudaram Dom Bosco no Juazeiro em todos os seus momentos de visitação: na Colina do Horto, na igreja do Socorro, na igreja da Paróquia de Dom Bosco e na longa vigília no Santuário do Sagrado Coração de Jesus. Somente a vigília, da tarde de segunda-feira até a manhã da terça-feira, deve ter sido acompanhada por aproximadamente 150 mil pessoas. Milhares de romeiros fizeram questão de ver de perto as relíquias de Dom Bosco. Com certeza, Juazeiro proporcionou a Dom Bosco a maior recepção nessa sua excursão pelo Brasil. Na Colina do Horto, onde se encontra o maior patrimônio imóvel deixado pelo Padre Cícero para os Salesianos, a urna com Dom Bosco foi levada até a igreja do Bom Jesus do Horto, em cumprimento a uma promessa feita pelo fundador do Juazeiro. Mas, segundo padre Antonio Gomes, o momento mais emocionante mesmo foi a visita de Dom Bosco ao Padre Cícero em seu túmulo na Capela do Socorro que reuniu uma grande multidão de fiéis em clima de devoção e emoção. Na chegada de Dom Bosco, em urna de 530 quilos com sua imagem e suas relíquias, ao Santuário do Sagrado Coração de Jesus, o poder público do Juazeiro se fez presente, através do prefeito Manoel Santana fazendo o descerramento de uma placa comemorativa ao que foi denominado encontro de São João Bosco com o Padre Cícero. Em sua saudação, o prefeito lembrou sua condição de ex-aluno do Colégio Salesiano do Juazeiro e destacou su orgulho em receber as relíquias de Dom Bosco na cidade. Placa afixada pelo governo municipal no Santuário contém a seguinte mensagem: “Neste local estiveram em peregrinação as Relíquias de Dom Bosco, assinalando o encontro simbólico do Padre Cícero e São João Bosco. Para marcar esse evento histórico, a administração municipal se regozija com o seu povo e manifesta a sua gratidão pelos 70 anos da presença salesiana em Juazeiro e sua contribuição ao desenvolvimento desta cidade centenária”. Outro destaque da placa é uma citação atribuída ao Padre Cícero que deixou sua herança para obra dos Salesianos de Dom Bosco no Juazeiro: “Já me sinto no final da minha existência e, por isso mesmo, desejo morrer tranqüilo, vendo iniciada aqui a grande, notável e benfazeja obra dos Salesianos”. Cerimônia de recepção a Dom Bosco no Santuário do Sagrado Coração de Jesus teve a participação da Banda de Música Padre Cícero.
Foto RF Araújo: Dom Busco em urna no Horto
Urna com Dom Bosco chegando à Colina do Horto no Juazeiro
Foto RF Araújo: Dom Bosco na Igreja de Bom  Jesus
Caminhão com urna de Dom Bosco na Igreja de Bom Jesus do Horto
Foto RF Araujo: Vigília no Sagrado Coração de Jesus
Dom Bosco em urna no Santuário do Sagrado Coração de Jesus

(31/01/2010)
ROMEIROS RECEBEM ÁRVORE DO CENTENÁRIO

Foto Demontier Tenório: Lgo da Árvore do Centenário
Projero Árvore do Centenário, iniciativa da Secretaria Municipal de Turismo e Romarias de Juazeiro do Norte e da Comissão Organizadora do Centenário de Juazeiro , começa a ser executado nesta Romaria das Candeias que quase dobra a população da cidade para 600 mil habitantes. É uma das romarias de maior participação do povo do Nordeste porque foi criada pelo Padre Cícero em homenagem à Nossa Senhora e para garantir uma Noite Iluminada no Juazeiro, hoje um dos maiores espetáculos de manifestação religiosa no Brasil. Neste ano, os peregrinos poderão se cadastrar e receber uma senha na Casa Paroquial da Basílica Nossa Senhora das Dores se habilitando a participar do projeto que pretende distribuir 1 milhão de mudas de juazeiro, árvore símbolo do Centenário da cidade. Na manhã desta terça-feira, dia 2 de fevereiro, todos pegarão as mudas de juazeiro nas imediações da Basílica. De acordo com o Secretário de Turismo e Romaias e Coordenador Executivo da Comissão do Centenário, José Carlos dos Santos, ficou acertado com a Igreja que as mudas serão bentas. Desta forma, na própria terça-feira ao meio-dia, os romeiros que receberem as mudas irão erguê-las no interior da Basílica no momento da tradicional celebração de despedida dos fiéis que vieram ao Juazeiro. Deverão ser distribuídas três mil mudas, nesse primeiro momento. O projeto é uma iniciativa da Prefeitura Municipal do Juazeiro em parceira com o Governo do Estado que possibilitou a criação de um viveiro, especialmente para essa promoção do Centenário de Juazeiro do Norte e também para recuperação do ecossistema da Colina do Horto onde se encontra a estátua do| Padre Cícero, segunda maior do Brasil, e hoje ícone do Ceará no mundo inteiro. Árvore do Centenário, o juazeiro é uma planta típica dos sertões nordestinos e como havia três frondosos pés no antigo Tabuleiro Grande, onde o Padre Cícero chegou em 1872 quando iniciou suas atividades como capelão, o povoado passou a se chamar Juazeiro. Da família das ramáceas, seu nome científico é Zizyphus joazeiro. De porte mediano, pode atingir até 15 metros de altura, esgalhado desde o solo, com ramos flexuosos e formando uma grande copa. Sempre verde, mesmo em tempo de seca, o juazeiro nunca perde as folhas e cresce até em terreno pedregoso e árido. Constitui importante alimento para o gado durante os períodos de longa estiagem. Seus frutos, pequenas drupas globosas, são comestíveis e bastante apreciados pelos animais. Além disso, o juazeiro tem sido utilizado popularmente também para produção de dentrifício porque rende uma pasta própria para escovar os dentes. Uma grande indústria nacional até já lançou um creme dental utilizando propriedades do juazeiro recomendas, especialmente, por sua dimensão de branqueamento dos dentes. Atualmente, em torno de Juazeiro do Norte, sobretudo na periferia norte, na saída para Caririaçu, é possível se observar a existência de muitos pés de juazeiro com seu verde permanente destacando-se na paisagem do belo Vale do Cariri.

(06/12/2009)
JUAZEIRO TERÁ MUSEU MONSENHOR MURILO

Foto Demontier Tenório: Monsenhor Murilo Barreto
Dentro das celebrações do Centenário de Juazeiro do Norte, o Governo Municipal vai prestar homenagem ao ex-pároco da Paróquia de Nossa Senhora das Dores com a instalação do Museu do Monsenhor Murilo. O anúncio foi feito pelo prefeito Manoel Santana na passagem dos quatro anos da morte do monsenhor Murilo de Sá Barreto, que se completaram nessa sexta-feira(04). Ele morreu no dia 4 de dezembro de 2005, em Fortaleza, após uma cirurgia, depois de complicações de sua saúde por hipertensão e diabetes.Segundo o prefeito, o museu ficará instalado no Rancho dos Romeiros que será construído para acolhimento dos romeiros pobres com quem o saudoso Vigário do Nordeste muito se identificava. De acordo com o projeto da Prefeitura do Juazeiro, o Rancho dos Romeiros, com capacidade para mil pessoas, fará parte do chamado Complexo do Centenário que reúne as obras estruturantes para marcar a passagem dos 100 anos de Juazeiro do Norte. Ele será construído em terreno ao lado do Fórum Eleitoral. Além disso, terá função multiuso, podendo, também, receber pessoas de outras cidades fora dos períodos de romarias como estudantes que se deslocam ao Juazeiro para participar de eventos festivos e culturais. Segundo o Secretário de Turismo e Romarias, José Carlos dos Santos, a Comissão Organizadora do Centenário aprovou a idéia do prefeito Manoel Santana de batizar o rancho com o nome do querido Vigário do Nordeste. Mais que isso, será dedicada atenção especial ao espaço dentro do rancho que vai preservar à memória do Monsenhor Murilo que foi, como o Padre Cícero, um grande amigo dos romeiros, incentivador das romarias e benfeitor do Juazeiro. Ainda conforme o secretário, no Museu de Monsenhor Murilo ficará exposto um grande painel fotográfico contando a sua vida, como vigário e educador, além de alguns de seus objetos pessoais. Para o prefeito Santana, será uma justa e merecida homenagem, que expressará toda a gratidão da cidade centenária ao seu saudoso vigário. Todos os projetos já foram elaborados e estão em poder da Comissão do Centenário. Padre Murilo de Sá Barreto foi por mais de 40 anos, ate 2005, o principal líder religioso de Juazeiro do Norte, verdadeiro sucessor do Padre Cícero. Sua morte foi uma perda irreparável para Juazeiro deixando uma lacuna ainda não preenchida. Além de sacerdote dedicado, defensor firme do Padre Cícero e das romarias, carinhosamente saudado pelos romeiros como Vigário do Nordeste, desenvolveu atividades de educador, comunicador, escritor, conferencista e animador cultural, participando intensamente do desenvolvimento geral da cidade.

(22/11/2009)
COMISSÃO APRESSA PROJETOS DO CENTENÁRIO

Foto Demontier Tenório: Comissãod o Centenário na Secretaria de Educação
Todos os projetos do Complexo do Centenário, com as obras estruturantes para marcar a data de emancipação política de Juazeiro do Norte, em 2011, já estão em mãos do secretário de Turismo e Romarias do Juazeiro, José Carlos dos Santos.Destacam-se, entre as obras previstas, a Praça do Centenário com o Marco Zero, Rancho Popular com o Memorial Monsenhor Murilo, Museu da Cidade, Relógio Remissivo, Portais de entrada de Juazeiro e os monumentos de identidade histórica. Segundo o secretário, a pressa agora é pela elaboração dos projetos desses equipamentos para aque possam ser negociada a inclusão de verbas no Orçamento Geral da União. Detalhamento dos projetos já foi apresentado aos membros da Comissão do Centenário pela arquiteta Gizele Menezes. O rancho popular, por exemplo, vai ter capacidade para receber até mil pessoas. Quanto aos portais serão erguidos na Avenida Padre Cícero(entrada pelo Crato), Avenida Leão Sampaio(entrada por Barbalha), Rodovia Padre Cícero(entrada por Caririaçu) e Avenida Virgílio Távora(entrada pelo Aeroporto Regional do Juazeiro). O Governo do Estado já se dispôs a construir dois portais, ficando os outros dois com a Prefeitura. Além disso, um monumento em alto relevo vai mostrar o Juazeiro primitivo.O ritmo nos trabalhos da Comissão do Centenário de Juazeiro do Norte cresce na medida os projetos selecioandos agora entram em fase de execução e acompanhamento, enquanto novas demandas vão surgindo. Por isso, as reuniões são cada vez mais constantes, como a que ocorreu esta semana com o secretário municipal de Educação, Ricardo Lima, e diretores de departamentos da Secretaria. Segundo o presidente da Comissão, Menezes Barbosa, o objetivo é envolver, cada vez mais, as várias secretarias do município no esforço para a festa do Centenário. “Saímos fortalecidos, pois encontramos muito material a ser trabalhado e vários projetos em andamento” disse Barbosa. Próximo ato na programação preparatória para o Centenário será o lançamento, em Juazeiro do Norte, do livro do jornalista e escritor Lira Neto: “Padre Cícero - Poder, Fé e Guerra no Sertão", editado pela Companhia das Letras. A noite de autógrafos está programada para o auditório do Memorial Padre Cícero.Outros atos recentes foram a aposição de uma placa em homenagem à Beata Maria de Araújo na agência dos Correios e o lançamento do projeto Árvore do Centenário na Colina do Horto. Já no último dia 3 de novembro o Curso de Biblioteconomia da UFC Cariri,no Juazeiro, recebeu o acervo de livros, jornais, revistas, cordéis e xilogravuras dos pesquisadores Renato Casimiro e Daniel Walker enriquecendo o Centro de Referência e Memória de Juazeiro do Norte a ser inaugurado em 2011,Ano do Centenário.

(08/11/2009)
JUAZEIRO CENTENÁRIO GANHA CENTRO DE MEMÓRIA

Fotos Demontier Tenório: Cerimônia na UFC-Cariri com pesquisadores Renato Casimiro e Daniel Walker

Como parte das comemorações do seu centenário, Juazeiro do Norte ganhará em 2011 um qualificado Centro de Referência e Memória, instalado no campus Cariri da Universidade Federal do Ceará, localizado no Juazeiro. Será vinculado ao Laboratório de Ciência da Informação do Curso de Biblioteconomia e constituído de acervo dos pesquisadores e professores universitários Renato Casimiro e Daniel Walker, também colunistas aqui do Juanorte. Os dois foram recebidos, festivamente, nessa semana, pela direção do campus da UFC onde fizeram entrega de parte do acervo que será incorporado ao Centro de Referência e Memória de Juazeiro do Norte. Preocupados com a preservação da história de Juazeiro, Casimiro e Daniel resolveram confiar à Universidade Federal do Ceará o resultado de 46 anos de coleta, pesquisas e arquivamento que formam um expressivo patrimônio histórico e cultural da cidade do Padre Cícero. Nesta priemeira etapa, foram entregues 549 livros, 219 periódicos técnicos diversos, 2.525 folhetos de cordel, 1.528 jornais e 2.226 xilogravuras. Faz parte do acervo colocado à disposição da Universidade, uma coleção do jornal “O Rebate” , dirigido por Alencar Peixoto e Floro Bartolomeu, que foi o principal instrumento de divulgação da luta pela emancipação políticade Juazeiro do Norte em 2011. Outros materiais serão entregues oportunamente. Como coordenador executivo da Comissão do Centenário do Juazeiro, o secretário de Turismo e Romarias, José Carlos dos Santos, participou da cerimônia e elogiou a atitude dos dois pesquisadores juazeirenses: “Foi um aro de desprendimento e bastante sensibilidade de Renato Casimiro e Daniel Walker”, afirmou. Como está projetado e será administrado, o Centro de Referência e Memória de Juazeiro do Norte se constituirá um espaço de disseminação da cultura e da história do Juazeiro voltando-se para o desenvolvimento sócio-cultural da cidade e do Cariri nos campos da ciência e da pesquisa”. Conforme ficou decidido em reunião de 21 de julho passado, em Juazeiro do Norte, com a presença do reitor da UFC, Jesualdo Farias, diretor do campus Cariri, Ricardo Ness, professora Fanka Santos, do Curso de Biblioteconomia, e os pesquisadores Renato Casimiro e Daniel Walker, o novo centro, a ser inaugurado em 2011 durante os festejos do centenário da cidade, será um complexo cultural de informação e documentação para acesso, formação e pesquisas sobre produções culturais, artísticas, históricas e arqueológicas do Juazeiro. Será, portanto, um centro acadêmico da maior importância para o desenvolvimento cultural de Juazeiro do Norte, graças a essa admirável iniciativa e contribuição dos professores e pesquisadores Renato Casimiro e Daniel Walker, dois intelectuais de Juazeiro que realmente amam a cidade a quem servem como verdadeiros e autênticos cidadãos, pensando no seu progresso e no seu futuro. E graças à acolhida da UFC que assim reconhece a importância de Juazeiro do Norte, hoje principal cidade do Cariri e do Nordeste central do Brasil, maior centro de religiosidade popular da América Latina, recebendo 2,5 milhões de visitantes ao ano, e também como metrópole regional de acelerado desenvolvimento cultural, maior centro universitário do interior do Ceará e um dos 73 mesopólos econômicos do Brasil, portão de entrada para um mercado de 46 milhões de brasileiros do Nordeste. Por isso, além da instalação desse Centro de Referência e Memória de Juazeiro do Norte, a UFC prevê diversas outras atividades tendo como foco o centenário da cidade do Padre Cícero. Vai organizar uma mostra de cinema sobre Juazeiro, montar exposição sobre arte e cultura de Juazeiro e da região caririense, realizar seminário sobre o futuro de Juazeiro no contexto regional e um encontro do Núcleo da Memória Histórica da Educação em Juazeiro e promover edição e reedição de livros sobre Juazeiro e seu povo. Mais: a aula inaugural do ano letivo de 2010 da UFC terá como foco o centenário do Juazeiro e a UFC deverá instalar, no ano do centenário em 2011, a Rádio Universitária do Juazeiro.

Parte do acervo sobre Juazeiro entregue à UFC Campus Cariri

(01/11/2009)
CIDADE GLORIOSA APRESENTADA EM BRASÍLIA

Fotos: Hermínio de Oliveira
Com a presença de mais de 500 pessoas, em animada noite do Primeiro Festival da Cultura e do Turismo no Ceará em Brasília, realizado pela Casa do Ceará na Capital da República, nesse fim-de-semana, foi lançado o romance “Juazeiro – CIDADE GLORIOSA”, do jornalista e escritor Jota Alcides, diretor deste Juanorte. Foi o segundo lançamento da obra, depois da estreia em Juazeiro do Norte, dia 24 de setembro, em noite cultural aos pés da estátua do Padre Cícero, que está completando 40 anos neste 1º de novembro. Convidado pela direção da Casa do Ceará em Brasília, o autor participou do Festival da Cultura e do Turismo do Ceará no DF, aberto pelo secretário de Turismo do Ceará, Bismark Maia, representando o Governador Cid Gomes. Durante entrevistas ao longo do evento, Jota Alcides elogiou a iniciativa do festival “como excelente e atraente oportunidade em plena capital da República para promoção e valorização da cultura cearense”. Lembrou que “Juazeiro – CIDADE GLORIOSA”, seu primeiro romance depois de dez livros publicados, todos ensaios, é a história real de uma comovente saga romeira que está completando 100 anos juntamente com a emancipação política de Juazeiro do Norte que está festejando seu centenário até 2011. Esclareceu porque Juazeiro é uma CIDADE GLORIOSA: “Porque, apesar de todas as adversidades, enfrentando em toda a sua existência histórica perseguições e hostilidades da Igreja Católica e dos Governos do Ceará até os dias atuais, Juazeiro nunca se curvou; pelo contrário, lutou sempre bravamente, inclusive enfrentando e vencendo uma guerra contra o Ceará, quando atacado por tropas do Governo cearense em 1914; porque, apesar de todas as dificuldades geradas pelos Governos do Ceará para impedir seu progresso, Juazeiro é desde há muito tempo a maior cidade do interior cearense, hoje Metrópole do Cariri e principal cidade do Nordeste central do Brasil; porque, graças ao Padre Cícero, seu fundador e líder inspirador, ícone do Nordeste brasileiro, tornou-se uma cidade famosa no mundo inteiro, conhecida hoje em mais de 150 países; E porque, como maior centro do catolicismo popular da América Latina, recebendo 2,5 milhões de visitantes ao ano, Juazeiro é o único centro de romarias do mundo que tem desenvolvimento econômico, social, político e cultural, de forma abrangente, sendo hoje uma das cidades mais desenvolvidas do interior do Nordeste brasileiro”.De acordo com o autor, tudo isso tem sido possível pela saga de milhões de nordestinos fora do Ceará, principalmente de Pernambuco e Alagoas, que se mantem firmemente devotos do Padre Cícero e absolutamente fiéis ao Juazeiro, como demonstra, claramente, a história real do seu romance agora lançado em homenagem ao Centenário de Juazeiro do Norte.Para o escritor, ao completar 100 anos de independência política, “Juazeiro é a glória do Padre Cícero por ser a concretização de sua profecia – “centro de convergência, de civilização e fé do Nordeste brasileiro” – com influência direta sobre mais de 2,5 milhões de habitantes do sul do Ceará e regiões dos Estados vizinhos, exercendo o papel de verdadeira capital do Cariri, agora de forma irreversível porque determinado não apenas pela capacidade de empreendedorismo do seu povo sempre ansioso de mais progresso, mas sobretudo pelas leis de mercado que lhe proporcionam atrair, cada vez mais, maiores investimentos nacionais e estrangeiros, confiantes na sua força econômica, no seu potencial de consumo e no seu desenvolvimento geral”.

Secretário Bismark Maia e presidene da Casa do Ceará, Fernando Mesquita

Jota Alcides com Bismark Maia

Com ministro do TCU, Ubiratan Aguiar

Com diretores do Diário do Nordeste e do Sistema Verdes Mares

(25/10/2009)
BRASILIA CONHECE “JUAZEIRO - CIDADE GLORIOSA”

Foto: Capa do livro de Jota Alcides
Personalidades e intelectuais de Brasília vão conhecer, nesta semana, “Juazeiro – CIDADE GLORIOSA”, primeiro romance do jornalista e escritor Jota Alcides, cujo lançamento será atração, dia 30, no 1º Festival de Cultura e Turismo na Casa do Ceará, na Capital da República. Décimo primeiro livro do diretor deste Juanorte, trata-se de uma comovente saga de uma família romeira iniciada em 1911 em Alagoas e que está, portanto, completando 100 anos, juntamente com o aniversário de emancipação política de Juazeiro do Norte, fundado pelo Padre Cícero, hoje com quase 300 mil habitantes, segunda maior e mais importante cidade do Ceará e principal do Nordeste central do Brasil. Este quarto romance, entre 300 livros que já existem na literatura brasileira sobre Juazeiro, teve seu primeiro lançamento no último dia 24 de setembro, na Colina do Horto, no Juazeiro, aos pés da Estátua do Padre Cícero, segunda maior do Brasil depois do Cristo Redentor, no Rio de Janeiro. Pela primeira vez, um livro foi lançado no pátio junto ao pedestal do monumento, que está comemorando 40 anos de existência agora no dia 1º de novembro. Entre as autoridades presentes ao evento, líderes políticos e empresariais, além de educadores, jornalistas e universitários, o ex-prefeito de Juazeiro, ex-secretário de Planejamento do Ceará e ex-deputado federal, Mauro Sampaio, que quem construiu e inaugurou a Estátua do Padre Cícero. De acordo com o autor, “o romance demonstra a admirável capacidade do Padre Cícero, com seu carisma e sua personalidade, de manter enormes legiões de brasileiros do Nordeste sob fidelidade absoluta aos ensinamentos e princípios cristãos, ao longo de século, mesmo sob influências de todas as transformações da sociedade. Os romeiros do Padre Cícero vão mudando de perfil econômico e cultural, ao longo do tempo, mas não mudam em absolutamente nada em sua devoção ao Patriarca do Juazeiro”. Jota Alcides lembra que quando Padre Cícero chegou e se instalou no Juazeiro, em 1872, o arraial tinha apenas 20 casas de palha e 12 casas de telha: “Juazeiro é hoje a Metrópole do Cariri e maior cidade do Nordeste central do Brasil, exatamente como profetizou o Padre Cícero em 1898, em Roma, onde foi recebido pelo papa Leão XIII e anunciou ali que Juazeiro seria um grande centro de civilização e fé”. Ao justificar o lançamento desse seu primeiro romance, ressalta Jota Alcides: “Padre Cícero é a glória de Juazeiro no mundo porque, além de ser conhecido em mais de 150 países, ele já tem cerca de 50 milhões de devotos brasileiros e Juazeiro é a glória do Padre Cícero porque está transformado no maior centro do catolicismo popular da América Latina, recebendo 2,5 milhões de visitantes ao ano”. Segundo ele, o romance é uma homenagem aos romeiros de todo o Nordeste e do Brasil que têm tido um papel muito importante no desenvolvimento do Juazeiro que é hoje, perto de completar seu primeiro centenário, além de principal centro urbano, social, econômico, político, cultural, universitário, artístico e desportivo do Nordeste central, é também o terceiro pólo calçadista do Brasil com mais de 200 indústrias oferecendo cerca de 30 mil empregos, o maior centro de comercialização de produtos de ouro folheado de todo o Norte e Nordeste e principal centro de artesanato do Brasil. O autor de “Juazeiro – CIDADE GLORIOSA” fez questão de destacar também o forte impulso que a cidade está tendo com a expansão da educação: com a presença de cinco Universidades e cerca de 50 Faculdades, Juazeiro do Norte está vivendo um expressivo salto de qualidade em seu desenvolvimento consolidando sua posição de liderança no interior cearense como verdadeira Capital do Cariri, que está atraindo, cada vez mais, grandes empreendimentos nacionais e estrangeiros. Este ano ganhou o Atacadão-Carrefour, o primeiro do interior do Nordeste, que está fazendo o maior sucesso. E agora em outubro, Juazeiro passou a ter a sua segunda estação de televisão, a TV Cariri, 122ª emissora afiliada da Rede Globo de Televisão e que vai atingir quase 2 milhões de consumidores da região sul do Ceará e dos Estados da Paraíba, Pernambuco e Piauí. Por ser completamente abandonado e discriminado pelos sucessivos Governos do Ceará, principalmente pelo atual, que só pensa nos seus impostos e nos seus votos, mas não lhe dá o devido retorno em investimentos, Jota Alcides avalia que “Juazeiro é uma cidade vitoriosa e gloriosa” por que conta com uma força extraordinária de empreendedorismo privado e o entusiasmo permanente do seu povo na trilha do progresso, legado memorável do seu fundador, Padre Cícero Romão Batista.

(04/10/2009)
CENTENÁRIO DO JUAZEIRO EM NOITE CULTURAL

Foto: Páginas do Correio Braziliense e do Diário de Pernambuco
Com o lançamento do livro “Juazeiro – CIDADE GLORIOSA”, prestigiado por lideres políticos e empresariais, além de historiadores, educadores e universitários, Juazeiro do Norte ganhou um novo espaço cultural: pátio da Estátua do Padre Cícero, na Colina do Horto, ponto mais alto da cidade. Por iniciativa do jornalista e escritor Jota Alcides, diretor deste Juanorte, para homenagear o Centenário do Juazeiro, pela primeira vez um livro foi lançado no local que, desde 1º de novembro de 1969, conta com a segunda maior estátua do Brasil. Evento foi destaque de páginas em dois dos principais jornais brasileiros:: Correio Braziliense, de Brasília("Aos pés do Padre Cícero") e Diário de Pernambuco("O que seria Juazeiro sem a fé em Padre Cíceero). Durante essa semana, Jota Alcides recebeu dezenas de mensagens de cumprimentos de personalidades, inclusive do governador de São Paulo, José Serra, pela lançamento do romance que relata comovente saga de uma família romeira do Nordeste. Veja imagens do evento, na noite de 24 de setembro, na Colina do Horto, diante do monumental Padre Cícero iluminado e com bela vista panorâmica de Juazeiro do Norte, principal cidade do Vale do Cariri.
Fotos RF Araújo: Lançamento do livro de Jota Alcides na Colina do Horto
Mesa de autoridades com ex-prefeito Mauro Sampaio, homenageado

Escritor Geová Sobreira apresentando obra de Jota Alcides

Administrador Salesiano do Horto, Padre José Venturelli

Jota Alcides discursa justificando seu romance sobre Juazeiro

Ex-prefeito Carlos Cruz e convidados no lançamento do livro

Jornalista Luiz Carlos, deputados Vasques Landim e Manoel Salviano

Antonio Tenório, personagem do romance "Cidade Gloriosa"

Professora Marileide Macedo com deputado federal Manoel Salviano

Escritores Daniel Walker e Raimundo Araujo com amigos

Juazeiro noturno visto parcialmente a partir da Colina do Horto

(27/09/2009)
JUAZEIRO ACLAMADO COMO CIDADE GLORIOSA

Foto RF Araújo: Estátua do Padre Cícero iluminada no lançamento de Cidade Gloriosa
Com a presença de lideres políticos, empresariais, intelectuais e universitários de Juazeiro do Norte, o jornalista e escritor Jota Alcides lançou "Juazeiro - CIDADE GLORIOSA" aos pés da Estátua do Padre Cíceo, em celebração aos 40 anos do monumento e ao Centenário de Juazeiro, que está sendo comemorado com intensa programação até 2011. É o décimo primeiro livro e o primeiro romance do escritor e o quarto romance entre quase 300 livros que fazem parte do acervo da literatura brasileira sobre Padre Cícero e Juazeiro. Entre as personalidades presentes ao evento cultural na Colina do Horto, ponto mais alto de Juazeiro do Norte, atual vice-prefeito municipal, Roberto Celestino, ex-prefeito e ex-deputado federal Mauro Sampaio, ex-prefeito e atual deputado federal Manoel Salviano, e ex-prefeito e ex-deputado estadual Carlos Cruz, secretário de Turismo e Romaria do Juazeiro, José Carlos Santos, presidente do Instituto Cultural do Vale Caririense, José Ferreira, e presidente da Comissão do Centenário, jornalista e escritor Menezes Barbosa. Quem apresentou a obra e o autor aos convidados foi o filósofo e escritor Geová Sobreira, também autor do prefácio de “Juazeiro – CIDADE GLORIOSA”. Ele ressaltou a importância do novo romance para a história literária de Juazeiro do Norte porque enfoca comovente saga romeira que comprova a fidelidade absoluta dos romeiros do Nordeste brasileiro ao Padre Cícero do Juazeiro.Confessou-se impressionado com a emoção contida nas páginas da história real de uma família que deixou Alagoas a partir de 1911 com destino ao Juazeiro atraída pelo Padre Cícero. Lembrou que Juazeiro é uma cidade construída pela vontade e pela determinação dos romeiros, inabaláveis diante de numerosas dificuldades e até perversidades naturais, circunstanciais e até oficiais. Em seguida,o autor da obra, Jota Alcides, discursou. Recorreu ao grande filósofo alemão, Frederic Nietzsche: “Conforme Nietzsche, todo grande homem tem uma força retroativa e toda vez que sua vida é colocada na balança da história, sempre surgem dos seus esconderijos mil segredos diante da luz do Sol” . Por isso, resolveu prestar, com o lançamento desse romance, homenagem a três grandes homens na história do Juazeiro. Em primeiro lugar, Padre Cícero, fundador e construtor do progressista Juazeiro.Lembrou que quando ele chegou ao Juazeiro em 1872, o arraial tinha apenas 20 casas de palha e 12 casas de telha com cerca de 100 habitantes. Com as iniciativas religiosas e civis do modesto capelão, o lugar começou a se transformar rapidamente e, quando aconteceu o chamado Milagre da Hóstia, em 1889, o povoado já contava com 500 habitantes e não parou mais de crescer. “Juazeiro é hoje o que nós estamos contemplando aqui de cima da Colina do Horto. Uma grande cidade oficialmente com 250 mil habitantes, mas extraoficialmente próxima de 300 mil, segunda maior e mais importante cidade do Ceará, Metrópole do Cariri e principal cidade do Nordeste central do Brasil, exatamente como na profecia do Padre Cícero feita em 1898, em Roma, onde foi recebido pelo papa Leão XIII. Ali ele disse que Juazeiro seria o grande centro de civilização e fé do Nordeste central do Brasil”, lembrou Jota Alcides. Quanto à obra, o autor justificou que Padre Cícero é a glória do Juazeiro no mundo, porque é conhecido em mais de 150 países, e que Juazeiro é a gloria do Padre Cícero pois está transformado no principal centro do catolicismo popular da América Latina, recebendo mais de 2,5 milhões de visitantes ao ano”. Em segundo lugar, o jornalista e escritor prestou homenagem ao ex-prefeito e ex-deputado federal Mauro Sampaio. Disse que o ex-prefeito tentou imitar Padre Cícero como gestor público realizando projetos de longo prazo para acompanhar a velocidade do progresso do Juazeiro. Destacou duas de suas obras: o estádio municipal Romeirão, construído para 50 anos, com capacidade para 24 mil pessoas em pé ou 10 mil sentadas, mas que já está superado devendo passar por reforma e ampliação por exigência da CBF, tendo em vista a presença do Juazeiro, através do Icasa, na Série B do Campeonato Brasileiro de 2010; e a Estátua do Padre Cícero, segunda maior do Brasil, que é hoje o principal ícone do Juazeiro e do Nordeste brasileiro no mundo. Para Jota Alcides, esta é uma obra que Mauro Sampaio deixou como marco de realização em arquitetura e engenharia para a história do Juazeiro e do Brasil, merecendo, por isso, a eterna gratidão do povo de Juazeiro do Norte. Finalmente, o autor homenageou a figura do romeiro tão importante para o desenvolvimento do Juazeiro. Ressaltou os principais momentos do romance de uma família alagoana vinda de Viçosa, em Alagoas, em 1926, para se fixar no Juazeiro sob orientação do Padre Cícero.Despertou a atenção do público no evento quando relatou que a família de Izídio Tenório de Souza veio em lombo de burros com cinco filhos pequenos transportados em caçuás. Mais ainda quando anunciou a presença de um deles no evento, Antonio Temório de Souza, hoje aos 88 anos, bastante aplaudido. “Ele é um homem simples, de pouco saber, mas muita sabedoria, e absolutamente fiel ao Padre Cícero”, concluiu. Depois, falou o presidente da Comissão do Centenário do Juazeiro, Menezes Barbosa, que, como o personagem do romance, também conheceu Padre Cícero. Contou, inclusive, uma história sobre um papagaio que ganhou de presente do sacerdote. Menezes Barbosa destacou o papel literário de Jota Alcides em favor do Juazeiro porque dos seus 11 livros, até agora lançados, cinco se referem à Cidade do Padre Cícero sob abordagens de comunicação, história, filosofia e até cultura esportiva. Sublinhou a alegria da Comissão em ter o romance “Juazeiro – CIDADE GLORIOSA” inserido na programação do centenário da cidade. Falou também o Administrador Salesano do Horto, padre José Venturelli, confessando-se feliz pela iniciativa do autor em fazer o primeiro lançamento de livro aos pés da Estátua do Padre Cícero, abrindo possibilidades para que o local seja, gradativamente, transformado em importante centro cultural de Juazeiro do Norte. Durante todo o evento coordenado pelo executivo logístico FL Sousa e conduzido pelo cerimonialista Aguinaldo Carlos, o público foi brindado com música regional sertaneja da melhor qualidade executada por excelente grupo juazeirense e delicioso coquetel acompanhado da famosa cajuína do Juazeiro, o melhor refrigerante de caju do Brasil, complementando a noite iluminada, refrescante e agradável na Colina do Horto com direito à vista de bela e grandiosa panorâmica da maior cidade do Vale do Cariri e do Nordeste central do Brasil.
Foto RF Araújo: Mesa de autoridades no lançamento de Cidade Gloriosa

(13/09/2009)
FESTA DA PADROEIRA DO JUAZEIRO CENTENÁRIO

Foto:Exposição na Basílica do Juazeiro
Cerca de 400 mil pessoas de todo o Nordeste participam até esta terça-feria(15) da Festa de Nossa Senhora das Dores, padroeira de Juazeiro do Norte, principal cidade do Vale do Cariri, ao sul do Ceará, Capital da Nação Romeira. Expectativa do secretário de Turismo e Romarias de Juazeiro, José Carlos Santos, empolgado com a presença de tantos fiéis de vários Estados do Brasil, foi anunciada na quinta-feira(10) ao abrir a Exposição “A Capelinha que virou Basílica”, uma atração especial para os romeiros como parte da programação do Centenário do Juazeiro, que já está sendo comemorado e vai até 22 de julho de 2011. De acordo com o Secretário, todas as secretarias do Governo Municipal estão envolvidas e trabalhando para garantir o melhor acolhimento possível aos peregrinos que chegam à terra de Padre Cícero, vindos de todo o Nordeste, principalmente Pernambuco e Alagoas. Depois de abrir, oficialmente, a exposição, que se estenderá até o mês de fevereiro do próximo ano, na Capela de Adoração ao Santíssimo Sacramento, na Basílica de Nossa Senhora das Dores, José Carlos dos Santos convidou a todos juazeirenses para conhecer a amostra que reúne, inclusive, fotos da época do Padre Cícero. Ele fez elogios aos professores Daniel Walker e Renato Casimiro, que integram a Comissão do Centenário, pelo zelo em torno da memória iconográfica do Juazeiro.O Secretário garantiu que essa exposição é a primeira de uma série dentro do projeto “Juazeiro a Caminho do Centenário”. A curadoria decidiu ainda inserir fotos de romeiros em suas orações no interior da Basílica. José Carlos dos Santos falou, também, sobre a instituição do “Troféu Mãe das Dores” para premiar os veículos mais bem decorados na Procissão dos Carros que acontece na tarde desta segunda-feira(14). Conforme anunciou, a premiação será para os três primeiros colocados e envolverá categorias distintas como ônibus, caminhões e carros pequenos. Com o título de “A Capelinha que virou Basílica” , a exposição apresenta fotografias e textos que mostram as mudanças arquitetônicas e a evolução da Igreja Matriz de Nossa Senhora das Dores, marco zero de Juazeiro do Norte. As fotos começam por telas imaginárias que remontam à Vila do Joaseiro em 1827 com destaque para a capelinha ao lado de frondosos pés de juazeiro. Seguindo essa trilha, passa pela Igreja Matriz, Santuário e, atualmente, Basílica Menor de Nossa Senhora das Dores. Os curadores da exposição são os professores e memorialistas Daniel Walker e Renato Casimiro responsáveis, também, pelos textos das fotografias. Trata-se de uma iniciativa da administração Manoel Santana, através da Secretaria de Turismo e Romarias e da Fundação Memorial Padre Cícero. A amostra traz ainda a marca do Centenário de Juazeiro e, de acordo com o Secretário José Carlos dos Santos, outras exposições serão realizadas, como “Da bodega ao Shopping” e “Da casa de taipa aos Condomínios”. No caso dessa exposição iconográfica da Basílica do jauzeiro, muitas fotos mostrm eventos importantes ali realizados como grandes concentrações romeiras, coroações, liturgias históricas e o próprio velório do monsenhor Murilo de Sá Barreto, saudoso Vigário do Nordeste.

(06/09/2009)
CENTENÁRIO DE JUAZEIRO MOBILIZA DUAS CAPITAIS

Foto: Comissão do Centenário na UFC-Fortaleza

Festejos do Centenário de Juazeiro do Norte, que vão até 22 de julho de 2011, quando haverá histórica celebração, já estão mobilizando duas capitais do Nordeste. Em Fortaleza, nessa semana, o reitor da Universidade Federal do Ceará, Jesualdo Farias, juntamente com diretores de departamentos, do staff administrativo e professores, recebeu a Comissão Organizadora do Centenário de Juazeiro. Como juazeirense, manifestou seu amor à Terra do Padre Cícero e colocou a UFC à disposição para ajudar no esforço visando garantir maior brilho às comemorações. Ressaltou que o Centenário deve ser uma oportunidade para projetar, através de políticas públicas, os rumos do Juazeiro. Sugeriu para 2011 uma programação, durante o ano todo, no Museu da UFC, em homenagem ao Juazeiro. Garantiu que fará todo o possível para contribuir nas discussões e no apoio à festa. Presente à reunião, o prefeito de Juazeiro, Manoel Santana, agradeceu a disponibilidade da reitoria da Universidade, lembrando tratar-se “de um momento único e de grande importância na vida da cidade, que começou com um levantamento histórico das datas magnas que permeiam o Centenário do Juazeiro”. Citou, como exemplo, os 100 anos da Imprensa do Juazeiro, gerados a partir da primeira edição do jornal “O Rebate”, que circulou, pela primeira vez, em 18 de julho de 1909. Membro da comissão, o professor Renato Casimiro apresentou, por meio de um telão, o esboço de um programa após a cronologia sobre o processo de emancipação política do Juazeiro. Ele pediu o apoio dos Departamentos de Arquitetura da UFC na definição de um projeto para a nova estação de passageiros do Aeroporto de Juazeiro, o mais movimentado do interior do Nordeste, de Ciências Agrárias, em relação ao projeto Arvore do Centenário com o plantio de mudas de juazeiro; e de História quanto á implantação do Museu da Cidade do Juazeiro. Ao reitor, diretores e professores da UFC, a comissão apresentou alguns projetos: Praça do Centenário com marco zero; Monumento do Centenário; implantação do relógio remissivo com marcha regressiva para o Centenário; construção do portal da cidade; e mapeamento da Nação Romeira.Em seguida houve debates e os professores da UFC apresentaram algumas sugestões: Régis Lopes, do Departamento de História, indicou a tradução do livro “Trail of Miracles”(A Trilha dos Milagres), da professora Candace Slater, da Universidade da Califórnia(Berkeley); Pedro Eymar, do Departamento de Arquitetura e do Museu de Artes da UFC, sugeriu a reimpressão de cordéis e importantes álbuns de xilogravuras; Olga Paiva, ex-diretor do Iphan(Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional), apresentou a idéia de congregar os artistas plásticos do Ceará em torno do tema Juazeiro; Oswaldo Barroso, da Universidade Estadual do Ceará, depois de afirmar que Juazeiro é um patrimônio do Nordeste e do Brasil, numa dimensão que extrapola limitações locais – “Não é um município qualquer” – sugeriu a implantação de marcos nas “cidades irmãs” do Juazeiro a partir de mapeamento da Nação Romeira; Ricardo Ness, diretor do Campus Cariri no Juazeiro, defendeu a idéia de promoção de um seminário “pensando Juazeiro para os próximos 100 anos”; e a jornalista Ivonete Maia, ouvidora da UFC e presidente da Associação Cearense de Imprensa, sugeriu que o papel da imprensa na construção da história e da emancipação do Juazeiro seeja tema de aula inaugural para os futuros alunos do Campus Cariri. Em outra reunião importante, em Fortaleza, cerca de 50 filhos e amigos de Juazeiro do Norte, ouviram da Comissão do Centenário uma explanação sobre os projetos em discussão e os já aprovados na programação comemorativa aos 100 anos da cidade. Encontro foi no Hotel Sonata, promovido pela Afaj-Associação dos Filhos e Afilhados de Juazeiro, liderada pelo seu presidente Odival Limeira Lima. Uma das sugestões apresentadas foi de Francisco Néri Filho pedindo a implantação de um teleférico ligando a Basílica de Nossa Senhora das Dores à Colina do Horto. Outra foi de Odílio Figueiredo Filho para que sejam demarcadas as valas construídas em 1914 para o movimento sedicioso que culminou com a deposição do Governo Franco Rabelo. Fausto Guimarães recomendou entendimentos com a ECT-Correios para lançamento de um selo comemorativo aos 100 anos do Juazeiro. Foi registrada também a idéia para cunhagem de uma moeda do Centenário do Juazeiro pela Casa da Moeda do Brasil. Para José Nildo Couto Bem, o prefeito deve promover uma limpeza geral da cidade ponto fim na poluição visual. Francisco Carlos Pontes indicou a promoção de uma fórum de literatura e Carlos Alberto Marque sugeriu a urbanização da ladeira do Horto por ser importante atração turística da cidade. Wilton Bezerra apelou para a edição de um livro com resgate da memória do futebol do Juazeiro que hoje tem o Icasa um dos 40 principais clubes de futebol do Brasil. Presidente da Afaj, Odival Limeira Lima defendeu o reflorestamento e a construção de um mirante monumental na Colina do Horto, além da implantação de um centro de referência cultural e a despoluição do rio Salgadinho. Além dessas duas reuniões na UFC e na Afaj, em Fortaleza, outro evento importante dessa semana, em relação ao Centenário do Juazeiro aconteceu em Maceió, Alagoas. Por sugestão da vereadora e ex-senadora Heloisa Helena, a Câmara Municipal de Maceió realizou na Faculdade Integrada Tiradentes sessão solene em homenagem ao Padre Cícero lembrando os 120 anos do “Milagre da Hóstia”. Compondo a decoração da mesa oficial, um enorme banner com a imagem de Nossa Senhora das Dores e alusão à festa da Padroeira que acontece neste mês no Juazeiro e a bandeira do município. Em seu discurso, a vereadora Heloísa Helena citou ser algo de muita complexidade filosófica, antropológica e teológica falar sobre essa tema desde os primeiros momentos. “Diziam até que Jesus Cristo não iria deixar de operar milagres na Europa para fazê-los na pobre Juazeiro”, falou salientando o seu respeito a todas as religiões. Ela definiu a sessão como uma forma de homenagear o Padre Cícero e esses romeiros tão especiais.Em seguida, o padre Manoel Henrique, pároco de São Pedro do Bairro Ponta Verde, proferiu palestra. Ele tomou por base o seu trabalho de mestrado apresentado na Unicap (Universidade Católica do Pernambuco) denominado “Do anátema ao acolhimento pastoral; da condenação e exclusão eclesial do Padre Cícero à sua reabilitação histórica”. O sacerdote disse ter participado do III Simpósio Internacional sobre o Padre Cícero no Juazeiro. Para ele, a transformação da hóstia em sangue são tatos consumados e não houve embuste. “Pode até não ser sangue de Cristo, mas um fenômeno”, acrescentou. Em seguida, reparou que o milagre trouxe muitos problemas para o Padre Cícero a exemplo do seu ingresso na política. “Eu como sacerdote teria feito a mesma coisa, pois se não podia exercer o sacerdócio tomaria o caminho da política para poder ajudar as pessoas”, confessou salientando que o “Padim” jamais deixou de ser um grande pastor e conselheiro. Padre Manoel Henrique observou ainda que se o religioso juazeirense fosse dominado pelo espírito messiânico, teria fundado outra Igreja. Ele finalizou sua palestra criticando os bispos anteriores da Diocese do Crato para quem nunca valorizaram os romeiros. “Foi preciso vir um bispo de fora, de origem italiana, para mudar essa história”, assinalou. Falaram ainda a psicóloga Maria do Carmo Ferreira, presidente da Fundação Memorial Padre Cícero, o padre Jean Carlos Perini, da Congregação Salesiana no Juazeiro, o vereador juazeirenseTarso Magno e, finalmente, José Carlos dos Santos, Secretário de Turismo e Romarias, representando o prefeito Manoel Santana. Segundo o Secretário, Padre Cícero não é só uma figura do Juazeiro, mas uma referência para o país inteiro. Expressou a gratidão dos juazeirenses pelas homenagens da Câmara Municipal de Maceió aos romeiros e ao “Padim”. A comitiva juazeirense esteve composta ainda pelos vereadores Adauto Araújo, Roberto Sampaio, Sargento Firmino e Mara Torres. Presidente da sessão, Fátima Santiago, que é vice-presidenta da Câmara de Maceió, se sentiu tão empolgada com a homenagem ao Padre Cíceero que anunciou sua visita ao Juazeiro do Norte no próximo dia 25 de setembro. “Vou ver e sentir de perto a fé arraigada nessa gente que ninguém consegue quebrar”, confessou. Alagoas é um dos Estados do Nordeste que com mais presença de romeiros entre os 2,5 milhões que, anualmente, visitam Juazeiro do Norte. Foto: Reunião da Afaj-Fortaleza
Reunião de Filhos e Amigos do Juazeiro em Fortaleza
Foto: Sessão na Câmara Municipal de Maceió
Homenagem ao Juazeiro na Câmara Municipal de Maceió

(19/07/2009)
MAIS DE 80 MIL NA ABERTURA DO CENTENÁRIO

Foto: Multidão na aberrtua do Centenário do Juazeiro
Cerca de 80 mil pessoas, segundo cálculos oficiais, lotaram a Praça dos Romeiros em frente à Basílica Menor de Nossa Senhora das Dores, em Juazeiro do Norte, durante missa e show com o padre Reginaldo Manzotti e conceerto da Orquestra Sinfônica do Ceará.. Os atos marcaram, nesse sábado(18), a abertura da festa pelos 100 anos de emancipação política do Juazeiro, a partir do Centenário da Imprensa. Completaram-se, nessa data, 100 anos do jornal “O Rebate” que circulou pela primeira vez em 18 de julho de 1909 com o objetivo de lutar pela Independência do Juazeiro.“Para mim é um privilégio e me sinto lisonjeado em poder participar desse momento histórico na abertura da festa pelos cem anos dessa cidade marcada pela fé”, disse o padre Reginaldo. Tanto na entrevista coletiva à Imprensa, quanto na sua homilia, o sacerdote fez quaestão de ressaltar as qualidades do Padre Cícero Romão Batista, fundador do Juazeiro. Lembrou ser a segunda vez que pisa o solo juazeirense e que na primeira viveu uma experiência como romeiro passando dois dias viajando pelas estradas.“Muitos aprenderam com o Padre Cícero desde criança os valores da fé, principalmente o amor por Deus”, declarou anunciando o desejo de criar laços maiores com Juazeiro. Muito aplaudido em seu show musical, o padre Reginaldo Manzotti é conhecido no País inteiro porque apresenta o programa “Experiência de Deus”, retransmitido para 400 emissoras de rádio em todo Brasil e mais 15 países. São 14 anos de sacerdócio, cinco CDs gravados e 100 mil ouvintes em média. Antes da missa e do show dele, houve a apresentação da Orquestra Sinfônica do Ceará. O sábado começou com uma alvorada festiva e a abertura oficial das comemorações aos 100 anos de Juazeiro do Norte pelo prefeito Manoel Santana através de uma cadeia de emissoras de rádio e TV. Já no período da tarde, o auditório do Centro Cultural BNB-Juazeiro recebeu bom público para a solenidade que marcou o Centenário da Imprensa de Juazeiro. Quem fez a primeira conferência foi da professora da Universidade Estadual do Rio de Janeiro, Luitigarde Oliveira Cavalcanti Barros, que falou sobre a importância do jornal “O Rebate” na emancipação política de Juazeiro do Norte. Segundo disse, o Padre Cícero confiava muito na capacidade de leitura dos juazeirenses. Na época, um vilarejo com 2.200 casebres, sendo a maioria de palha e 17 escolas com 15 delas formando a rede particular de ensino.“Ele tinha vivo interesse e apoiava“O Rebate” enxergando no jornal um instrumento para a construção de uma opinião pública emancipatória”, falou Luitigarde. Ela discorreu sobre as origens de cada um dos responsáveis pelo jornal pioneiro na imprensa juazeirense no caso o padre Alencar Peixoto, o professor José Marrocos e o médico Floro Bartolomeu da Costa. Logo depois, houve uma Mesa Redonda sobre “O Papel da Imprensa no Desenvolvimento do Cariri”.De acordo com a programação, os debatedores foram os professores Menezes Barbosa - presidente da Comissão Organizadora do Centenário - e Luitigarde Oliveira. Coube ao mediador Renato Casimiro fazer um retrospecto sobre a Imprensa de Juazeiro. Ele antecipou detalhes relacionados com a exposição aberta sábado e que continua recebendo os visitantes no quarto andar do CCBNB-Juazeiro, na rua São Pedro, no centro da cidade, onde poderão conhecer amostras dos 328 jornais editados em Juazeiro ao longo dos últimos 100 anos. O prefeito Manoel Santana entregou kits contendo cartão postal, biografia de Padre Cícero, folder sobre o município e outros souvenirs aos professores Renato Casimiro e Luitigarde Oliveira e ao Gerente Geral do BNB, Amaury Viana. Em seu discurso, considerou o jornal “O Rebate” como um verdadeiro marco e a expressão de força na independência de Juazeiro. “Foi o defensor das nossas reivindicações e do sonho de liberdade”, disse Santana. Ressaltou que em todo grande movimento popular e toda grande transformação social há sempre um jornal presente, como foi “O Rebate” na história do Juazeiro. Ele sancionou a Lei de criação do Dia da Imprensa do Juazeiro, que passa a ser comemorado a cada 18 de julho. Toda a festa foi coordenada pelo Secretário de Turismo e Romarias, José Carlos dos Santos, que ficou empolgado com o sucesso dos eventos. Um deles foi a abertura da exposição com a distribuição da edição reimpressa do primeiro número do jornal “O Rebate”, datado de 18 de julho de 1909. O secretário lembrou que os 100 anos de Juazeiro transcorrerão no dia 22 de julho de 2011, mas até lá acontecerão muitos eventos sob a responsabilidade da Comissão Organizadora do Centenário.

(19/07/2009)
FESTA DA INDEPENDÊNCIA DO JUAZEIRO

Foto: Quadro do Dia da Independência do Juazeiro
Um vibrante concerto da Orquestra Filarmônica do Ceará, seguido de missa do padre Reginaldo Manzotti e um show pirotécnico na grande Praça dos Romeiros, em frente á Basílica de Nossa Senhora das Dores, além de um ciclo de debates e de uma exposição dos 328 jornais juazeirenses editados nos últimos 100 anos, marcaram, nesse sábado(18), o início dos festejos do Centenário de Juazeiro do Norte, segunda maior e mais importante cidade do Ceará e principal do Nordeste central do Brasil. Em verdade, o Dia da Independência do Juazeiro será celebrado nesta quarta-feira 22 de julho, mas a abertura do centenário de sua emancipação política em 2011 foi antecipada tendo em vista a comemoração dos 100 anos do primeiro jornal juazeirense, “O Rebate”, editado a partir de 18 de julho de 1909 e que foi o principal instrumento de divulgação, promoção e persuasão da autonomia da cidade do Padre Cícero. Por isso, por lei municipal sancionada pelo prefeito Manoel Santana, essa data histórica é agora o Dia da Imprensa do Juazeiro. Foi graças ao espírito de luta desse jornal que, contagiou o povo e suas principais lideranças, inclusive o Padre Cícero, que Juazeiro conseguiu sua Independência. Juazeiro tinha, então, em 1909, cerca de 18 mil habitantes. Mesmo já sendo o maior centro populacional do Cariri, permanecia como povoado do município do Crato e, nesse condição, começou a ensaiar os passos para sua emancipação. Para isso, inspirou-se em três grandes movimentos revolucionários brasileiros: Conjuração Mineira de 1789, Revolução Pernambucana de 1817 e Confederação do Equador de 1824. Esses três movimentos tiveram como causa básica o descontentamento generalizado pela forma rigorosa, agressiva e abusiva com que Portugal explorava a riqueza brasileira e cobrava impostos. Assim, os dois primeiros lutaram pela Independência do Brasil, alcançada em 1822, e o terceiro pugnou, com ameaça de separação territorial, pela consolidação da autonomia nacional já que o despotismo da administração colonial manteve-se mesmo após o Grito do Ipiranga. Algo semelhante aconteceu no Juazeiro do Padre Cícero menos de um século depois, começando em 1907. Diante do despotismo do Crato, então já menor do que Juazeiro, mas agressivo e abusivo na exploração do Juazeiro, o povo juazeirense resolveu iniciar sua marcha de caráter autonomista. Foi nesse clima de disposição para uma reação que chegou ao Juazeiro o padre Alencar Peixoto, vindo do Crato. Grande orador e vigoroso polemista, logo incorporou os sentimentos e anseios do povo do Juazeiro decidido a dar um basta nos abusos e não pagar mais impostos para sustentar o Crato. Com sua liderança e seu espírito audacioso, Alencar Peixoto, apoiado por Floro Bartolomeu, que tinha grande prestígio político, por José Ferreira de Menezes, líder comunitário, e pelo professor José Marrocos, fundou o jornal “O Rebate”, cuja primeira edição saiu em 18 de julho de 1909 fazendo eco às aspirações do Juazeiro. Mais do que isso, tornou-se uma trincheira do Juazeiro em resposta aos ataques e às grosserias do povo do Crato. É dessa época o agora tão comentado espírito de porco do Crato, criado e alimentado pelo Bispado do Ceará e que permanece até hoje cometendo suas aleivosias e vilanias contra o Juazeiro. Quem primeiro encarnou esse espírito de porco, de forma aberta e veemente, porque ele sempre age veladamente, foi o padre Tabosa Braga que, em 26 de agosto de 1909, em sermão de vitupérios na igreja do Crato, ao lado do bispo auxiliar do Ceará, dom Manoel Lopes, vindo de Fortaleza, fez graves e humilhantes ofensas ao povo do Juazeiro. Já nessa época, como maior centro econômico do Cariri, Juazeiro tinha todos os seus impostos recolhidos à Prefeitura do Crato e não recebia nenhum benefício em troca. Ou seja, o Crato explorava a riqueza do Juazeiro para se manter e crescer e tudo fazia para manter Juazeiro dependente e impedir seu crescimento. Diante disso, divulgado e fortalecido pelo jornal de Alencar Peixoto, o movimento autonomista juazeirense evoluiu rapidamente, envolvendo toda a população, até que no dia 07 de setembro de 1910 o povo do Juazeiro deu o seu Grito de Independência. Pelos relatos históricos, exatamente na tarde daquele feriado nacional, 88 anos da Independência do Brasil, houve uma reunião na casa do Padre Cícero com a presença de Alencar Peixoto, Floro Bartolomeu, Cicinato Silva, Paulo Maia, José André e outros líderes da comunidade juazeirense. Decisão final: a partir daquele momento não haveria mais nenhuma ligação entre Juazeiro e Crato, Juazeiro estaria separado do Crato e Juazeiro não pagaria mais nenhum imposto ao Crato. Encerrada a reunião na casa do Padre Cícero, os autonomistas saíram em direção à principal praça da cidade, perto da igreja de Nossa Senhora das Dores, onde já eram aguardados por uma multidão. Paulo Maia conduzia uma bandeira onde se lia “Viva a Nossa Independência” Quando chegaram à praça, Alencar Peixoto fez um discurso inflamado que terminou com “Viva a Independência do Juazeiro”, acompanhado pela multidão em grande vibração. Houve foguetório e muita comemoração. Em 22 de julho do ano seguinte, 1911, decreto aprovado pela Assembléia Legislativa do Ceará tornou, oficialmente, Juazeiro cidade independente e dona do seu destino histórico. Nomeado pelo governador Nogueira Acioli, Padre Cícero assumiu como primeiro prefeito em 4 de outubro de 1911 sob contentamento e entusiasmo do povo. Desde então, Juazeiro do Norte vive em permanente marcha de progresso. Sentindo-se também derrotada, a Igreja Católica no Ceará, sempre a mesma Igreja, em atitude de vingança, cuidou de fazer uma reparação ao Crato criando e instalando lá em 1914 uma diocese que até hoje é sustentada pelo cofres das paróquias do Juazeiro. Mas nisso também Juazeiro já se acorda para autonomia porque mais de 96% de sua população, segundo pesquisa real de 2008, baseada em metodologia de estudo de opinião pública, já exigem ao Vaticano a criação de sua própria Diocese, conforme o sonho do Padre Cícero e pedido dele feito em Roma, ainda em 1898, diretamente ao papa Leão XIII. Apesar de todas as adversidades, sobretudo das perseguições dos Governos e da Igreja no Ceará, assim vai e assim segue sua marcha o Juazeiro, determinado e autoconfiante, desfraldando a bandeira do Progresso, hoje com quase 300 mil habitantes, líder absoluta do Cariri em todos os setores e segmentos, detendo 50% da riqueza econômica regional de 22 municípios da região de 1 milhão de habitantes, maior cidade do Ceará, depois da capital, Metrópole do Cariri e principal do Nordeste central do Brasil. Por tudo isso, está festejando intensamente, a partir deste julho de 2009 e até 2011, seu o seu primeiro glorioso centenário.

(12/07/2009)
COMEÇA FESTA DO CENTENÁRIO DO JUAZEIRO

Foro: Orquestra Filarmônica do Ceará
Festejos do Centenário de Juazeiro do Norte, maior e mais importante cidade do interior do Ceará, com quase 300 mil habitantes, e principal do Nordeste central do Brasil, começarão neste 18 de julho, com a celebração dos 100 anos da imprensa na cidade, e vão até 22 de julho de 2011, pois a Independência do Juazeiro foi decretada pela Assembléia Legislativa do Ceará em 22 de julho de 1911. Até isso acontecer, houve muita articulação política liderada pelo Padre Cícero e intensa mobilização popular estimulada pelo jornal “O Rebate”, dirigido pelo padre Alencar Peixoto, marcando pioneirismo na imprensa do Juazeiro. Papel desse jornal foi tão importante que acabou inspirando e agitando o povo para o Grito da Independência em 07 de setembro de 2010. Por isso, o centenário do Juazeiro será aberto com o centenário de sua imprensa, que será lembrado neste 18 de julho. Depois de alvorada festiva, diversos eventos ao longo do dia marcarão o centenário do surgimento do jornal “O Rebate”, que foi um dos principais agentes de mobilização popular para a conquista da Independência do Juazeiro. Para a celebração, foi recuperado exemplar da primeira edição do jornal, existente no Museu Histórico do Rio de |Janeiro, e cerca de cinco mil exemplares reimpressos serão distribuidos entre autoridades, personalidades, professores e pesquisadores da história do Juazeiro. De acordo com o Secretário de Turismo e Romarias, José Carlos dos Santos, que é também coordenador executivo da Comissão do Centenário do Juazeiro, entre os eventos do dia 18 de julho destacam-se, às 20 horas, na Praça dos Romeiros, em frente à Basílica de Nossa Senhora das Dores, missa seguida de show pelo padre Reginaldo Manzotti, concerto da Orquestra Filarmônica do Ceará, e sanção de lei municipal pelo prefeito Manoel Santana fixando a data como o Dia da Imprensa do Juazeiro. Antes, no mesmo dia, a partir das 15 horas, serão proferidas palestras no auditório do Centro Cultural do BNB/Juazeiro, na Rua São Pedro 337, centro da cidade. Primeiro, a professora da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), Luitigarde Oliveira Cavalcanti Barros, abordará o tema “O Rebate e a Emancipação Política de Juazeiro do Norte”. Logo depois haverá uma Mesa Redonda sobre “O Papel da Imprensa no Desenvolvimento do Cariri”.Serão debatedores a jornalista Ivonete Maia, presidente da ACI (Associação Cearense de Imprensa), o escritor Menezes Barbosa, presidente da Comissão do Centenário do Juazeiro; e o jornalista e escritor Lira Neto. Em seguida, caberá ao professor e memorialista Renato Casimiro expor sobre “O Centenário da Imprensa de Juazeiro do Norte”. Ao final, será aberta uma exposição contendo os primeiros números dos 328 jornais editados no Juazeiro ao longo de 100 anos, até os dias atuais, destacando-se o pioneiro “O Rebate”(1909-1911). Essa retrospectiva da imprensa juazeirense no seu primeiro centenário ficará exposta ao público no CCBNB-Juazeiro até dia 18 de agosto. Estarão apresentadas as primeiras páginas de quase todos os primeiros números dos diversos títulos, entre o pioneiro O Rebate (1909 - 1911). Exposição ressalta a pluralidade dos interesses refletida na existência destes veículos e a sua contribuição para o desenvolvimento de Juazeiro e da região do Cariri. No caso do Juazeiro, o primeiro jornal teve papel decisivo em sua historia. Desde 18 de agosto de 1907, o movimento pela Independência do Juazeiro começou a ganhar força com reunião de importantes líderes da comunidade tratando de tornar o então distrito autônomo, como cidade, independente do município do Crato. Entre esses líderes, estava o padre Alencar Peixoto que, percebendo o crescimento do anseio do povo do Juazeiro, resolveu fundar o jornal “O Rebate” cuja primeira edição circulou em 18 de julho de 1909. Além do próprio, escrevia no jornal Floro Bartolomeu e José Ferreira de Menezes, todos amigos do Padre Cícero, defendendo a imediata separação de Juazeiro em relação ao Crato. Juazeiro, com mais de 15 mil habtiantes, já maior do que o Crato e sustentando o Crato, sem receber nada em troca, a não ser atitudes violentas, não queria mais pagar impostos ao Crato. Clima de revolta foi aumentando e no dia 10 de setembro de 1910, os três do jornal “O Rebate”, Alencar Peixoto, Floro Bartolomeu e Ferreira de Menezes, com outros líderes da comunidade, estiveram reunidos na casa do Padre Cícero e firmaram um pacto pela Independência. Foi nesse dia que Padre Cícero pronunciou uma frase que ficou cèlebre: “Sou filho do Crato, mas Juazeiro é meu filho”.Ficou decidido que, a partir daquele dia, Juazeiro não pagaria mais impostos ao Crato e não suportaria mais, sem reação, a violência de tropas do Crato. Depois da reunião, eles deixaram a residência do Padre Cícero e foram até a praça principal do povoado, onde, acompanhados de grande multidão, gritaram “Viva a nossa Independência”. Padre Alencar Peixoto fez discurso inflamado anunciando a autonomia do Juazeiro sob os aplausos da multidão em grande vibração.Fato consumado, seguiram-se os procedimentos que se estenderam até 22 de julho de 1911 quando, finalmente, foi decretada, oficialmente, pela Assembléia do Ceará, a Independência o Juazeiro. Passados 100 anos dessa emancipação, Juazeiro do Norte é hoje a principal cidade do Nordeste central do Brasil e um dos mais dinâmicos e progressistas centros urbanos do País.

(28/06/2009)
MAÇONARIA NO CENTENÁRIO DO JUAZEIRO

Foto: Reunião de Maçons do Juazeiro  e Comissão do Centenário
Como representantes de todas as lojas do Grande Oriente do Brasil, os 40 maçons da Loja Maçônica Cavalheiros Spartanos, de Juazeiro do Norte, estão elaborando sugestões e propostas para serem apresentadas à Comissão do Centenário do Juazeiro, cujos festejos se iniciam agora no dia 22 de julho de 2009 e vão até 22 de julho de 2011, data da independência política da Cidade do Padre Cícero, hoje com quase 300 mil habitantes, Metrópole do Cariri, e a mais importante do Nordeste central do Brasil. Essa participação dos maçons é resultado de reunião de trabalho da Comissão do Centenário, representada pelo seu presidente jornalista e escritor Menezes Barbosa, pelo secretário geral Renato Dantas, e por dois outros membros, escritores Daniel Walker e Raimundo Araújo, com dirigentes da loja maçônica pioneira em Juazeiro do Norte. Eles apresentaram aos maçons o calendário de eventos e as iniciativas que estão sendo adotadas para que Juazeiro possa comemorar condignamente seu centenário. Ao justificar a reunião, disse o presidente da Comissão, Menezes Barbosa: . “O Centenário é de Juazeiro e não do Padre Cícero. Por isso, será uma festa cívica e ecumênica que pretendemos envolver a todos”. Assim, várias outras reuniões estão sendo e serão realizadas com diversas entidades e segmentos representativos da sociedade do Juazeiro. Dentre as ações em desenvolvimento, apresentadas aos maçons, o Secretário-Geral da Comissão, Renato Dantas, destacou o mapeamento da Nação Romeira, que está sendo feito pelas irmãs Annete Dumoulin e Ana Teresa Stela Guimarães. Objetivo é identificar todas aquelas cidades do País que ostentam uma relação próxima com Juazeiro do Norte oferecendo ruas, avenidas e praças com nome do Padre Cícero ou colocando estátuas do Patriarca do Juazeiro. Pretende também a Comissão nomear embaixadores juazeirenses em diversos lugares do País como responsáveis pela coleta de idéias e a divulgação da festa pelos 100 anos do município. Outra pretensão é fazer o símbolo maior da cidade marcar presença em diversos lugares com o projeto “Árvore do Centenário”. Seria a distribuição de um milhão de pés de Juazeiro nas próximas romarias e junto aos peregrinos para que eles possam plantar. Já está aprovada a criação do “Jornal do Centenário” para divulgar todas essas atividades, com lançamento previsto para o mês de setembro próximo. Os maçons tomaram conhecimento ainda de outros eventos programados para este ano como o Centenário da Imprensa, da Literatura de Cordel e da Xilogravura e a Mostra SESC de Arte e Cultura. Outra questão mencionada aos maçons foi definição do Marco Zero de Juazeiro, em frente à Praça dos Romeiros. De acordo com Daniel Walker, que é Secretário Geral da Secretaria de Turismo e Romarias de Juazeiro do Norte, poucas cidades do Brasil, como Recife, Porto Alegre e Curitiba, possuem e preservam o Marco Zero. No Juazeiro, a Prefeitura que ir aos primórdios reconstituindo o vilarejo que deu origem à cidade em meio a Praça da Independência e construindo, ao lado, a Avenida do Centenário. Daniel citou, também, o projeto que prevê a construção de três grandes portais nas entradas de Juazeiro pelos municípios de Crato, Barbalha e Caririaçu, bem como a construção do Museu de Juazeiro. Os membros da comissão relacionaram ainda o projeto de sinalização turística que já está sendo implantado e o futuro Roteiro da Fé com previsão de 4,8 quilômetros de calçadão entre os templos religiosos e locais expressivos da história do Juazeiro. Ao final da reunião, o líder maçônico Antonio Nivaldo Parente anunciou que a Loja Cavalheiros Spartanos vai participar intensamente das festividades pelos 100 anos de Juazeiro do Norte que serão iniciadas agora em julho. Ele lembrou que a loja do Juazeiro do Grande Oriente do Brasil estará completando 74 anos em setembro próximo. Nasceu da iniciativa do jovem Fausto Guimarães, estudante em João Pessoa, Paraíba, cuja família morava no Juazeiro. De volta ao Juazeiro, em 1930, trazendo na bagagem segredos da Loja Maçônica Branca Dias, conheceu os comerciantes Modesto Costa e Alfeu Aboim, então os únicos maçons residentes na cidade. Muito observador e cauteloso, Fausto Guimarães foi logo convidado pelo Padre Cícero para ser seu secretário particular.Nessa época, o caldeirão político e religioso no País estava fervendo e o Padre Cícero, líder popular em todo o Nordeste, era intensamente consultado nas decisões políticas do Estado e do Brasil. E sentiu, rápido, nas idéias políticas, sociais e filantrópicas do seu secretário, que ele era adepto de uma filosofia milenar que só a maçonaria pregava. Então, Padre Cícero, inteligentemente, deixou claro que não era contra a Maçonaria, mas considerava inoportuno aquele momento para que a Maçonaria fixasse ou se desenvolvesse em Juazeiro do Norte. Fausto Guimarães entendeu e repassou a mensagem aos amigos Modesto Costa e Alfeu Aboim, ficando a idéia de fundação de uma loja maçônica no Juazeiro adormecida, aguardando melhor circunstância. Assim, somente após a morte do Padre Cícero, em 20 de julho de 1934, eles voltaram ao projeto. Em março de 1935, Juazeiro recebeu a visita do delegado do Grão-Mestre do Grande Oriente do Brasil no Ceará, Torres de Melo, acompanhado de representantes de Fortaleza. Já não existia o compromisso assumido com o Padre Cícero, em virtude de seu falecimento, e foi decidida a criação da Loja Maçônica Cavalheiros Spartanos, instalada oficialmente em 7 de Setembro de 1935 sob os auspícios do Grande Oriente do Brasil. Um mês depois, em outubro, foi criada uma segunda loja no Juazeiro, a Evolução Nordestina, para garantir o número de lojas suficiente à instalação do Grão-Mestrado no Ceará. Dessa maneira, Juazeiro do Norte passou a fazer parte da história da Maçonaria no Brasil que está na história do Brasil desde o antigo sistema colonial. Associação semi-secreta, difundida no mundo todo, sob os princípios de fraternidade e da filantropia, a maçonaria não é seita nem entidade religiosa, mas não aceita ateus entre seus membros porque os maçons professam a crença em um Ser Supremo. Ela é suprarreligiosa, aceitando cristãos, judeus, muçulmanos, budistas e qualquer cidadão que tenha de fé. Surgiu em meados do século XV na Inglaterra com lojas de free-masons ("pedreiros livres"), inicialmente reservadas somente a profissionais ligados a esse ofício (arquitetos e engenheiros). Depois, abriu-se para membros da nobreza, da burguesia e do clero. No Brasil, sua influência cresceu consideravelmente durante o processo de formação do Estado Brasileiro, onde apareceu como uma das mais importantes instituições de apoio à independência, permanecendo atuante ao longo de todo período monárquico no século XIX. De tal forma que história do Brasil Império é também a história da maçonaria, que atua na política nacional desde os primeiros movimentos de independência, passando pelos irmãos Andradas no Primeiro Reinado, até as mais importantes lideranças do Segundo Império, no final do século XIX. Apesar de estar presente no Brasil desde a Inconfidência Mineira, no final do século XVIII, a primeira loja maçônica brasileira surgiu filiada ao Grande Oriente da França, sendo instalada em 1801 no contexto da Conjuração Baiana. A partir de 1809 foram fundadas várias lojas no Rio de Janeiro e Pernambuco. Constituiu-se um importante veículo de divulgação dos ideais de Independência do Brasil em 1922. Atualmente, há cerca de 300 mil maçons no País, sendo 150 mil pertencentes ao Grande Oriente do Brasil, com sede em Brasília.

(18/05/2009)
O REBATE - JORNAL DA INDEPENDÊNCIA

Foto: Cópia da capa da primeira edição de O Rebate
Uma viagem pela história da imprensa do Juazeiro. Foi assim o marco inicial das celebrações do Centenário do Juazeiro, que irão até 22 de julho de 2011, com o lançamento oficial da programação relativa aos 100 anos da imprensa juazeirense. Diante de autoridades municipais e profissionais da mídia do Juazeiro, a Comissão do Centenário apresentou no auditório do Panorama Hotel, no centro da cidade, nessa segunda-feira(18), a edição recuperada do número 01 do primeiro jornal do Juazeiro, "O Rebate", lançado em 18 de julho de 1909, com o objetivo específico de lutar pela emancipação política juazeirense. "Desassombrado, sem temer os homens da sombra" para "levar luz e calor à consciência do povo", assim resumia sua missão em primeiro editorial. Entre os presentes à antecipação comemorativa dos 100 anos da imprensa do Juazeiro, o prefeito Manoel Santana, o vice Roberto Celestino, o secretário de Turismo e Romaria, José Carlos dos Santos, e outras personalidades. Durante o evento, o presidente da Comissão do Centenário, escritor e cronista Menezes Barbosa, fez um relato histórico da independência do Juazeiro e os professores e pesquisadores Renato Casimiro e Daniel Walker apresentaram um painel da história política, religiosa e econômica da cidade a partir de inúmeros exemplares de jornais catalogados e que circularam na cidade nesses 100 anos. Casimiro chegou a exibir, inclusive, diversos exemplares de 284 jornais que circularam na cidade ao longo desse período. Com relação ao O Rebate, disse que o jornal representou um fato de extrema relevância sendo o mais importante de todos impressos no Juazeiro. Durante dois anos, O Rebate circulou mensalmente chegando a 104 edições e um total de 416 páginas, deixando de existir em 13 de agosto de 1911 quando seu objetivo, a emancipação do Juazeiro, já havia sido conquistado em 22 de julho de 1911, data em que, por lei, Juazeiro virou cidade e sede de município. Casimiro considera o jornal até como uma manifestação das artes por conta das dificuldades para imprimir o periódico num vilarejo. Diz acreditar que o cordel no Juazeiro igualmente nasceu com esse jornal, através das poesias de Leandro Gomes de Barros ali publicadas, a exemplo da própria xilogravura. Fundado por Alencar Peixoto, sacerdote e jornalista, e com participação intensa de Floro Bartolomeu, médico e político, o jornal nasceu para rebater agressões e acusações do povo do Crato ao povo do Juazeiro e assumiu vigorosa militância em defesa da independência juazeirense. Sua luta encampou de forma absoluta o anseio do povo do Juazeiro de não pagar mais impostos ao Crato e construir a sua autonomia política. Com "artigos de fogo" escritos por Alencar Peixoto e Floro Bartolomeu, o jornal incentivou e mobilizou o povo do Juazeiro até o Grito pela Independência, que aconteceu em 7 de setembro de 1910, no dia de comemoração da Independência do Brasil. Graças ao estímulo do jornal, o povo foi às ruas gritando "Viva a nossa Independência". Desse dia em diante, Juazeiro, definitivamente livre do município do Crato, passou a ter uma história de acelerado desenvolvimento ao ponto de hoje, próximo de completar 100 anos, constituir-se a Metrópole do Cariri e principal cidade do Nordeste central do Brasil. Completa trajetória de O Rebate estará em exposição sobre o Centenário do Juazeiro, a partir de 18 de julho próximo, no Centro Cultural do Banco do Nordeste-CCBNB-Juazeiro, onde serão mostradas 300 primeiras páginas de jornais juazenreses de 1909 a 2009. Essa retrospectiva da imprensa juazeirense deverá se tornar itinerante pelas escolas da cidade. Os primeiros 1000 visitantes da exposição receberão uma cópia desse primeiro número de O Rebate como edição comemorativa. Exposição terá ainda um catálogo que antecipa da História da Imprensa de Juazeiro do Norte a ser lançada em 2011, fechando as celebrações do Centenário. Além disso, no dia 18 de julho, no auditório do mesmo CCBNB-Juazeiro será realizado um fórum sobre o papel da imprensa no desenvolvimento de Juazeiro do Norte, quando serão discutidos e analisados aspectos da imprensa inovadora, de resistência, alternativa, novas mídias e a grande imprensa. Durante o evento dessa segunda-feira(18), no Panorama Hotel , o prefeito Manoel Santana, o vice Roberto Celestino e o presidente da Comissão do Centenário, Menezes Barbosa, descerram quadro com a primeira edição recuperada de O Rebate. De acordo com o Secretário de Turismo e Romaria, José Carlos dos Santos, a festa do Centenário do Juazeiro foi aberta com os 100 anos da Imprensa pela própria importância dada ao jornal O Rebate, que muito contribuiu na conscientização do povo quanto à libertação do Juazeiro. Já o prefeito Manoel Santana parabenizou a comissão pelos trabalhos que está realizando, declarando-se seguro de que "a programação do Centenário de Juazeiro está entregue em boas mãos". Empolgado, garantiu todo o apoio do Governo do Juazeiro à comissão e anunciou estudos para a possibilidade da destinação de um percentual do IPTU (Imposto Predial e Territorial Urbano) para os preparativos e programação até 2011 com muitas festas populares, eventos artísticos, culturais, religiosos e políticos.
Foto Demontier Tenório
Comemoração dos 100 anos da Imprensa do Juazeiro
Foto; Demontier Tenório
Profissionais da mídia lotam auditório do Panorama Hotel
Foto: Demontier Tenório
Renato Casimiro mostra jornais antigos do Juazeiro
Foto: Demontier Tenório
Menezes Barbosa, Manoel Santana e Roberto Celestino

COLUNÁRIO Menezes Barbosa Jota Alcides Fábio Tavares Luiz Carlos Renato Casimiro Abraão Batista
Willkier Barros Geová Sobreira CineJuanorte Cariricatura MusaJuanorte Editorial
ColunadaHora TribunaJuanorte QuemSomos Leitores Expediente Links

GuiaJUANORTE